Fechar
Publicidade

Domingo, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Cidades do Grande ABC têm o quarto maior PIB do País

Segundo IBGE, se o Grande ABC fosse uma cidade, ficaria atrás apenas de São Paulo, Rio e Brasília


Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

17/12/2008 | 07:00


Se o Grande ABC fosse uma cidade, seria o quarto maior PIB municipal (Produto Interno Bruto, ou seja, toda a riqueza gerada no município) do País, ao somar cerca de R$ 56 bilhões em 2006. Ficaria atrás apenas de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.

O dado, que consta de um levantamento divulgado na terça-feira pelo IBGE em parceria com o Seade, mostra que a região se mantém ao longo dos últimos anos como um dos principais pólos econômicos do País.

São Bernardo é o principal destaque regional. É a quinta maior economia no ranking estadual e a 15ª do Brasil, segundo a pesquisa.

Embora tenha se mantido na mesma posição no Estado em 2006 frente a 2005, a cidade subiu da quarta para a segunda posição pelo critério do valor adicionado industrial (ou seja, a riqueza nesse setor) no ranking estadual. Por esse quesito, Santo André aparece em sexto e São Caetano em nono.

"O que aconteceu foi que o segmento da indústria que mais cresceu nesse ano foi o automobilístico", explica a técnica do IBGE, Sheila Zani. Os números afastam, segundo o analista do Seade, Miguel Matteo, a idéia de que a região tenha se desindustrializado.

A força do setor automotivo colaborou para o forte impulso do PIB observado em São Caetano, que quase dobrou de 2003 (R$ 5,1 bilhões) para 2006 (R$ 9,4 bilhões).

No mesmo período, a economia de Santo André cresceu bem menos. Subiu de R$ 10 bilhões em 2003 para R$ 11,6 bilhões. O secretário municipal de Desenvolvimento, Fábio Piagentini, assinala, no entanto, que o dado de 2007 deverá trazer expansão, já que em 2006 a cidade liderou no Estado em volume de investimentos das empresas.

Segundo o economista do Observatório Econômico de Santo André (órgão ligado à Prefeitura), Antonio Carlos Schifino, o dado de São Caetano chama a atenção e se deve sobretudo à fase de expansão das vendas de carros ao mercado externo naquele ano.

Para o diretor do Desenvolvimento Econômico, Ramis Sayar, as perspectivas se mantêm favoráveis, por exemplo, em função da construção do Espaço Cerâmica, empreendimento empresarial que ocupará 300 mil m² .

PER CAPITA - São Caetano se destaca também por ter o maior PIB per capita (o PIB dividido pelo número de habitantes) da região - R$ 70.367, bem mais que o de São Bernardo (R$ 25.590). "Esse é um indicador de qualidade de vida", destaca o economista da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), Francisco Funcia.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cidades do Grande ABC têm o quarto maior PIB do País

Segundo IBGE, se o Grande ABC fosse uma cidade, ficaria atrás apenas de São Paulo, Rio e Brasília

Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

17/12/2008 | 07:00


Se o Grande ABC fosse uma cidade, seria o quarto maior PIB municipal (Produto Interno Bruto, ou seja, toda a riqueza gerada no município) do País, ao somar cerca de R$ 56 bilhões em 2006. Ficaria atrás apenas de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.

O dado, que consta de um levantamento divulgado na terça-feira pelo IBGE em parceria com o Seade, mostra que a região se mantém ao longo dos últimos anos como um dos principais pólos econômicos do País.

São Bernardo é o principal destaque regional. É a quinta maior economia no ranking estadual e a 15ª do Brasil, segundo a pesquisa.

Embora tenha se mantido na mesma posição no Estado em 2006 frente a 2005, a cidade subiu da quarta para a segunda posição pelo critério do valor adicionado industrial (ou seja, a riqueza nesse setor) no ranking estadual. Por esse quesito, Santo André aparece em sexto e São Caetano em nono.

"O que aconteceu foi que o segmento da indústria que mais cresceu nesse ano foi o automobilístico", explica a técnica do IBGE, Sheila Zani. Os números afastam, segundo o analista do Seade, Miguel Matteo, a idéia de que a região tenha se desindustrializado.

A força do setor automotivo colaborou para o forte impulso do PIB observado em São Caetano, que quase dobrou de 2003 (R$ 5,1 bilhões) para 2006 (R$ 9,4 bilhões).

No mesmo período, a economia de Santo André cresceu bem menos. Subiu de R$ 10 bilhões em 2003 para R$ 11,6 bilhões. O secretário municipal de Desenvolvimento, Fábio Piagentini, assinala, no entanto, que o dado de 2007 deverá trazer expansão, já que em 2006 a cidade liderou no Estado em volume de investimentos das empresas.

Segundo o economista do Observatório Econômico de Santo André (órgão ligado à Prefeitura), Antonio Carlos Schifino, o dado de São Caetano chama a atenção e se deve sobretudo à fase de expansão das vendas de carros ao mercado externo naquele ano.

Para o diretor do Desenvolvimento Econômico, Ramis Sayar, as perspectivas se mantêm favoráveis, por exemplo, em função da construção do Espaço Cerâmica, empreendimento empresarial que ocupará 300 mil m² .

PER CAPITA - São Caetano se destaca também por ter o maior PIB per capita (o PIB dividido pelo número de habitantes) da região - R$ 70.367, bem mais que o de São Bernardo (R$ 25.590). "Esse é um indicador de qualidade de vida", destaca o economista da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), Francisco Funcia.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;