Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 26 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Anistia denuncia prática de tortura no Brasil


Do Diário OnLine

08/05/2001 | 11:06


A Anistia Internacional denunciou nesta terça-feira que a polícia brasileira continua praticando tortura e brutalidade contra presos. Segundo o órgão, o tratamento degradante e desumano “continua sendo praticado amplamente e sem punição alguma”, mesmo 11 anos depois de o país ter assinado um tratado internacional prevendo a eliminação deste tipo de delito.

Segundo informações da Reuters, o comunicado da Anistia afirma ainda que “a tortura é usada regularmente como forma de obtenção de confissões, para dominar, humilhar e controlar os detentos".

O órgão diz ainda que policiais corruptos usam a tortura para obter dinheiro das pessoas. "Para alguns membros da polícia, geralmente sem treinamento adequado e com pouco pessoal, extrair confissões sob tortura se tornou uma prática comum, o que substitui métodos profissionais e científicos de investigação".

A denúncia da Anistia Internacional é feita no dia em que o Comitê de Tortura das Nações Unidas inicia audiência especial sobre o Brasil. Ainda segundo a Anistia, o Brasil assinou a Convenção contra a Tortura e outras Crueldades, Tratamentos e Punições Desumanas e Degradantes em setembro de 1989, mas falha no cumprimento de suas obrigações. A delegação brasileira apresentará sua primeira avaliação sobre a implementação do tratado.

A sessão desta terça-feira acontece um mês depois que a ONU apresentou um relatório sobre tortura em que o investigador especial Nigel Rodley afirma ter encontrado sinais claros de tortura sistemática de detentos, especialmente pobres e negros.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Anistia denuncia prática de tortura no Brasil

Do Diário OnLine

08/05/2001 | 11:06


A Anistia Internacional denunciou nesta terça-feira que a polícia brasileira continua praticando tortura e brutalidade contra presos. Segundo o órgão, o tratamento degradante e desumano “continua sendo praticado amplamente e sem punição alguma”, mesmo 11 anos depois de o país ter assinado um tratado internacional prevendo a eliminação deste tipo de delito.

Segundo informações da Reuters, o comunicado da Anistia afirma ainda que “a tortura é usada regularmente como forma de obtenção de confissões, para dominar, humilhar e controlar os detentos".

O órgão diz ainda que policiais corruptos usam a tortura para obter dinheiro das pessoas. "Para alguns membros da polícia, geralmente sem treinamento adequado e com pouco pessoal, extrair confissões sob tortura se tornou uma prática comum, o que substitui métodos profissionais e científicos de investigação".

A denúncia da Anistia Internacional é feita no dia em que o Comitê de Tortura das Nações Unidas inicia audiência especial sobre o Brasil. Ainda segundo a Anistia, o Brasil assinou a Convenção contra a Tortura e outras Crueldades, Tratamentos e Punições Desumanas e Degradantes em setembro de 1989, mas falha no cumprimento de suas obrigações. A delegação brasileira apresentará sua primeira avaliação sobre a implementação do tratado.

A sessão desta terça-feira acontece um mês depois que a ONU apresentou um relatório sobre tortura em que o investigador especial Nigel Rodley afirma ter encontrado sinais claros de tortura sistemática de detentos, especialmente pobres e negros.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;