Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Prefeitura ameaça embargar obra da SPMar em pedreira

Andréa Iseki/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Ribeirão Pires exige que empresa apresente alvará emitido pelo Executivo municipal; empreiteira não se manifestou


Vanessa de Oliveira
Do Diário do Grande ABC

19/07/2014 | 07:00


A Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Ribeirão Pires deu prazo até segunda-feira para que a empresa SPMar, responsável pela construção do Trecho Leste do Rodoanel, apresente o alvará de funcionamento para as atividades de extração na pedreira Santa Clara, localizada no bairro Pilar Velho.

O motivo do pedido é esclarecer por que a empresa continua retirando pedra no local mesmo depois de concluída a escavação do Túnel Santa Luzia, que faz parte do anel viário. Placa na entrada do local informa que a finalidade da autorização expedida é para a construção da passagem subterrânea, que já está concluída. A manutenção dos trabalhos tem causado transtornos à população do entorno, que sofre com o pó e o barulho.

O secretário de Meio Ambiente, Gerson dos Santos Goulart, acompanhado de equipe jurídica da administração e de alguns vereadores, esteve na pedreira pela manhã, em busca do alvará. O engenheiro responsável pelo canteiro de obras não estava no local e, na ausência do documento, fiscais municipais lavraram multa no valor de R$ 826,23.

“Viemos aqui no dia 8 e demos prazo de cinco dias para eles nos apresentarem a documentação para funcionar. Não retornaram e voltamos para cobrar. Se não tiverem, interditaremos o trabalho na pedreira”, disse Goulart.

O grupo retornou às 15h, acompanhado de cerca de 40 moradores dos bairros Pilar Velho e Jardim Iramaia, que são os mais impactados com os serviços. Representantes da SPMar atenderam comissão formada pelo secretariado municipal e por um integrante de cada bairro. Foram mostradas apenas as autorizações ambientais expedidas pela Cetesb (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental).

Embora pela manhã o secretário municipal tenha dito que embargaria as atividades caso o alvará da Prefeitura não fosse apresentado, foi dado à empresa mais dois dias para a comprovação.

“A SPMAR apresentou licenças ambientais da Cetesb para exploração da área até o fim da conclusão do Trecho Leste do Rodoanel, que disseram terminar em 90 dias. Nós procuramos na Prefeitura o alvará municipal e não encontramos nada. Mas a empresa garante que tem, mesmo ela não estando juntada às licenças estaduais. Se não nos apresentarem na segunda-feira, interditaremos a pedreira para sempre”, garantiu o secretário. A SPMar não retornou os contatos da reportagem para comentar o assunto.

Reúso de pedras em obras do viário diminui impactos ao meio ambiente

Todo o material proveniente das escavações e explosões da pedreira Santa Clara, para a construção do Túnel Santa Luzia, foi reaproveitado visando diminuir o impacto ambiental provocado pela obra do Trecho Leste. A passagem possui 1.080 metros e duas pistas, uma em cada sentido.

A quantidade de pedra e terra retirada do local, que até então estava desativado há três décadas, é estimada em 950 toneladas.

Todo esse material foi utilizado na produção de concreto, pavimentação e construção de taludes de contenção ao longo da rodovia. De acordo com a SPMar, concessionária responsável pela construção do anel viário, sem o reaproveitamento, os recursos teriam de ser extraídos de outro local, o que causaria ainda mais danos ambientais. Ainda segundo a empresa, o reúso também ofereceu ganhos logísticos e financeiros. A estimativa é que 17.500 viagens de veículos pesados deixaram de ser feitas por conta da reutilização. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;