Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 7 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

GCM prende servidores na hora da assembléia em S.Bernardo


Marco Borba e
Luciano Cavenagui
Do Diário do Grande ABC

24/06/2005 | 08:15


Uma discussão entre dirigentes do Sindicato dos Servidores Públicos de São Bernardo e o supervisor da Guarda Civil Municipal, Jorge Lajes, na manhã de quinta-feira, acabou no 5º Distrito Policial da cidade. A confusão começou porque a presidente da entidade, Vânia Aparecida de Souza, e cinco diretores teriam sido impedidos de realizar assembléia com funcionários do setor de manutenção de veículos da Prefeitura, no bairro Paulicéia.

Vânia Aparecida explicou que o supervisor da GCM tentou impedir a reunião e desligou o aparelho de som instalado em um veículo do sindicato, estacionado no pátio do setor de manutenção. “Ele (Lajes) me ameaçou com voz de prisão porque não desliguei o aparelho. Foi uma atitude arbitrária. Fizemos uma assembléia com os servidores e eles se dispuseram a nos ouvir.”

O impasse só foi resolvido com a chegada de uma equipe da Polícia Militar. Vânia e os cinco diretores concordaram em ir até o 5º DP, onde foi registrado boletim de ocorrência por “desacato” e “desobediência”. O grupo de sindicalistas foi liberado após prestar esclarecimentos sobre o ocorrido.

O sindicato alega que as atividades do setor de manutenção não foram prejudicadas pela assembléia com os servidores, realizada fora do expediente de trabalho, entre 7h30 e 8h da manhã. Em nota oficial, o comando da GCM informou apenas que os guardas deram voz de prisão aos sindicalistas por desacato e desobediência porque estes, além de questionarem a autoridade da Guarda, se recusaram a sair e retirar o veículo do pátio do setor de manutenção.

Em campanha salarial desde o início do ano, o sindicato diz que a Prefeitura se recusa a discutir propostas de interesse do funcionalismo, como reposição de perdas salariais e reajuste do auxílio alimentação, hoje em R$ 5,00. Segundo Vânia Aparecida, as perdas salariais nos últimos dez anos chegam a cerca de 60%. “Queremos negociar um acordo coletivo que garanta essa reposição e os reajustes anuais do salário. Desde o início do ano já protocolamos dois pedidos de reunião com representantes da Administração e não obtivemos resposta. Isso mostra que não querem o diálogo”. Procurada pela reportagem do Diário, a Prefeitura de São Bernardo não se manifestou sobre o assunto até o fechamento desta edição.

Santo André –A greve dos funcionários públicos de Santo André, iniciada no dia 16, pode acabar segunda-feira se a Prefeitura aceitar as novas propostas apresentadas na quinta pela categoria. O representante legal do Sindiserv (Sindicato dos servidores públicos), Jaime de Almeida, disse que abrirá mão do reajuste salarial de 47,31%, que era a principal reivindicação, se a administração der abono de R$ 150 para quem ganham até R$ 1.000, R$ 100 para quem ganhar acima disso, não descontar os dias parados e não considerar faltas durante a greve para licença-prêmio e férias.

“Não conseguimos mobilizar a maioria da categoria e a tendência é terminarmos a greve se forem aceitas essas condições”, disse Almeida. As novas propostas serão encaminhadas para a Secretaria de Governo.

Até lá, o sindicato afirmou que três dos quatro postos do Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) continuarão parados. Os serviços emergenciais estão mantidos.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

GCM prende servidores na hora da assembléia em S.Bernardo

Marco Borba e
Luciano Cavenagui
Do Diário do Grande ABC

24/06/2005 | 08:15


Uma discussão entre dirigentes do Sindicato dos Servidores Públicos de São Bernardo e o supervisor da Guarda Civil Municipal, Jorge Lajes, na manhã de quinta-feira, acabou no 5º Distrito Policial da cidade. A confusão começou porque a presidente da entidade, Vânia Aparecida de Souza, e cinco diretores teriam sido impedidos de realizar assembléia com funcionários do setor de manutenção de veículos da Prefeitura, no bairro Paulicéia.

Vânia Aparecida explicou que o supervisor da GCM tentou impedir a reunião e desligou o aparelho de som instalado em um veículo do sindicato, estacionado no pátio do setor de manutenção. “Ele (Lajes) me ameaçou com voz de prisão porque não desliguei o aparelho. Foi uma atitude arbitrária. Fizemos uma assembléia com os servidores e eles se dispuseram a nos ouvir.”

O impasse só foi resolvido com a chegada de uma equipe da Polícia Militar. Vânia e os cinco diretores concordaram em ir até o 5º DP, onde foi registrado boletim de ocorrência por “desacato” e “desobediência”. O grupo de sindicalistas foi liberado após prestar esclarecimentos sobre o ocorrido.

O sindicato alega que as atividades do setor de manutenção não foram prejudicadas pela assembléia com os servidores, realizada fora do expediente de trabalho, entre 7h30 e 8h da manhã. Em nota oficial, o comando da GCM informou apenas que os guardas deram voz de prisão aos sindicalistas por desacato e desobediência porque estes, além de questionarem a autoridade da Guarda, se recusaram a sair e retirar o veículo do pátio do setor de manutenção.

Em campanha salarial desde o início do ano, o sindicato diz que a Prefeitura se recusa a discutir propostas de interesse do funcionalismo, como reposição de perdas salariais e reajuste do auxílio alimentação, hoje em R$ 5,00. Segundo Vânia Aparecida, as perdas salariais nos últimos dez anos chegam a cerca de 60%. “Queremos negociar um acordo coletivo que garanta essa reposição e os reajustes anuais do salário. Desde o início do ano já protocolamos dois pedidos de reunião com representantes da Administração e não obtivemos resposta. Isso mostra que não querem o diálogo”. Procurada pela reportagem do Diário, a Prefeitura de São Bernardo não se manifestou sobre o assunto até o fechamento desta edição.

Santo André –A greve dos funcionários públicos de Santo André, iniciada no dia 16, pode acabar segunda-feira se a Prefeitura aceitar as novas propostas apresentadas na quinta pela categoria. O representante legal do Sindiserv (Sindicato dos servidores públicos), Jaime de Almeida, disse que abrirá mão do reajuste salarial de 47,31%, que era a principal reivindicação, se a administração der abono de R$ 150 para quem ganham até R$ 1.000, R$ 100 para quem ganhar acima disso, não descontar os dias parados e não considerar faltas durante a greve para licença-prêmio e férias.

“Não conseguimos mobilizar a maioria da categoria e a tendência é terminarmos a greve se forem aceitas essas condições”, disse Almeida. As novas propostas serão encaminhadas para a Secretaria de Governo.

Até lá, o sindicato afirmou que três dos quatro postos do Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) continuarão parados. Os serviços emergenciais estão mantidos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;