Fechar
Publicidade

Domingo, 26 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Armando Mellão é acusado de assassinato


Do Diário OnLine

07/04/2004 | 09:11


O ex-presidente da Câmara Municipal de São Paulo Armando Mellão Neto, preso desde 19 de março acusado de extorsão, é suspeito de assassinato. A acusação foi feita após um depoimento feito pelo ex-deputado estadual Reynaldo de Barros Filho (PP), vítima de extorsão, à Polícia Federal.

Segundo o depoimento, Mellão determinou o assassinado do comerciante José Félix da Silva, o Zuza, em novembro de 2000. A ordem teria sido dada depois que Zuza denunciou o escândalo conhecido como máfia dos fiscais, no qual funcionários da administração regional cobravam propina de comerciantes e camelôs para entregar a vereadores.

Na época, as investigações apontavam que Zuza trocava cheques de propina de camelôs a pedido de um funcionário de Mellão, segundo o Jornal Nacional. Testemunhas apontam Mellão e seu então chefe de gabinete, Marcos Feliciano de Oliveira, o Capacete, como os mandantes do crime.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Armando Mellão é acusado de assassinato

Do Diário OnLine

07/04/2004 | 09:11


O ex-presidente da Câmara Municipal de São Paulo Armando Mellão Neto, preso desde 19 de março acusado de extorsão, é suspeito de assassinato. A acusação foi feita após um depoimento feito pelo ex-deputado estadual Reynaldo de Barros Filho (PP), vítima de extorsão, à Polícia Federal.

Segundo o depoimento, Mellão determinou o assassinado do comerciante José Félix da Silva, o Zuza, em novembro de 2000. A ordem teria sido dada depois que Zuza denunciou o escândalo conhecido como máfia dos fiscais, no qual funcionários da administração regional cobravam propina de comerciantes e camelôs para entregar a vereadores.

Na época, as investigações apontavam que Zuza trocava cheques de propina de camelôs a pedido de um funcionário de Mellão, segundo o Jornal Nacional. Testemunhas apontam Mellão e seu então chefe de gabinete, Marcos Feliciano de Oliveira, o Capacete, como os mandantes do crime.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;