Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 20 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Irmãos podem estar fora do Paraguai


Illenia Negrin
Do Diário do Grande ABC

09/11/2004 | 09:11


Os irmãos Guillermo, 10 anos, e Arturo Rojas Boehler, 7, podem não estar no Paraguai. É possível, segundo a Polícia Nacional do país vizinho, que o pai, Eri Daniel Rojas Villalba, tenha fugido com as crianças para Bolívia, Argentina, Colômbia ou Peru, ou até mesmo retornado ao Brasil. A Interpol (Polícia Internacional) dos cinco países já recebeu o alerta, e as equipes paraguaias já pediram ajuda para localizar o foragido. Os meninos viviam em São Bernardo com a mãe e estão desaparecidos há nove meses, depois de seqüestrados por Rojas.

Desde a última quinta-feira, por ordens expressas do presidente do Paraguai, Nicanor Duarte Frutos, a busca pelos irmãos foi intensificada. Além das três equipes que trabalhavam na operação até aquele momento, mais duas foram destacadas para reforçar a investigação. Até segunda-feira à noite, mesmo com mais policiais vasculhando o país, nenhuma pista havia sido encontrada. "Infelizmente ainda não temos novidade. Nenhum indício. Continuamos trabalhando, e a nossa Interpol entrou em contato com os países vizinhos para pedir ajuda. Pode ser que Rojas e os filhos não estejam mais em solo paraguaio", afirmou o relações públicas da polícia, Santiago Velazco.

A suspeita de que tenham deixado o Paraguai ganhou reforço nesta segunda, depois que três dos cinco grupos retornaram das buscas sem ter encontrado sinais dos irmãos nem de Rojas. Duas cidades do Sul do país, Encarnación e Pilar, que fazem fronteira com a Argentina, foram "reviradas", segundo Velazco, além da região entre Assunção e Ciudad del Leste. "Os familiares de Rojas confirmam que ele e as crianças passaram por lá, mas dizem que há muito tempo não têm notícias."

As esperanças, agora, estão concentradas no retorno das outras duas equipes, até quarta-feira, que realizam a busca na região do Chaco (Oeste do Paraguai, fonteira com a região Sul da Bolívia). Tanto a advogada Clara Rosa Gagliardone como a mãe dos meninos, a pastora metodista Genilma Boehler, acreditam que há grandes chances de Rojas ter procurado abrigo ali, entre as centenas de comunidades indígenas. O ex-marido de Genilma é antropólogo indigenista e conhece bem as tribos remanescentes do Chaco, onde chegou a morar para realizar pesquisas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Irmãos podem estar fora do Paraguai

Illenia Negrin
Do Diário do Grande ABC

09/11/2004 | 09:11


Os irmãos Guillermo, 10 anos, e Arturo Rojas Boehler, 7, podem não estar no Paraguai. É possível, segundo a Polícia Nacional do país vizinho, que o pai, Eri Daniel Rojas Villalba, tenha fugido com as crianças para Bolívia, Argentina, Colômbia ou Peru, ou até mesmo retornado ao Brasil. A Interpol (Polícia Internacional) dos cinco países já recebeu o alerta, e as equipes paraguaias já pediram ajuda para localizar o foragido. Os meninos viviam em São Bernardo com a mãe e estão desaparecidos há nove meses, depois de seqüestrados por Rojas.

Desde a última quinta-feira, por ordens expressas do presidente do Paraguai, Nicanor Duarte Frutos, a busca pelos irmãos foi intensificada. Além das três equipes que trabalhavam na operação até aquele momento, mais duas foram destacadas para reforçar a investigação. Até segunda-feira à noite, mesmo com mais policiais vasculhando o país, nenhuma pista havia sido encontrada. "Infelizmente ainda não temos novidade. Nenhum indício. Continuamos trabalhando, e a nossa Interpol entrou em contato com os países vizinhos para pedir ajuda. Pode ser que Rojas e os filhos não estejam mais em solo paraguaio", afirmou o relações públicas da polícia, Santiago Velazco.

A suspeita de que tenham deixado o Paraguai ganhou reforço nesta segunda, depois que três dos cinco grupos retornaram das buscas sem ter encontrado sinais dos irmãos nem de Rojas. Duas cidades do Sul do país, Encarnación e Pilar, que fazem fronteira com a Argentina, foram "reviradas", segundo Velazco, além da região entre Assunção e Ciudad del Leste. "Os familiares de Rojas confirmam que ele e as crianças passaram por lá, mas dizem que há muito tempo não têm notícias."

As esperanças, agora, estão concentradas no retorno das outras duas equipes, até quarta-feira, que realizam a busca na região do Chaco (Oeste do Paraguai, fonteira com a região Sul da Bolívia). Tanto a advogada Clara Rosa Gagliardone como a mãe dos meninos, a pastora metodista Genilma Boehler, acreditam que há grandes chances de Rojas ter procurado abrigo ali, entre as centenas de comunidades indígenas. O ex-marido de Genilma é antropólogo indigenista e conhece bem as tribos remanescentes do Chaco, onde chegou a morar para realizar pesquisas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;