Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 22 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Estatuto da GCM esbarra em herança maldita, diz secretário


Gustavo Pinchiaro
Do Diário do Grande ABC

07/11/2013 | 07:00


O secretário de Segurança de São Caetano, José Quesada Farina (PMDB), afirmou que a implementação do estatuto da GCM (Guarda Civil Municipal) está emperrado em decorrência da “herança maldita”, em referência aos restos a pagar de R$ 264,5 milhões deixados pela administração passada.

A peça foi construída de maneira aberta pelos próprios guardas e entregue ao prefeito Paulo Pinheiro (PMDB) no começo do ano. Desde então, um grupo em torno de dez guardas tem mantido reuniões com o corpo técnico do Palácio da Cerâmica para negociar os itens do estatuto que prevê, em seu principal objetivo, o crescimento e valorização da carreira.

“Não dá para falar em datas ou rapidez agora. O duro foi a herança maldita que nós pegamos, uma série de coisas que devem ser pagas até o fim do ano que nos tiram a oportunidade de reconhecer os servidores de forma adequada”, afirmou Quesada.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Estatuto da GCM esbarra em herança maldita, diz secretário

Gustavo Pinchiaro
Do Diário do Grande ABC

07/11/2013 | 07:00


O secretário de Segurança de São Caetano, José Quesada Farina (PMDB), afirmou que a implementação do estatuto da GCM (Guarda Civil Municipal) está emperrado em decorrência da “herança maldita”, em referência aos restos a pagar de R$ 264,5 milhões deixados pela administração passada.

A peça foi construída de maneira aberta pelos próprios guardas e entregue ao prefeito Paulo Pinheiro (PMDB) no começo do ano. Desde então, um grupo em torno de dez guardas tem mantido reuniões com o corpo técnico do Palácio da Cerâmica para negociar os itens do estatuto que prevê, em seu principal objetivo, o crescimento e valorização da carreira.

“Não dá para falar em datas ou rapidez agora. O duro foi a herança maldita que nós pegamos, uma série de coisas que devem ser pagas até o fim do ano que nos tiram a oportunidade de reconhecer os servidores de forma adequada”, afirmou Quesada.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;