Fechar
Publicidade

Domingo, 24 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Prysmian Cabos prevê investimento de US$ 165 mi


Leone Farias
Enviado a Vila Velha (ES)

11/11/2009 | 07:00


A Prysmian Cabos (antiga Pirelli Cabos), com sede em Santo André, fará nos próximos cinco anos investimentos que somam US$ 165 milhões para atuar em área nova: a de produção de tubos flexíveis para exploração de petróleo.

Para isso, a companhia, que comemora 80 anos de presença no Brasil, lançou ontem a pedra fundamental da fábrica em Vila Velha (Espírito Santo) dedicada à fabricação desses itens - que já têm destino certo. A empresa fechou recentemente contrato com a Petrobras, no valor de US$ 135 milhões, para fornecer esses tubos, durante quatro anos.

Segundo o presidente na América do Sul, Armando Comparato, a perspectiva com a operação é elevar em US$ 250 milhões por ano o faturamento da companhia no Brasil, que em 2008 foi de R$ 1,4 bilhão.

Comparato destaca que o petróleo do pré-sal deve colaborar para o impulso dos resultados, mas salienta que as conversas com a Petrobras já vinham há três anos, portanto antes das descobertas abaixo da camada do sal. "A Petrobras vislumbrou escassez de certos produtos no mercado internacional, como sondas de perfuração, árvores de Natal molhadas (equipamentos que ficam no fundo do oceano) e tubos flexíveis, e aceitamos o desafio de ingressar nessa área", afirma.

A fábrica da Prysmian em Santo André também deverá receber investimentos para ampliação. O diretor de mercado na área de cabos elétricos, Humberto Paiva, não informou valores, mas revelou que a capacidade produtiva da unidade deverá crescer 50% nos próximos dois anos, o que deve propiciar mais postos de trabalho no município.

A ampliação será para atender o aumento previsto de demanda em função dos novos linhões de transmissão de energia, que terão de ser montados, por exemplo, após a construção da usina do Rio Madeira.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Prysmian Cabos prevê investimento de US$ 165 mi

Leone Farias
Enviado a Vila Velha (ES)

11/11/2009 | 07:00


A Prysmian Cabos (antiga Pirelli Cabos), com sede em Santo André, fará nos próximos cinco anos investimentos que somam US$ 165 milhões para atuar em área nova: a de produção de tubos flexíveis para exploração de petróleo.

Para isso, a companhia, que comemora 80 anos de presença no Brasil, lançou ontem a pedra fundamental da fábrica em Vila Velha (Espírito Santo) dedicada à fabricação desses itens - que já têm destino certo. A empresa fechou recentemente contrato com a Petrobras, no valor de US$ 135 milhões, para fornecer esses tubos, durante quatro anos.

Segundo o presidente na América do Sul, Armando Comparato, a perspectiva com a operação é elevar em US$ 250 milhões por ano o faturamento da companhia no Brasil, que em 2008 foi de R$ 1,4 bilhão.

Comparato destaca que o petróleo do pré-sal deve colaborar para o impulso dos resultados, mas salienta que as conversas com a Petrobras já vinham há três anos, portanto antes das descobertas abaixo da camada do sal. "A Petrobras vislumbrou escassez de certos produtos no mercado internacional, como sondas de perfuração, árvores de Natal molhadas (equipamentos que ficam no fundo do oceano) e tubos flexíveis, e aceitamos o desafio de ingressar nessa área", afirma.

A fábrica da Prysmian em Santo André também deverá receber investimentos para ampliação. O diretor de mercado na área de cabos elétricos, Humberto Paiva, não informou valores, mas revelou que a capacidade produtiva da unidade deverá crescer 50% nos próximos dois anos, o que deve propiciar mais postos de trabalho no município.

A ampliação será para atender o aumento previsto de demanda em função dos novos linhões de transmissão de energia, que terão de ser montados, por exemplo, após a construção da usina do Rio Madeira.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;