Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 22 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Conhecimento técnico não garante contratação

Sucesso profissional depende de inteligência emocional


Tauana Marin
Do Diário do Grande ABC

14/11/2011 | 07:30


Sair da faculdade com diploma na mão, curso de idiomas, experiência em programas de estágio ou trainee são bons requisitos para iniciar a trajetória profissional. No entanto, competências técnicas, apenas, não garantem carreira bem sucedida. As empresas necessitam de pessoas que tenham inteligência emocional, principalmente, para aqueles que almejam ocupar cargos de liderança - como os de gerência.

Por isso, segundo Víctor Martínez, executivo da Thomas Brasil, empresa especializada em gestão de pessoas, os jovens profissionais devem investir no autoconhecimento e autogerenciamento.

"É fundamental que eles identifiquem quais são os pontos fortes e limitantes, além de desenvolver habilidades como empreendedorismo, capacidade de negociação, fácil adaptabilidade à mudança e foco em resultados".

Ele explica que as competências técnicas estão relacionadas à inteligência intelectual, ou seja, quantidade de conhecimento formal e acadêmico adquiridos. Já as competências comportamentais dizem respeito à inteligência emocional - o nível de equilíbrio e a capacidade de identificar e lidar com as próprias emoções e atitudes.

"Isso não significa que o sucesso do profissional dependa apenas das competências comportamentais. É necessário encontrar o equilíbrio, dependendo de cada profissão", abrevia o executivo.

Segundo ele, um engenheiro químico, por exemplo, que lide muito bem com os projetos, os números e alcance os objetivos da empresa em que trabalha, não precisa ter tantas qualidades comportamentais quanto uma pessoa que trabalhe em departamentos como o de Recursos Humanos, ou que lidere equipes. "Saber se comunicar é uma coisa, ter espírito de liderança e coordenar equipes é outra."

ESPECIALIZAÇÃO - Para aqueles que acabam de sair da faculdade é importante tentar aprender tudo o que está a sua volta, isso garante portas abertas nas empresas, mesmo que não se faça exatamente o que se aprendeu durante o Ensino Superior. Mas com o passar do tempo, o ideal é se especializar. "O profissional precisa traçar onde quer chegar, e os caminhos que precisa percorrer. Tendo isso em mente, buscar cursos e especializações ajuda na evolução do profissional", explica o sócio da Search Consultoria em Recursos Humanos, Marcelo Braga.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Conhecimento técnico não garante contratação

Sucesso profissional depende de inteligência emocional

Tauana Marin
Do Diário do Grande ABC

14/11/2011 | 07:30


Sair da faculdade com diploma na mão, curso de idiomas, experiência em programas de estágio ou trainee são bons requisitos para iniciar a trajetória profissional. No entanto, competências técnicas, apenas, não garantem carreira bem sucedida. As empresas necessitam de pessoas que tenham inteligência emocional, principalmente, para aqueles que almejam ocupar cargos de liderança - como os de gerência.

Por isso, segundo Víctor Martínez, executivo da Thomas Brasil, empresa especializada em gestão de pessoas, os jovens profissionais devem investir no autoconhecimento e autogerenciamento.

"É fundamental que eles identifiquem quais são os pontos fortes e limitantes, além de desenvolver habilidades como empreendedorismo, capacidade de negociação, fácil adaptabilidade à mudança e foco em resultados".

Ele explica que as competências técnicas estão relacionadas à inteligência intelectual, ou seja, quantidade de conhecimento formal e acadêmico adquiridos. Já as competências comportamentais dizem respeito à inteligência emocional - o nível de equilíbrio e a capacidade de identificar e lidar com as próprias emoções e atitudes.

"Isso não significa que o sucesso do profissional dependa apenas das competências comportamentais. É necessário encontrar o equilíbrio, dependendo de cada profissão", abrevia o executivo.

Segundo ele, um engenheiro químico, por exemplo, que lide muito bem com os projetos, os números e alcance os objetivos da empresa em que trabalha, não precisa ter tantas qualidades comportamentais quanto uma pessoa que trabalhe em departamentos como o de Recursos Humanos, ou que lidere equipes. "Saber se comunicar é uma coisa, ter espírito de liderança e coordenar equipes é outra."

ESPECIALIZAÇÃO - Para aqueles que acabam de sair da faculdade é importante tentar aprender tudo o que está a sua volta, isso garante portas abertas nas empresas, mesmo que não se faça exatamente o que se aprendeu durante o Ensino Superior. Mas com o passar do tempo, o ideal é se especializar. "O profissional precisa traçar onde quer chegar, e os caminhos que precisa percorrer. Tendo isso em mente, buscar cursos e especializações ajuda na evolução do profissional", explica o sócio da Search Consultoria em Recursos Humanos, Marcelo Braga.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;