Fechar
Publicidade

Domingo, 19 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Ex-policial militar é executado com 12 tiros

Assassinato aconteceu quando Fábio Miossi deixava açougue na Vila América


Rafael Ribeiro
do Diário do Grande ABC

16/09/2012 | 07:00


O ex-soldado da Polícia Militar Fábio Miossi, 35 anos, foi executado com 12 tiros na noite de ontem enquanto deixava açougue na Avenida Queirós Filho, na Vila América, em Santo André. É o terceiro caso de morte de ex-integrantes da corporação no Grande ABC em menos de um mês.

Segundo testemunhas, Miossi deixava o estabelecimento por volta das 17h45 quando percebeu a aproximação de uma moto preta com dois homens.

Após receber o primeiro tiro, sacou sua arma e tentou reagir enquanto corria para seu carro, um Peugeot Escapade preto, estacionado ao lado de uma farmácia. Miossi acabou alvejado nas pernas e caiu. No chão, foi fuzilado e teve a arma roubada. Levado ao CHM (Centro Hospitalar Municipal), não resistiu aos ferimentos.

O caso será investigado pela Delegacia de Homicídios da cidade. Segundo amigos, Miossi deixou a corporação há oito anos, após reagir a assalto e matar os criminosos. Desde então trabalhava como vigilante para os comerciantes da rua onde foi assassinado. Muitos deles o consideravam um amigo e foram ao pronto-socorro atrás de informações.

Segundo relato de familiares aos policiais militares, Miossi vinha sendo ameaçado nos últimos dias após impedir assalto a um dos estabelecimentos e ser o responsável direto pela prisão do acusado, solto dias depois.

O segurança era casado e pai de três filhos. Sua mulher, chocada com a notícia, precisou ser internada no CHM para receber atendimento médico. Nascido e criado no bairro, Miossi também atuou na corporação na companhia responsável pelo patrulhamento do local, o que o torna pessoa querida entre os vizinhos e demais moradores do bairro.

"Vi os motoqueiros chegando e atirando e fiquei sem saber do que se tratava. Só pensei em me jogar no chão. Depois que reparei que era o Fábio. Foi muito triste isso", disse uma testemunha.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ex-policial militar é executado com 12 tiros

Assassinato aconteceu quando Fábio Miossi deixava açougue na Vila América

Rafael Ribeiro
do Diário do Grande ABC

16/09/2012 | 07:00


O ex-soldado da Polícia Militar Fábio Miossi, 35 anos, foi executado com 12 tiros na noite de ontem enquanto deixava açougue na Avenida Queirós Filho, na Vila América, em Santo André. É o terceiro caso de morte de ex-integrantes da corporação no Grande ABC em menos de um mês.

Segundo testemunhas, Miossi deixava o estabelecimento por volta das 17h45 quando percebeu a aproximação de uma moto preta com dois homens.

Após receber o primeiro tiro, sacou sua arma e tentou reagir enquanto corria para seu carro, um Peugeot Escapade preto, estacionado ao lado de uma farmácia. Miossi acabou alvejado nas pernas e caiu. No chão, foi fuzilado e teve a arma roubada. Levado ao CHM (Centro Hospitalar Municipal), não resistiu aos ferimentos.

O caso será investigado pela Delegacia de Homicídios da cidade. Segundo amigos, Miossi deixou a corporação há oito anos, após reagir a assalto e matar os criminosos. Desde então trabalhava como vigilante para os comerciantes da rua onde foi assassinado. Muitos deles o consideravam um amigo e foram ao pronto-socorro atrás de informações.

Segundo relato de familiares aos policiais militares, Miossi vinha sendo ameaçado nos últimos dias após impedir assalto a um dos estabelecimentos e ser o responsável direto pela prisão do acusado, solto dias depois.

O segurança era casado e pai de três filhos. Sua mulher, chocada com a notícia, precisou ser internada no CHM para receber atendimento médico. Nascido e criado no bairro, Miossi também atuou na corporação na companhia responsável pelo patrulhamento do local, o que o torna pessoa querida entre os vizinhos e demais moradores do bairro.

"Vi os motoqueiros chegando e atirando e fiquei sem saber do que se tratava. Só pensei em me jogar no chão. Depois que reparei que era o Fábio. Foi muito triste isso", disse uma testemunha.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;