Fechar
Publicidade

Sábado, 14 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Presidente vai trabalhar por convenções da OIT


Luciele Velluto
Do Diário do Grande ABC

15/02/2008 | 07:09


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu seis centrais sindicais ontem no Planalto do Planalto para enviar ao Congresso Nacional recomendação para a ratificação das convenções 151 e 158 da OIT (Organização Internacional do Trabalho) e prometeu empenho do governo para a aprovação das medidas.

O envio das mensagens faz parte de uma promessa do presidente às centrais na última marcha da categoria que ocorreu em Brasília, em dezembro do ano passado.

Após a assinatura de Lula, os representantes das centrais, junto com os ministros Carlos Lupi (Trabalho e Emprego) e Luiz Dulci (Secretaria-Geral da Presidência), entregaram as recomendações ao presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia, e do Senados Garibaldo Alves.

Para os dirigentes das centrais, o dia foi muito positivo e produtivo para o movimento sindical. “Foi um encontro muito bom, tivemos uma demanda atendida e uma unidade importante das centrais”, afirma Ricardo Patah, presidente da UGT (União Geral dos Trabalhadores).

Segundo o presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores), agora será realizado um trabalho de pressão das centrais no Congresso para que as convenções sejam ratificadas e as adaptações nas leis trabalhistas sejam feitas o quanto antes.

A 151 – que garante as negociações entre servidores públicos e governos – deverá passar tanto na Câmara quanto no Senado. Já a 158 – que proíbe a demissão sem justa causa – poderá passar apenas no Senado, já que o País já havia ratificado essa convenção em outro período.

Para os dirigentes, a confirmação da 151 pode evitar mais greves no setor público. “A partir do momento em que se instala a data-base e a negociação, os servidores deverão diminuir as greves. Até hoje, todas as paralisações ocorriam apenas para conseguir diálogo”, explica João Carlos Gonçalves, secretário-geral da Força Sindical. A convenção 158 também vai evitar a rotatividade de trabalhadores nas empresas.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Presidente vai trabalhar por convenções da OIT

Luciele Velluto
Do Diário do Grande ABC

15/02/2008 | 07:09


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu seis centrais sindicais ontem no Planalto do Planalto para enviar ao Congresso Nacional recomendação para a ratificação das convenções 151 e 158 da OIT (Organização Internacional do Trabalho) e prometeu empenho do governo para a aprovação das medidas.

O envio das mensagens faz parte de uma promessa do presidente às centrais na última marcha da categoria que ocorreu em Brasília, em dezembro do ano passado.

Após a assinatura de Lula, os representantes das centrais, junto com os ministros Carlos Lupi (Trabalho e Emprego) e Luiz Dulci (Secretaria-Geral da Presidência), entregaram as recomendações ao presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia, e do Senados Garibaldo Alves.

Para os dirigentes das centrais, o dia foi muito positivo e produtivo para o movimento sindical. “Foi um encontro muito bom, tivemos uma demanda atendida e uma unidade importante das centrais”, afirma Ricardo Patah, presidente da UGT (União Geral dos Trabalhadores).

Segundo o presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores), agora será realizado um trabalho de pressão das centrais no Congresso para que as convenções sejam ratificadas e as adaptações nas leis trabalhistas sejam feitas o quanto antes.

A 151 – que garante as negociações entre servidores públicos e governos – deverá passar tanto na Câmara quanto no Senado. Já a 158 – que proíbe a demissão sem justa causa – poderá passar apenas no Senado, já que o País já havia ratificado essa convenção em outro período.

Para os dirigentes, a confirmação da 151 pode evitar mais greves no setor público. “A partir do momento em que se instala a data-base e a negociação, os servidores deverão diminuir as greves. Até hoje, todas as paralisações ocorriam apenas para conseguir diálogo”, explica João Carlos Gonçalves, secretário-geral da Força Sindical. A convenção 158 também vai evitar a rotatividade de trabalhadores nas empresas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;