Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 21 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Nasdaq reduz interesse por mercados emergentes


Do Diário do Grande ABC

08/04/2000 | 15:35


A bolsa eletrônica americana Nasdaq, que reúne açoes de tecnologia, roubou a cena do noticiário mundial desta semana, ao despencar 13,6% durante o pregao de terça-feira. Mas há muito tempo vem roubando os investimentos em bolsas destinados aos países emergentes, incluindo o Brasil. Alguns dados contribuem para ilustrar essa tendência do capital financeiro, que contraria o fluxo positivo recorde de investimentos diretos no setor produtivo.

O estoque dos recursos de fundos americanos dedicados a papéis de empresas latino-americanas somava US$ 1,7 bilhao, no início de abril, segundo dados do ING Barings. No fim de setembro de 1997, antes das crises financeiras globais afugentarem o capital para portos mais seguros, o estoque era quase três vezes maior, ou US$ 4,7 bilhoes.

O movimento da entrada de capital estrangeiro na Bolsa de Valores de Sao Paulo (Bovespa), por meio do Anexo IV, mostra a perda de fluxo desde a primeira crise, com alguns períodos de exceçao. "Muitos investidores migraram para as bolsas americanas e certamente boa parte para a Nasdaq", confirma o vice-presidente do Banco Itaú, Alfredo Setubal. "Como aumentou o risco dos países emergentes, o investidor americano vai preferir correr o risco do mercado que ele já conhece."

A aplicaçao em títulos de dívida de países emergentes também perdeu espaço no mercado global, embora menos do que nas bolsas. O estoque dos recursos de fundos americanos dedicados a bradies (títulos da dívida externa renegociada), eurobônus e outros, caiu 26%, de US$ 5,8 bilhoes no fim de setembro de 1997 para US$ 4,3 bilhoes no início de abril.

"As crises da Asia e Rússia tiraram a atratividade desses mercados, ao mesmo tempo que as bolsas americanas passaram a assegurar ganhos cada vez maiores", observa o economista-chefe para as Américas do ING Barings, Arturo Porzecanski. Ele recorda que, até quatro anos atrás, as economias emergentes acenavam com taxas de crescimento acima de 5% ao ano, enquanto as dos países desenvolvidos ficavam na média dos 2%. "Nos últimos tempos o que se viu foi o contrário, e quem cresceu 4% foram os EUA; por isso o vigor de suas bolsas", explicou. Mas nao é só. A Nasdaq, em especial, acabou substituindo as bolsas emergentes pelo seu potencial de retorno rápido. Mas o risco também existe.

O motivo é a volatilidade, explicam os executivos do mercado. Volatilidade é o grau de oscilaçao de um índice do mercado acionário. Quanto mais rápido ele sobe e desce, mais ele é volátil e, obviamente, os investidores estao de olho nas oscilaçoes que garantam ganhos, as altas. Três dias depois do pregao em que o Indice Nasdaq chegou a cair 13,6%, a bolsa eletrônica fechou com valorizaçao de 4,19%. Na quinta, as açoes de biotecnologia deram forte impulso à bolsa, depois que a norte-americana Celera Genomics anunciou um grande passo para mapear o genoma humano. As açoes da Celera chegaram a subir mais de 80% em dois pregoes consecutivos. O fato é que a Nasdaq tem várias Celeras, Yahoo!s e muitas outras empresas do setor de tecnologia e informática com grande potencial de valorizaçao. E de risco também.

Para David Gotlib, diretor-executivo do Deutsche Bank Investimentos, no entanto, o grosso do dinheiro investido na Nasdaq é de origem americana, que nao viria para cá, mesmo sem as crises. Mas ele reconhece que o capital mais especulativo, que poderia migrar para o Brasil, acabou indo para lá. E a bolsa brasileira em 99, especialmente no último trimestre do ano, foi sustentada pelo dinheiro local, que migrou da renda fixa em busca de rendimentos maiores. Os estrangeiros poderiam retornar ao Brasil, caso o Nasdaq se estabilizasse da mesma forma que o Indice Dow Jones, que reúne as empresas da chamada velha economia, há quase um ano oscilando entre os 10 mil e 11 mil pontos. O Nasdaq já superou os 5 mil pontos e pode ficar entre os 4 mil e 4,5 mil pontos.

Enquanto o Nasdaq nao se estabilizar, muitos investidores sequer vao olhar para a América Latina muito seriamente, destaca Porzekanski. Talvez no segundo semestre as coisas mudem um pouco com a economia americana menos aquecida e o Brasil confirmando um bom ritmo de crescimento. Setubal é menos otimista. Para ele, o dinheiro externo deve voltar só no segundo semestre do ano que vem. Até lá, a bolsa vai depender do fluxo de investidores locais, que devem continuar migrando da renda fixa por causa da queda das taxas de juros.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Nasdaq reduz interesse por mercados emergentes

Do Diário do Grande ABC

08/04/2000 | 15:35


A bolsa eletrônica americana Nasdaq, que reúne açoes de tecnologia, roubou a cena do noticiário mundial desta semana, ao despencar 13,6% durante o pregao de terça-feira. Mas há muito tempo vem roubando os investimentos em bolsas destinados aos países emergentes, incluindo o Brasil. Alguns dados contribuem para ilustrar essa tendência do capital financeiro, que contraria o fluxo positivo recorde de investimentos diretos no setor produtivo.

O estoque dos recursos de fundos americanos dedicados a papéis de empresas latino-americanas somava US$ 1,7 bilhao, no início de abril, segundo dados do ING Barings. No fim de setembro de 1997, antes das crises financeiras globais afugentarem o capital para portos mais seguros, o estoque era quase três vezes maior, ou US$ 4,7 bilhoes.

O movimento da entrada de capital estrangeiro na Bolsa de Valores de Sao Paulo (Bovespa), por meio do Anexo IV, mostra a perda de fluxo desde a primeira crise, com alguns períodos de exceçao. "Muitos investidores migraram para as bolsas americanas e certamente boa parte para a Nasdaq", confirma o vice-presidente do Banco Itaú, Alfredo Setubal. "Como aumentou o risco dos países emergentes, o investidor americano vai preferir correr o risco do mercado que ele já conhece."

A aplicaçao em títulos de dívida de países emergentes também perdeu espaço no mercado global, embora menos do que nas bolsas. O estoque dos recursos de fundos americanos dedicados a bradies (títulos da dívida externa renegociada), eurobônus e outros, caiu 26%, de US$ 5,8 bilhoes no fim de setembro de 1997 para US$ 4,3 bilhoes no início de abril.

"As crises da Asia e Rússia tiraram a atratividade desses mercados, ao mesmo tempo que as bolsas americanas passaram a assegurar ganhos cada vez maiores", observa o economista-chefe para as Américas do ING Barings, Arturo Porzecanski. Ele recorda que, até quatro anos atrás, as economias emergentes acenavam com taxas de crescimento acima de 5% ao ano, enquanto as dos países desenvolvidos ficavam na média dos 2%. "Nos últimos tempos o que se viu foi o contrário, e quem cresceu 4% foram os EUA; por isso o vigor de suas bolsas", explicou. Mas nao é só. A Nasdaq, em especial, acabou substituindo as bolsas emergentes pelo seu potencial de retorno rápido. Mas o risco também existe.

O motivo é a volatilidade, explicam os executivos do mercado. Volatilidade é o grau de oscilaçao de um índice do mercado acionário. Quanto mais rápido ele sobe e desce, mais ele é volátil e, obviamente, os investidores estao de olho nas oscilaçoes que garantam ganhos, as altas. Três dias depois do pregao em que o Indice Nasdaq chegou a cair 13,6%, a bolsa eletrônica fechou com valorizaçao de 4,19%. Na quinta, as açoes de biotecnologia deram forte impulso à bolsa, depois que a norte-americana Celera Genomics anunciou um grande passo para mapear o genoma humano. As açoes da Celera chegaram a subir mais de 80% em dois pregoes consecutivos. O fato é que a Nasdaq tem várias Celeras, Yahoo!s e muitas outras empresas do setor de tecnologia e informática com grande potencial de valorizaçao. E de risco também.

Para David Gotlib, diretor-executivo do Deutsche Bank Investimentos, no entanto, o grosso do dinheiro investido na Nasdaq é de origem americana, que nao viria para cá, mesmo sem as crises. Mas ele reconhece que o capital mais especulativo, que poderia migrar para o Brasil, acabou indo para lá. E a bolsa brasileira em 99, especialmente no último trimestre do ano, foi sustentada pelo dinheiro local, que migrou da renda fixa em busca de rendimentos maiores. Os estrangeiros poderiam retornar ao Brasil, caso o Nasdaq se estabilizasse da mesma forma que o Indice Dow Jones, que reúne as empresas da chamada velha economia, há quase um ano oscilando entre os 10 mil e 11 mil pontos. O Nasdaq já superou os 5 mil pontos e pode ficar entre os 4 mil e 4,5 mil pontos.

Enquanto o Nasdaq nao se estabilizar, muitos investidores sequer vao olhar para a América Latina muito seriamente, destaca Porzekanski. Talvez no segundo semestre as coisas mudem um pouco com a economia americana menos aquecida e o Brasil confirmando um bom ritmo de crescimento. Setubal é menos otimista. Para ele, o dinheiro externo deve voltar só no segundo semestre do ano que vem. Até lá, a bolsa vai depender do fluxo de investidores locais, que devem continuar migrando da renda fixa por causa da queda das taxas de juros.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;