Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 6 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Unifesp obtém licença ambiental para unidade em Diadema


André Vieira
Especial para o Diário

10/10/2008 | 07:07


A Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) conseguiu junto à Secretaria de Estado do Meio Ambiente, licença ambiental prévia para o desenvolvimento do projeto de construção dos prédios que vão compor o campus de Diadema. O terreno fica na região do bairro Eldorado, próximo à Represa Billings.

O órgão estadual informou que a autorização foi expedida em 3 de outubro. A instituição precisa agora comprovar a viabilidade do empreendimento apresentando o detalhamento do projeto, para então conseguir a licença de instalação, que permitirá as obras.

A assessoria de imprensa da Unifesp informou que recebeu a licença na terça-feira e já possui o projeto detalhado. Contudo, o processo está em fase de finalização, ainda sem previsão para o término.

A Unifesp - melhor instituição brasileira de Ensino Superior, de acordo com o Ministério da Educação - ainda não possui prédio próprio para abrigar os alunos dos quatro cursos que oferece em Diadema (Farmácia e Bioquímica, Engenharia Química, Química e Ciências Biológicas).

Em greve desde a penúltima semana de setembro, os 400 estudantes reivindicam melhorias na infra-estrutura, como a criação de novos laboratórios didáticos e de pesquisa, além de um restaurante.

Matriculado no 2º ano do curso de Farmácia e Bioquímica, Caio Vinicius de Matos, 19 anos, comemorou a obtenção da licença com cautela. "Desde que entramos na Unifesp estamos esperando sair a licença, mas isso não resolve o problema mais urgente, que é um local para as aulas do ano que vem, já que o campus atual não vai suportar a quantidade de alunos", afirmou.

Gerenciadas pela FAP (Fundação de Apoio à Unifesp), as obras de ampliação do prédio provisório da instituição foram interrompidas por entrave jurídico no começo de setembro, precipitando a paralisação dos alunos, que se reúnem em assembléia na próxima segunda-feira para decidir sobre a continuidade ou não da greve.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Unifesp obtém licença ambiental para unidade em Diadema

André Vieira
Especial para o Diário

10/10/2008 | 07:07


A Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) conseguiu junto à Secretaria de Estado do Meio Ambiente, licença ambiental prévia para o desenvolvimento do projeto de construção dos prédios que vão compor o campus de Diadema. O terreno fica na região do bairro Eldorado, próximo à Represa Billings.

O órgão estadual informou que a autorização foi expedida em 3 de outubro. A instituição precisa agora comprovar a viabilidade do empreendimento apresentando o detalhamento do projeto, para então conseguir a licença de instalação, que permitirá as obras.

A assessoria de imprensa da Unifesp informou que recebeu a licença na terça-feira e já possui o projeto detalhado. Contudo, o processo está em fase de finalização, ainda sem previsão para o término.

A Unifesp - melhor instituição brasileira de Ensino Superior, de acordo com o Ministério da Educação - ainda não possui prédio próprio para abrigar os alunos dos quatro cursos que oferece em Diadema (Farmácia e Bioquímica, Engenharia Química, Química e Ciências Biológicas).

Em greve desde a penúltima semana de setembro, os 400 estudantes reivindicam melhorias na infra-estrutura, como a criação de novos laboratórios didáticos e de pesquisa, além de um restaurante.

Matriculado no 2º ano do curso de Farmácia e Bioquímica, Caio Vinicius de Matos, 19 anos, comemorou a obtenção da licença com cautela. "Desde que entramos na Unifesp estamos esperando sair a licença, mas isso não resolve o problema mais urgente, que é um local para as aulas do ano que vem, já que o campus atual não vai suportar a quantidade de alunos", afirmou.

Gerenciadas pela FAP (Fundação de Apoio à Unifesp), as obras de ampliação do prédio provisório da instituição foram interrompidas por entrave jurídico no começo de setembro, precipitando a paralisação dos alunos, que se reúnem em assembléia na próxima segunda-feira para decidir sobre a continuidade ou não da greve.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;