Fechar
Publicidade

Domingo, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Sindicato dos químicos prevê dificuldades na mesa

Representante dos trabalhadores espera que campanha salarial se encerre neste mês


Pedro Souza
do Diário

04/10/2013 | 07:00


 Com data base em 1º de novembro, os químicos anteciparam em um mês a entrega da pauta, que neste ano é só econômica, já que as cláusulas sociais estão fechadas por dois anos, com objetivo de chegar a um acordo rapidamente, o que ainda não ocorreu. “Acredito que neste ano será muito difícil negociar”, destacou o presidente do Sindicato dos Químicos do Grande ABC, Paulo Lage.

O sindicalista não descartou a hipótese de greves. “Trabalhamos sempre com três cenários. Um é de acordo favorável para todas as partes, com uma negociação boa. O segundo, são as paralisações e a greve. O terceiro, ruim para todos, é não ter acordo coletivo.”

Levando em consideração um cenário econômico desacelerado, e a dificuldade que outras categorias tiveram para chegar aos seus acordos, Lage disse que espera discussões intensas na mesa de negociação. No ano passado, os químicos conseguiram 2% de aumento real (7,8% no total) e pedem 13% de reajuste neste ano. Porém, trabalhadores de outros setores que já encerraram a campanha não conseguiram atingir os 2% acima da inflação. Metalúrgicos, por exemplo, chegaram a 1,82%.

No entanto, Lage espera o fim da campanha em outubro. A Fetquim (Federação dos Trabalhadores do Ramo Químico da CUT do Estado de São Paulo) é responsável pelas tratativas do acordo coletivo com os sindicatos patronais. Haverá reuniões nos dias 16, 23 e 31. “Para mim, até o dia 31 deve sair um acordo.”

Na região, a campanha salarial é referente a 38 mil trabalhadores dos setores químico, petroquímico, plástico, tintas e vernizes, resinas sintéticas e colas e de explosivo. Eles são contratados de, aproximadamente, 900 empresas. O segmento farmacêutico, que tem 2.000 funcionários em seis empresas no Grande ABC, já fechou acordo em abril, com aumento real de 2%.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sindicato dos químicos prevê dificuldades na mesa

Representante dos trabalhadores espera que campanha salarial se encerre neste mês

Pedro Souza
do Diário

04/10/2013 | 07:00


 Com data base em 1º de novembro, os químicos anteciparam em um mês a entrega da pauta, que neste ano é só econômica, já que as cláusulas sociais estão fechadas por dois anos, com objetivo de chegar a um acordo rapidamente, o que ainda não ocorreu. “Acredito que neste ano será muito difícil negociar”, destacou o presidente do Sindicato dos Químicos do Grande ABC, Paulo Lage.

O sindicalista não descartou a hipótese de greves. “Trabalhamos sempre com três cenários. Um é de acordo favorável para todas as partes, com uma negociação boa. O segundo, são as paralisações e a greve. O terceiro, ruim para todos, é não ter acordo coletivo.”

Levando em consideração um cenário econômico desacelerado, e a dificuldade que outras categorias tiveram para chegar aos seus acordos, Lage disse que espera discussões intensas na mesa de negociação. No ano passado, os químicos conseguiram 2% de aumento real (7,8% no total) e pedem 13% de reajuste neste ano. Porém, trabalhadores de outros setores que já encerraram a campanha não conseguiram atingir os 2% acima da inflação. Metalúrgicos, por exemplo, chegaram a 1,82%.

No entanto, Lage espera o fim da campanha em outubro. A Fetquim (Federação dos Trabalhadores do Ramo Químico da CUT do Estado de São Paulo) é responsável pelas tratativas do acordo coletivo com os sindicatos patronais. Haverá reuniões nos dias 16, 23 e 31. “Para mim, até o dia 31 deve sair um acordo.”

Na região, a campanha salarial é referente a 38 mil trabalhadores dos setores químico, petroquímico, plástico, tintas e vernizes, resinas sintéticas e colas e de explosivo. Eles são contratados de, aproximadamente, 900 empresas. O segmento farmacêutico, que tem 2.000 funcionários em seis empresas no Grande ABC, já fechou acordo em abril, com aumento real de 2%.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;