Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 27 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Donisete diz entender impasse na Câmara

Marina Brandão/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Falta de consenso entre Luos e Código de Obras, prioritários para o Paço, trava projetos no Legislativo


Gustavo Pinchiaro
Do Diário do Grande ABC

18/04/2014 | 07:00


O prefeito de Mauá, Donisete Braga (PT), disse que entende o atraso da Câmara em votar os projetos “estruturantes” do Executivo, como a Luos (Lei de Uso e Ocupação do Solo) e Código de Obras. O impasse ocorre por conta da disputa entre a bancada governista e o G-11, bloco independente de vereadores que pedem tempo para analisar os projetos.

Para justificar a situação na Câmara, Donisete utilizou como exemplo a relação da presidente Dilma Rousseff (PT) com o PMDB no Congresso Nacional, partido do vice-presidente Michel Temer, e principal aliado do governo. No mês passado, o Planalto enfrentou uma ala de aliados rebeldes. “Não há Câmara sem conflito. A Dilma tem problemas com o PMDB, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) também, é natural. Agradeço à Câmara por ter aprovado todos os meus projetos e não tenho visto ninguém se declarar como oposição. Não podemos empurrar a ferro e fogo esses projetos”, afirmou o petista.

Em contrapartida, o prefeito reforçou a importância das propostas para o governo e pediu sensibilidade aos vereadores na votação. “A Luos e o Código de Obras são projetos inovadores que vão organizar o crescimento da nossa cidade. São projetos estruturantes que vão organizar a vida urbana e serão exemplos a serem seguidos por outras cidades. Mauá será modelo de modernização”, explicou.

O G-11 tem dito que precisa de mais tempo para discutir emendas aos projetos. “O governo não se negou ao diálogo. Aceitamos algumas emendas. O governo é flexível, já fizemos uma série de reuniões com o secretário (de Planejamento Urbano) José Afonso (Pereira)”, afirmou Donisete. O pano de fundo da disputa do grupo independente em cima das propostas é disputa por espaço na Prefeitura. A maioria dos vereadores fez indicações de, pelo menos, sete nomes para ocupar cargos comissionados. O grupo quer ampliação da cota e mais agilidade no atendimento de solicitações assistencialistas em serviços públicos como a marcação de consultas e vagas nas redes de Saúde e Educação.

A queda de braço gerou o adiamento por seis sessões da Luos e por duas do Código de Obras. O segundo projeto entrou na ordem do dia com atraso por conta de manobras da Comissão de Cultura – dominada pelo G-11 –, que estendeu até o limite o prazo para emitir o parecer. Os projetos só retornam ao plenário dia 29.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Donisete diz entender impasse na Câmara

Falta de consenso entre Luos e Código de Obras, prioritários para o Paço, trava projetos no Legislativo

Gustavo Pinchiaro
Do Diário do Grande ABC

18/04/2014 | 07:00


O prefeito de Mauá, Donisete Braga (PT), disse que entende o atraso da Câmara em votar os projetos “estruturantes” do Executivo, como a Luos (Lei de Uso e Ocupação do Solo) e Código de Obras. O impasse ocorre por conta da disputa entre a bancada governista e o G-11, bloco independente de vereadores que pedem tempo para analisar os projetos.

Para justificar a situação na Câmara, Donisete utilizou como exemplo a relação da presidente Dilma Rousseff (PT) com o PMDB no Congresso Nacional, partido do vice-presidente Michel Temer, e principal aliado do governo. No mês passado, o Planalto enfrentou uma ala de aliados rebeldes. “Não há Câmara sem conflito. A Dilma tem problemas com o PMDB, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) também, é natural. Agradeço à Câmara por ter aprovado todos os meus projetos e não tenho visto ninguém se declarar como oposição. Não podemos empurrar a ferro e fogo esses projetos”, afirmou o petista.

Em contrapartida, o prefeito reforçou a importância das propostas para o governo e pediu sensibilidade aos vereadores na votação. “A Luos e o Código de Obras são projetos inovadores que vão organizar o crescimento da nossa cidade. São projetos estruturantes que vão organizar a vida urbana e serão exemplos a serem seguidos por outras cidades. Mauá será modelo de modernização”, explicou.

O G-11 tem dito que precisa de mais tempo para discutir emendas aos projetos. “O governo não se negou ao diálogo. Aceitamos algumas emendas. O governo é flexível, já fizemos uma série de reuniões com o secretário (de Planejamento Urbano) José Afonso (Pereira)”, afirmou Donisete. O pano de fundo da disputa do grupo independente em cima das propostas é disputa por espaço na Prefeitura. A maioria dos vereadores fez indicações de, pelo menos, sete nomes para ocupar cargos comissionados. O grupo quer ampliação da cota e mais agilidade no atendimento de solicitações assistencialistas em serviços públicos como a marcação de consultas e vagas nas redes de Saúde e Educação.

A queda de braço gerou o adiamento por seis sessões da Luos e por duas do Código de Obras. O segundo projeto entrou na ordem do dia com atraso por conta de manobras da Comissão de Cultura – dominada pelo G-11 –, que estendeu até o limite o prazo para emitir o parecer. Os projetos só retornam ao plenário dia 29.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;