Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 18 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Assassinato de jornalista aumenta diferenças no País Basco


Do Diário do Grande ABC

08/05/2000 | 09:59


O assassinato do articulista do jornal madrilenho ``El Mundo'', José Luis López de Lacalle, no domingo, numa localidade basca, atribuído pela polícia à organizaçao armada ETA, aprofundou ainda mais as diferenças entre independentistas e federalistas, afirmaram nesta segunda-feira observadores políticos.

Os dois lados saíram às ruas separadamente no domingo, horas depois do assassinato a tiros - em plena luz do dia, no centro de Andoain, província basca de Guipúzcoa - para protestar contra a morte do intelectual de esquerda, que no passado franquista amargou cinco anos de cadeia.

Os representantes do governo regional e do Partido Nacionalista Basco (PNB, moderado) participaram de várias manifestaçoes, ao mesmo tempo que os dirigentes dos grandes partidos espanhóis se uniram a manifestaçoes convocadas pelo Fórum de Ermua.

O rei Juan Carlos da Espanha e a rainha Sofia guardaram em Jerez de La Frontera (Andaluzia, Sul), três minutos de silêncio em respeito à morte de Lacalle.

É a primeira vez que os monarcas se unem a um protesto deste tipo, informou um porta-voz da Casa real.

Em visita oficial a Jerez, o rei e a rainha saíram ao meio-dia a uma sacada da prefeitura, em que participaram dos três minutos de silêncio.

Em Madri, deputados e senadores também saíram aos corredores do Congresso e Senado para se unir ao movimento.

Várias manifestaçoes convocadas pelo Movimento contra a Intolerância estao previstas para a noite desta segunda-feira, em onze grandes cidades espanholas.

O jornalista era um crítico feroz dos guerrilheiros do grupo ETA. Ele foi morto a tiros na porta de casa.

A vítima do último atentado da ETA era um dos fundadores do Fórum de Ermua, um grupo de personalidades criado em 1997 para lutar pela paz e pelo fim da violência no país Basco, pouco depois do assassinato do jovem vereador do Partido Popular (PP, centro-direita, no poder), Miguel Angel Blanco.

Profundamente comovida pelo assassinato do jornalista, a sociedade espanhola foi novamente convocada nesta segunda-feira para protestar em 11 grandes cidades, praticamente no mesmo horário do enterro da mais nova vítima da ETA, na localidade basca de Andoain, onde residia.

Por volta do meio-dia, as prefeituras de várias regioes diferentes da Espanha promoveram cinco minutos de silêncio, em memória do jornalista. O quarto atentado da ETA após o fim da trégua provocou protestos tanto entre os nacionalistas radicais quanto entre os nacionalistas moderados.

O grupo separatista basco já matou cerca de 800 pessoas, desde que iniciou a sua violenta campanha pela independência, em 1968. No último dia 3 de dezembro, o ETA pôs fim à trégua que havia declarado 14 meses antes. Desde entao, sao atribuídos aos terroristas vários atentados à bomba.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Assassinato de jornalista aumenta diferenças no País Basco

Do Diário do Grande ABC

08/05/2000 | 09:59


O assassinato do articulista do jornal madrilenho ``El Mundo'', José Luis López de Lacalle, no domingo, numa localidade basca, atribuído pela polícia à organizaçao armada ETA, aprofundou ainda mais as diferenças entre independentistas e federalistas, afirmaram nesta segunda-feira observadores políticos.

Os dois lados saíram às ruas separadamente no domingo, horas depois do assassinato a tiros - em plena luz do dia, no centro de Andoain, província basca de Guipúzcoa - para protestar contra a morte do intelectual de esquerda, que no passado franquista amargou cinco anos de cadeia.

Os representantes do governo regional e do Partido Nacionalista Basco (PNB, moderado) participaram de várias manifestaçoes, ao mesmo tempo que os dirigentes dos grandes partidos espanhóis se uniram a manifestaçoes convocadas pelo Fórum de Ermua.

O rei Juan Carlos da Espanha e a rainha Sofia guardaram em Jerez de La Frontera (Andaluzia, Sul), três minutos de silêncio em respeito à morte de Lacalle.

É a primeira vez que os monarcas se unem a um protesto deste tipo, informou um porta-voz da Casa real.

Em visita oficial a Jerez, o rei e a rainha saíram ao meio-dia a uma sacada da prefeitura, em que participaram dos três minutos de silêncio.

Em Madri, deputados e senadores também saíram aos corredores do Congresso e Senado para se unir ao movimento.

Várias manifestaçoes convocadas pelo Movimento contra a Intolerância estao previstas para a noite desta segunda-feira, em onze grandes cidades espanholas.

O jornalista era um crítico feroz dos guerrilheiros do grupo ETA. Ele foi morto a tiros na porta de casa.

A vítima do último atentado da ETA era um dos fundadores do Fórum de Ermua, um grupo de personalidades criado em 1997 para lutar pela paz e pelo fim da violência no país Basco, pouco depois do assassinato do jovem vereador do Partido Popular (PP, centro-direita, no poder), Miguel Angel Blanco.

Profundamente comovida pelo assassinato do jornalista, a sociedade espanhola foi novamente convocada nesta segunda-feira para protestar em 11 grandes cidades, praticamente no mesmo horário do enterro da mais nova vítima da ETA, na localidade basca de Andoain, onde residia.

Por volta do meio-dia, as prefeituras de várias regioes diferentes da Espanha promoveram cinco minutos de silêncio, em memória do jornalista. O quarto atentado da ETA após o fim da trégua provocou protestos tanto entre os nacionalistas radicais quanto entre os nacionalistas moderados.

O grupo separatista basco já matou cerca de 800 pessoas, desde que iniciou a sua violenta campanha pela independência, em 1968. No último dia 3 de dezembro, o ETA pôs fim à trégua que havia declarado 14 meses antes. Desde entao, sao atribuídos aos terroristas vários atentados à bomba.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;