Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 25 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

O leão mia

O governo conhece o caminho das pedras: baixou os impostos e a venda de automóveis, que balançava, voltou a subir e a bater recordes


Carlos Brickmann

01/04/2009 | 00:00


O governo conhece o caminho das pedras: baixou os impostos e a venda de automóveis, que balançava, voltou a subir e a bater recordes. O governo repete a dose: agora baixou também os impostos sobre motos e material de construção. Acelerar o crescimento é mais simples do que parece, e o presidente Lula sabe disso. Bastou reduzir um pouquinho a carga tributária e o mercado reagiu. E agora, quem sabe? Por que não uma baixada nos impostos sobre comida e remédios?

É claro, os impostos são necessários para manter o governo e seus serviços. Mas, quando se vende mais, a arrecadação se mantém, mesmo com impostos mais baixos. E um bom corte nos orçamentos oficiais, fazendo com que Executivo, Legislativo e Judiciário gastem menos, pode ajudar na recuperação do País.

Não é preciso, por exemplo, manter 37 ministérios. Nem dar uma passagem por dia a cada parlamentar (e menos ainda pagar, com dinheiro público, suas empregadas domésticas). Nem, no caso do Judiciário, gozar tanto tempo de férias. Nada muito ousado, não; apenas um corte dos gastos mais esquisitos já estaria bom. Nem precisa chegar ao ponto de reduzir o número de deputados de 513 para 250, o que já estaria muito bom; nem o de senadores, de 81 para 54, com a redução de assessores, secretárias, motoristas, novos prédios. Bastam coisas simples, como não pagar horas extras num período em que ninguém trabalhou.

Menos impostos são mais vendas, mais empregos. Mais empregos são mais compras, mais empregos. Forma-se o círculo virtuoso da economia. É só querer.

EM DEFESA DA GASTANÇA

O presidente da Câmara, Michel Temer, acha que a entrega indiscriminada de passagens aos parlamentares (ou a qualquer pessoa indicada por eles) não é mordomia. Curioso: este colunista trabalhou em oito empresas, e em nenhuma delas teve cota de passagens para usar como quisesse. Temer, professor de altíssimo gabarito, também não tem cota de passagens nas universidades em que ensina. Temer acha que, diante dos sucessivos escândalos, a opinião pública tende a considerar o Legislativo um poder desnecessário. Considera que isso é injusto. E lembra que ele, Temer, abriu mão de sua cota de passagens. "Isso ninguém noticia". Mas ele já tinha contado para alguém este fato tão positivo?

PIADA PRONTA

Bem no meio das doações empresariais a parlamentares, tendo entidades patronais como intermediárias, a CNI (Confederação Nacional da Indústria) lançou a Agenda Legislativa da Indústria. É uma agenda para ser disputada a tapa!

COINCIDÊNCIA

No início do segundo mandato, o presidente Lula criou um grupo de assessoria pessoal com dirigentes de empresas de porte. Entre elas, a Camargo Corrêa.

FALA, PROTÓGENES!

O delegado Protógenes Queiroz está convocado para depor hoje na CPI das Escutas Telefônicas da Câmara. Protógenes já prometeu, em suas palavras, "dar nome aos bois, individualizar condutas e apontar os papéis de cada um no esquema criminoso do banqueiro-bandido Daniel Dantas". Será uma ótima oportunidade de, como diria Boris Casoy, começar a passar o Brasil a limpo.

LULA LÁ

O presidente Lula se reúne hoje, em Paris, com o presidente francês Nicolas Sarkosy. Vai em seguida à Inglaterra, onde encontra o primeiro-ministro Gordon Brown e a rainha Elizabeth II. Sem problemas: Sua Majestade é mais branca que sueco albino, mas não tem olhos azuis. Amanhã, Lula estará na reunião do G-20.

IMPRENSA CÁ

O Supremo Tribunal Federal decide hoje se a atual Lei de Imprensa, parcialmente suspensa há um ano por liminar, continua ou não valendo. A tendência, segundo especialistas em Supremo, é que a lei inteira seja anulada.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

O leão mia

O governo conhece o caminho das pedras: baixou os impostos e a venda de automóveis, que balançava, voltou a subir e a bater recordes

Carlos Brickmann

01/04/2009 | 00:00


O governo conhece o caminho das pedras: baixou os impostos e a venda de automóveis, que balançava, voltou a subir e a bater recordes. O governo repete a dose: agora baixou também os impostos sobre motos e material de construção. Acelerar o crescimento é mais simples do que parece, e o presidente Lula sabe disso. Bastou reduzir um pouquinho a carga tributária e o mercado reagiu. E agora, quem sabe? Por que não uma baixada nos impostos sobre comida e remédios?

É claro, os impostos são necessários para manter o governo e seus serviços. Mas, quando se vende mais, a arrecadação se mantém, mesmo com impostos mais baixos. E um bom corte nos orçamentos oficiais, fazendo com que Executivo, Legislativo e Judiciário gastem menos, pode ajudar na recuperação do País.

Não é preciso, por exemplo, manter 37 ministérios. Nem dar uma passagem por dia a cada parlamentar (e menos ainda pagar, com dinheiro público, suas empregadas domésticas). Nem, no caso do Judiciário, gozar tanto tempo de férias. Nada muito ousado, não; apenas um corte dos gastos mais esquisitos já estaria bom. Nem precisa chegar ao ponto de reduzir o número de deputados de 513 para 250, o que já estaria muito bom; nem o de senadores, de 81 para 54, com a redução de assessores, secretárias, motoristas, novos prédios. Bastam coisas simples, como não pagar horas extras num período em que ninguém trabalhou.

Menos impostos são mais vendas, mais empregos. Mais empregos são mais compras, mais empregos. Forma-se o círculo virtuoso da economia. É só querer.

EM DEFESA DA GASTANÇA

O presidente da Câmara, Michel Temer, acha que a entrega indiscriminada de passagens aos parlamentares (ou a qualquer pessoa indicada por eles) não é mordomia. Curioso: este colunista trabalhou em oito empresas, e em nenhuma delas teve cota de passagens para usar como quisesse. Temer, professor de altíssimo gabarito, também não tem cota de passagens nas universidades em que ensina. Temer acha que, diante dos sucessivos escândalos, a opinião pública tende a considerar o Legislativo um poder desnecessário. Considera que isso é injusto. E lembra que ele, Temer, abriu mão de sua cota de passagens. "Isso ninguém noticia". Mas ele já tinha contado para alguém este fato tão positivo?

PIADA PRONTA

Bem no meio das doações empresariais a parlamentares, tendo entidades patronais como intermediárias, a CNI (Confederação Nacional da Indústria) lançou a Agenda Legislativa da Indústria. É uma agenda para ser disputada a tapa!

COINCIDÊNCIA

No início do segundo mandato, o presidente Lula criou um grupo de assessoria pessoal com dirigentes de empresas de porte. Entre elas, a Camargo Corrêa.

FALA, PROTÓGENES!

O delegado Protógenes Queiroz está convocado para depor hoje na CPI das Escutas Telefônicas da Câmara. Protógenes já prometeu, em suas palavras, "dar nome aos bois, individualizar condutas e apontar os papéis de cada um no esquema criminoso do banqueiro-bandido Daniel Dantas". Será uma ótima oportunidade de, como diria Boris Casoy, começar a passar o Brasil a limpo.

LULA LÁ

O presidente Lula se reúne hoje, em Paris, com o presidente francês Nicolas Sarkosy. Vai em seguida à Inglaterra, onde encontra o primeiro-ministro Gordon Brown e a rainha Elizabeth II. Sem problemas: Sua Majestade é mais branca que sueco albino, mas não tem olhos azuis. Amanhã, Lula estará na reunião do G-20.

IMPRENSA CÁ

O Supremo Tribunal Federal decide hoje se a atual Lei de Imprensa, parcialmente suspensa há um ano por liminar, continua ou não valendo. A tendência, segundo especialistas em Supremo, é que a lei inteira seja anulada.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;