Fechar
Publicidade

Sábado, 25 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Zagueiro colombiano já se
sente em casa no S.Caetano

Com a ajuda dos colegas, Jaime Bustamante, 32 anos, já
entende português e tem se virado dentro e fora de campo


Marco Borba
Do Diário do Grande ABC

17/09/2012 | 07:00


Há três meses no Brasil, o idioma já não é mais obstáculo para o colombiano Jaime Bustamante, 32 anos, no São Caetano. Com a experiência de quem participou de seis Copas Libertadores da América, o zagueiro já disputou duas partidas - entrou ao longo do jogo nas vitórias sobre América-MG (5 a 2) e América-RN (2 a 0) nas dois últimos compromissos do Azulão na Série B do Campeonato Brasileiro.

Com a ajuda dos colegas, o gringo, como é chamado, já entende bem o português e tem se virado dentro e fora de campo. Mais ambientado, agora espera ter outras oportunidades para adquirir ritmo de jogo. Afinal, não disputava uma partida desde que sua última equipe, o Zamora (Venezuela), foi eliminada, em maio, na fase de grupos da Libertadores. O time estava na mesma chave do finalista Boca Juniors e do Fluminense.

Contratado em junho, Bustamante disse que se transferiu para o São Caetano por causa do projeto do clube de voltar à Série A do Brasileiro. "Já tinha ouvido falar do São Caetano na época em que foi vice-campeão da Libertadores (2002) e tive boas referências de meu amigo Bustos (lateral-direito colombiano que jogou no Grêmio e no Internacional). Senti que o projeto do acesso era sério e vejo que estamos no caminho certo", disse.

O jogador espera disputar ao menos mais uma vez a Libertadores. "Meu contrato é de dois anos. Se o São Caetano subir este ano e disputar a Série A em 2013, quem sabe a gente não pega uma Libertadores e discute renovação. Gostei muito do clube", comentou o zagueiro

Na opinião do goleiro Luiz, a tranquilidade do colombiano impressiona. "É claro que leva um tempo para adaptação por causa do idioma, mas isso logo não será mais problema. Ele já disputou a Libertadores, demonstra segurança e pode nos ajudar bastante", elogiou.

Por ter nascido em Cúcuta (Colômbia), na divisa com a Venezuela, Bustamante tem dupla cidadania. "Meu avô é venezuelano e meus pais nasceram na Colômbia. Por isso tenho dupla cidadania", explicou o jogador, que iniciou a carreira no Milionários (Colômbia) e além do Zamora defendeu o também venezuelano Caracas.

Pelo Milionários, Bustamante foi campeão da extinta Copa Merconorte em 2001. Em 2004, disputou a Copa Sul-Americana. No Caracas, foi campeão nacional nas temporadas 2006, 2007 e 2009. No último ano, foi campeão da Copa Venezuela e conquistou a Liga Venezuelana na temporada seguinte.

O colombiano é o quarto estrangeiro a atuar no São Caetano. Antes dele, já passaram pelo Azulão os compatriotas Kilian Virviescas e Martin Garcia, que, em 2006, marcou um gol histórico do meio campo, no Brasileirão, contra o Figueirense, e o argentino Damian Luna. Este último ficou apenas seis meses, de junho a dezembro de 2009, sem muitas oportunidades na equipe.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Zagueiro colombiano já se
sente em casa no S.Caetano

Com a ajuda dos colegas, Jaime Bustamante, 32 anos, já
entende português e tem se virado dentro e fora de campo

Marco Borba
Do Diário do Grande ABC

17/09/2012 | 07:00


Há três meses no Brasil, o idioma já não é mais obstáculo para o colombiano Jaime Bustamante, 32 anos, no São Caetano. Com a experiência de quem participou de seis Copas Libertadores da América, o zagueiro já disputou duas partidas - entrou ao longo do jogo nas vitórias sobre América-MG (5 a 2) e América-RN (2 a 0) nas dois últimos compromissos do Azulão na Série B do Campeonato Brasileiro.

Com a ajuda dos colegas, o gringo, como é chamado, já entende bem o português e tem se virado dentro e fora de campo. Mais ambientado, agora espera ter outras oportunidades para adquirir ritmo de jogo. Afinal, não disputava uma partida desde que sua última equipe, o Zamora (Venezuela), foi eliminada, em maio, na fase de grupos da Libertadores. O time estava na mesma chave do finalista Boca Juniors e do Fluminense.

Contratado em junho, Bustamante disse que se transferiu para o São Caetano por causa do projeto do clube de voltar à Série A do Brasileiro. "Já tinha ouvido falar do São Caetano na época em que foi vice-campeão da Libertadores (2002) e tive boas referências de meu amigo Bustos (lateral-direito colombiano que jogou no Grêmio e no Internacional). Senti que o projeto do acesso era sério e vejo que estamos no caminho certo", disse.

O jogador espera disputar ao menos mais uma vez a Libertadores. "Meu contrato é de dois anos. Se o São Caetano subir este ano e disputar a Série A em 2013, quem sabe a gente não pega uma Libertadores e discute renovação. Gostei muito do clube", comentou o zagueiro

Na opinião do goleiro Luiz, a tranquilidade do colombiano impressiona. "É claro que leva um tempo para adaptação por causa do idioma, mas isso logo não será mais problema. Ele já disputou a Libertadores, demonstra segurança e pode nos ajudar bastante", elogiou.

Por ter nascido em Cúcuta (Colômbia), na divisa com a Venezuela, Bustamante tem dupla cidadania. "Meu avô é venezuelano e meus pais nasceram na Colômbia. Por isso tenho dupla cidadania", explicou o jogador, que iniciou a carreira no Milionários (Colômbia) e além do Zamora defendeu o também venezuelano Caracas.

Pelo Milionários, Bustamante foi campeão da extinta Copa Merconorte em 2001. Em 2004, disputou a Copa Sul-Americana. No Caracas, foi campeão nacional nas temporadas 2006, 2007 e 2009. No último ano, foi campeão da Copa Venezuela e conquistou a Liga Venezuelana na temporada seguinte.

O colombiano é o quarto estrangeiro a atuar no São Caetano. Antes dele, já passaram pelo Azulão os compatriotas Kilian Virviescas e Martin Garcia, que, em 2006, marcou um gol histórico do meio campo, no Brasileirão, contra o Figueirense, e o argentino Damian Luna. Este último ficou apenas seis meses, de junho a dezembro de 2009, sem muitas oportunidades na equipe.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;