Fechar
Publicidade

Domingo, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Atentado terrorista mata brasileiro em Jerusalém


Do Diário OnLine

10/08/2001 | 00:28


Foto:DivulgaçãoUma explosão em uma pizzaria no centro do Jerusalém (Israel) deixou 15 pessoas mortas e mais de 90 feridas nesta quinta-feira. Entre as vítimas estão os brasileiros Jorge Balazs; sua esposa, Flora; e a filha dele, Débora Brando Faria da Costa. O atentado suicida, o maior já registrado no conflito entre palestinos e israelenses desde o início da nova Intifada, em setembro do ano passado, foi reivindicado pela organização extremista islâmica Hamas e pelo grupo terrorista palestino Jihad.

A explosão aconteceu às 13h locais (8h de Brasília), quando a pizzaria Sbarro, que fica em uma das principais avenidas de acesso ao centro da cidade, estava lotada de clientes. Jorge foi ferido gravemente e levado para o hospital com vida, mas não resistiu e morreu. Sua filha, uma museóloga da Prefeitura de São Paulo, sofreu queimaduras nas pernas, mãos e cabeça, mas não corre risco de morte. Flora também sofreu ferimentos graves, mas passa bem.

A família de Débora afirmou ao Jornal da Globo que recebeu a informação de que a museóloga estava entre as vítimas por volta das 14h30. Os parentes informaram também que ela e a madrasta estão internadas no mesmo hospital com queimaduras e ferimentos provocados por estilhaços. O médico da família embarca para Israel nesta sexta-feira para examinar as brasileiras e autorizar ou não o retorno de Débora para o Brasil. Os familiares disseram também que ela está traumatizada e que quer voltar para o Brasil o mais rápido possível. Débora foi a Israel para visitar o pai, que vive em Jerusalém.

Logo após o atentado, o Jihad divulgou um comunicado informando que o terrorista suicida chamava-se Husseini Omar Abou Naeseh, de 23 anos. Ele entrou na pizzaria com uma bomba amarrada na cintura e a detonou, provocando também a própria morte. O explosivo foi recheado com pregos, para aumentar seu poder de destruição. Pouco depois, a Hamas assumiu a autoria da explosão, alegando vingança a um membro morto dias antes.

Imagens divulgadas pela televisão mostraram parte do estabelecimento em escombros e centenas de pessoas em pânico. Uma segunda bomba não detonada foi encontrada na porta do restaurante, e a polícia fechou o acesso às ruas que levam à área central de Jerusalém. Ambulâncias e carros de resgate socorriam as vítimas jogadas na rua, enquanto vários gritavam o nome de seus parentes.

Um porta-voz do governo afirmou que não há dúvida de que a tragédia foi provocada por palestinos. O primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, convocou uma reunião de emergência com o gabinete de segurança para avaliar uma resposta ao ataque palestino.

Pela manhã, o ministro israelense de Relações Exteriores, Shimon Peres, havia feito advertências contra os riscos de escalada de violência se for mantido o bloqueio imposto aos territórios palestinos, que já se prolonga por dez meses. O crime foi o primeiro atentado suicida desde o ataque a uma discoteca de Tel Aviv (Israel) ocorrido dia 1º de junho, que deixou 21 mortos.

Enquanto isso, prevalece um impasse nas relações entre Israel e Palestina. Ariel Sharon afirmou que não vai negociar com os palestinos até que a onda de violência acabe. Já o líder da autoridade Palestina, Yasser Arafat, diz que a violência não vai acabar até que haja uma solução política para o conflito no Oriente Médio.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Atentado terrorista mata brasileiro em Jerusalém

Do Diário OnLine

10/08/2001 | 00:28


Foto:DivulgaçãoUma explosão em uma pizzaria no centro do Jerusalém (Israel) deixou 15 pessoas mortas e mais de 90 feridas nesta quinta-feira. Entre as vítimas estão os brasileiros Jorge Balazs; sua esposa, Flora; e a filha dele, Débora Brando Faria da Costa. O atentado suicida, o maior já registrado no conflito entre palestinos e israelenses desde o início da nova Intifada, em setembro do ano passado, foi reivindicado pela organização extremista islâmica Hamas e pelo grupo terrorista palestino Jihad.

A explosão aconteceu às 13h locais (8h de Brasília), quando a pizzaria Sbarro, que fica em uma das principais avenidas de acesso ao centro da cidade, estava lotada de clientes. Jorge foi ferido gravemente e levado para o hospital com vida, mas não resistiu e morreu. Sua filha, uma museóloga da Prefeitura de São Paulo, sofreu queimaduras nas pernas, mãos e cabeça, mas não corre risco de morte. Flora também sofreu ferimentos graves, mas passa bem.

A família de Débora afirmou ao Jornal da Globo que recebeu a informação de que a museóloga estava entre as vítimas por volta das 14h30. Os parentes informaram também que ela e a madrasta estão internadas no mesmo hospital com queimaduras e ferimentos provocados por estilhaços. O médico da família embarca para Israel nesta sexta-feira para examinar as brasileiras e autorizar ou não o retorno de Débora para o Brasil. Os familiares disseram também que ela está traumatizada e que quer voltar para o Brasil o mais rápido possível. Débora foi a Israel para visitar o pai, que vive em Jerusalém.

Logo após o atentado, o Jihad divulgou um comunicado informando que o terrorista suicida chamava-se Husseini Omar Abou Naeseh, de 23 anos. Ele entrou na pizzaria com uma bomba amarrada na cintura e a detonou, provocando também a própria morte. O explosivo foi recheado com pregos, para aumentar seu poder de destruição. Pouco depois, a Hamas assumiu a autoria da explosão, alegando vingança a um membro morto dias antes.

Imagens divulgadas pela televisão mostraram parte do estabelecimento em escombros e centenas de pessoas em pânico. Uma segunda bomba não detonada foi encontrada na porta do restaurante, e a polícia fechou o acesso às ruas que levam à área central de Jerusalém. Ambulâncias e carros de resgate socorriam as vítimas jogadas na rua, enquanto vários gritavam o nome de seus parentes.

Um porta-voz do governo afirmou que não há dúvida de que a tragédia foi provocada por palestinos. O primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, convocou uma reunião de emergência com o gabinete de segurança para avaliar uma resposta ao ataque palestino.

Pela manhã, o ministro israelense de Relações Exteriores, Shimon Peres, havia feito advertências contra os riscos de escalada de violência se for mantido o bloqueio imposto aos territórios palestinos, que já se prolonga por dez meses. O crime foi o primeiro atentado suicida desde o ataque a uma discoteca de Tel Aviv (Israel) ocorrido dia 1º de junho, que deixou 21 mortos.

Enquanto isso, prevalece um impasse nas relações entre Israel e Palestina. Ariel Sharon afirmou que não vai negociar com os palestinos até que a onda de violência acabe. Já o líder da autoridade Palestina, Yasser Arafat, diz que a violência não vai acabar até que haja uma solução política para o conflito no Oriente Médio.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;