Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 28 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Banco Asiático pede que reformas econômicas prossigam


Do Diário do Grande ABC

26/04/2000 | 11:18


Os países asiáticos devem acelerar e estender as reformas econômicas se nao quiserem colocar em perigo o início da recuperaçao econômica depois de três anos de crise, advertiu nesta quarta-feira o Banco Asiático de Desenvolvimento (BAD), em seu informe anual sobre as perspectivas econômicas da regiao, publicado em Bangcoc.

O BAD destaca os progressos da reestruturaçao econômica na Asia, mas opina que ``ainda resta muito a fazer''. Os países da regiao devem atacar com prioridade o ``grande peso'' dos empréstimos nao pagos, assim como a insuficiência de capital e o endividamento do setor bancário, que prejudica suas economias, acrescentaram os especialistas.

O informe adverte que um ``freio ou o fim do processo de reforma terá conseqüências graves: prejudicará a confiança dos investidores e dilapidará o enorme montante de recursos já gastos''.

Para o BAD, interromper as reformas econômicas ``significará o desperdício de uma oportunidade única para modernizar o setor financeiro e as empresas privadas na Asia, e reduzirá o potencial de crescimento da regiao''. O BAD expressa seu temor, como muitos outros analistas financeiros ocidentais, de que o início da recuperaçao econômica na Asia só vá servir de pretexto para ``uma vasta variedade de interesses estabelecidos'', apesar de nao dar detalhes a respeito.

A instituiçao bancárias regional saúda, apesar de tudo, os êxitos econômicos obtidos em 1999 pelos países da regiao afetados pela crise, tanto as Filipinas (+3,2%), como a Coréia do Sul (+10,7%).

De fato, as previsoes para a Asias continuam sendo excelentes, como um crescimento do PIB de 6,2% previsto para 2000 (sem mudanças em relaçao a 1999), uma cifra surpreendente.

A Asia continua, por outra parte, acumulando os índices de crescimento mais rápidos do mundo, apesar dos três anos de marasmo dos quais acaba de sair, acrescenta o Banco.

Se os países asiáticos em vias de desenvolvimento puderem manter esse movimento histórico de crescimento, o continente conseguirá se livrar da pobreza em vinte e cinco anos, previu, em Bangcoc, o vice-presidente do BAD, Myoung-Ho Shin.

Do um bilhao de pessoas que sobrevivem no mundo com menos de um dólar por dia, dois terços vivem na Asia.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;