Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Obama: ação militar
contra o Irã é válida

Presidente americano acredita na possibilidade de evitar
que governo do Irã se esforce pela fabricação de armas



14/11/2011 | 03:18


O presidente dos EUA, Barack Obama, disse neste domingo que não descartou a opção de uma ação militar contra o Irã, mas que acredita na possibilidade de os EUA trabalharem com a China e a Rússia para continuar a pressionar Teerã e evitar que o governo iraniano se esforce pela fabricação de armas nucleares.

 

Depois de se reunir com líderes da China e da Rússia às margens da cúpula da Cooperação Econômica da Ásia-Pacífico (Apec, na sigla em inglês), Obama disse que os três concordaram com a necessidade de garantir que o Irã não se torne uma potência nuclear. Obama disse ainda que o "mundo está unido" contra um Irã isolado, e que as sanções estão prejudicando a economia do país.

 

"Não deixamos nenhuma opção fora da mesa", declarou o presidente, quando indagado se a ação militar deve ser considerada em algum momento, como alguns candidatos presidenciais republicanos sugeriram. Ele afirmou, porém, que prefere continuar a levantar a pressão internacional sobre o Irã e negociar uma solução. As informações são da Dow Jones. (Hélio Barboza)

 

 

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Obama: ação militar
contra o Irã é válida

Presidente americano acredita na possibilidade de evitar
que governo do Irã se esforce pela fabricação de armas


14/11/2011 | 03:18


O presidente dos EUA, Barack Obama, disse neste domingo que não descartou a opção de uma ação militar contra o Irã, mas que acredita na possibilidade de os EUA trabalharem com a China e a Rússia para continuar a pressionar Teerã e evitar que o governo iraniano se esforce pela fabricação de armas nucleares.

 

Depois de se reunir com líderes da China e da Rússia às margens da cúpula da Cooperação Econômica da Ásia-Pacífico (Apec, na sigla em inglês), Obama disse que os três concordaram com a necessidade de garantir que o Irã não se torne uma potência nuclear. Obama disse ainda que o "mundo está unido" contra um Irã isolado, e que as sanções estão prejudicando a economia do país.

 

"Não deixamos nenhuma opção fora da mesa", declarou o presidente, quando indagado se a ação militar deve ser considerada em algum momento, como alguns candidatos presidenciais republicanos sugeriram. Ele afirmou, porém, que prefere continuar a levantar a pressão internacional sobre o Irã e negociar uma solução. As informações são da Dow Jones. (Hélio Barboza)

 

 

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;