Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 21 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Garoto propaganda da Bombril vira livro


Do Diário do Grande ABC

10/05/2000 | 15:13


Durante 22 anos ele encarnou mais de uma centena de personagens, da música ao cinema, dos quadrinhos à ficçao política, do picadeiro ao Masp. O objetivo sempre foi difundir a marca de um fabricante de palha de aço para uso doméstico, mas há quem veja na sua atuaçao um grande comentário sociopolítico da vida brasileira. O sucesso do garoto Bombril, Carlinhos Moreno, é um caso raro que desperta até a atençao internacional. Recentemente, a TV francesa exibiu um documentário sobre o caso.

Agora, para sedimentar o êxito, sua agência publicitária lança "Soy Contra - Capas de Revistas", um livro no qual sao exibidas as metamorfoses desse Zelig da Praça Vilaboim. Desde 1997, ele encarnou 75 caricaturas só em contracapas de revistas. Ele chama a atençao, em primeiro lugar, pela longevidade. Garotos-propaganda chateiam em pouco tempo. Moreno - um ator de pouco sucesso no teatro - atualiza seu personagem, invocando ecos da realidade efêmera. Eterniza-se à custa do transitório, do passageiro. Como vendedor, Moreno provavelmente seria um fracasso. Ele (o personagem, claro) é um tipo meio abilolado que se dirige quase sempre de maneira hesitante à dona de casa, dizendo coisas sem fundamento. Mas a marca que representa nunca exigiu muito esforço para ser ofertada ao consumidor, já que é praticamente sinônimo do produto que vende. Entao, do que Moreno tenta convencer o público?

O ator às vezes se queixa de que as pessoas o param na rua esperando dele um comentário engraçado. Seu personagem é patético. Logo, tudo que ele encarna se torna automaticamente patético. Na verdade, a impressao é que esse Zelig quer fazer a gente rir ainda mais de coisas de notório histrionismo. Pitta e Nicéa já sao risíveis sem muito esforço, assim como o ensandecido deputado Enéas Carneiro, líder político, a esfuziante Feiticeira, a sadomasô evangélica Tiazinha ou o par romântico infanto-juvenil Ronaldinho-Milene.

"Comentados" por Carlinhos Moreno, no entanto, parecem ganhar autenticidade como instant celebrities (só para lembrar outro bordao publicitário famoso). Quem nao é nada, passa a ser um nada reconhecido socialmente - mesmo que seja como piada. O apresentador de TV nao consegue emplacar como apresentador de TV. Mas, após ser "bombrilzado", pode viver dos lucros que a chancela de "personalidade pública" possibilita no Brasil.

Mas nao soa bem ser demasiado crítico em relaçao a um fenômeno tao simpático quanto o garoto Bombril. Suas qualidades parecem maiores que sua capacidade de embotamento da opiniao pública. A "esperteza" em reconhecer imediatamente qual é o talk of the town, a fofoca da hora, é uma dessas qualidades. É a publicidade mostrando seu lado humano, condominial, paroquial, gente como a gente. E, em alguns casos, há eficiência quase jornalística no fenômeno.

Mais do que uma gelatinosa rede de intrigas de natureza política, o caso Pitta e Nicéa, por exemplo, surge como uma lavagem de louça suja conjugal em público. O slogan agora se adapta à realidade como uma luva. É claro: trata-se de um personagem atrelado a sua sina publicitária. É por isso, entre outras coisas, que o publicitário que o criou escreveu o prefácio utilizando oportunas 1.001 palavras.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Garoto propaganda da Bombril vira livro

Do Diário do Grande ABC

10/05/2000 | 15:13


Durante 22 anos ele encarnou mais de uma centena de personagens, da música ao cinema, dos quadrinhos à ficçao política, do picadeiro ao Masp. O objetivo sempre foi difundir a marca de um fabricante de palha de aço para uso doméstico, mas há quem veja na sua atuaçao um grande comentário sociopolítico da vida brasileira. O sucesso do garoto Bombril, Carlinhos Moreno, é um caso raro que desperta até a atençao internacional. Recentemente, a TV francesa exibiu um documentário sobre o caso.

Agora, para sedimentar o êxito, sua agência publicitária lança "Soy Contra - Capas de Revistas", um livro no qual sao exibidas as metamorfoses desse Zelig da Praça Vilaboim. Desde 1997, ele encarnou 75 caricaturas só em contracapas de revistas. Ele chama a atençao, em primeiro lugar, pela longevidade. Garotos-propaganda chateiam em pouco tempo. Moreno - um ator de pouco sucesso no teatro - atualiza seu personagem, invocando ecos da realidade efêmera. Eterniza-se à custa do transitório, do passageiro. Como vendedor, Moreno provavelmente seria um fracasso. Ele (o personagem, claro) é um tipo meio abilolado que se dirige quase sempre de maneira hesitante à dona de casa, dizendo coisas sem fundamento. Mas a marca que representa nunca exigiu muito esforço para ser ofertada ao consumidor, já que é praticamente sinônimo do produto que vende. Entao, do que Moreno tenta convencer o público?

O ator às vezes se queixa de que as pessoas o param na rua esperando dele um comentário engraçado. Seu personagem é patético. Logo, tudo que ele encarna se torna automaticamente patético. Na verdade, a impressao é que esse Zelig quer fazer a gente rir ainda mais de coisas de notório histrionismo. Pitta e Nicéa já sao risíveis sem muito esforço, assim como o ensandecido deputado Enéas Carneiro, líder político, a esfuziante Feiticeira, a sadomasô evangélica Tiazinha ou o par romântico infanto-juvenil Ronaldinho-Milene.

"Comentados" por Carlinhos Moreno, no entanto, parecem ganhar autenticidade como instant celebrities (só para lembrar outro bordao publicitário famoso). Quem nao é nada, passa a ser um nada reconhecido socialmente - mesmo que seja como piada. O apresentador de TV nao consegue emplacar como apresentador de TV. Mas, após ser "bombrilzado", pode viver dos lucros que a chancela de "personalidade pública" possibilita no Brasil.

Mas nao soa bem ser demasiado crítico em relaçao a um fenômeno tao simpático quanto o garoto Bombril. Suas qualidades parecem maiores que sua capacidade de embotamento da opiniao pública. A "esperteza" em reconhecer imediatamente qual é o talk of the town, a fofoca da hora, é uma dessas qualidades. É a publicidade mostrando seu lado humano, condominial, paroquial, gente como a gente. E, em alguns casos, há eficiência quase jornalística no fenômeno.

Mais do que uma gelatinosa rede de intrigas de natureza política, o caso Pitta e Nicéa, por exemplo, surge como uma lavagem de louça suja conjugal em público. O slogan agora se adapta à realidade como uma luva. É claro: trata-se de um personagem atrelado a sua sina publicitária. É por isso, entre outras coisas, que o publicitário que o criou escreveu o prefácio utilizando oportunas 1.001 palavras.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;