Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 23 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Mutirão no ABC discute a violência


Andrea Catão Maziero
Do Diário do Grande ABC

08/06/2002 | 17:35


Um dia inteiro dedicado à discussão da escalada da violência urbana está reservado para a próxima sexta-feira pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, de São Bernardo. Uma série de eventos simultâneos vão ocorrer desde as 5h do dia 14 em toda a região. É o Mutirão Contra a Violência, que tem apoio do Diário e entidades da sociedade civil, cuja pretensão é movimentar num só dia mais de 80 mil pessoas.

O dia vai começar com assembléias nas principais montadoras do Grande ABC e empresas ligadas a outros setores. Os trabalhadores já começaram a ser chamados para as assembléias, que vão ocorrer uma hora antes de entrarem nas fábricas.

“Convidamos pessoas para falar sobre o tema aos trabalhadores e chamá-los para o debate que vai acontecer na sede do sindicato e contará com a presença do ministro da Justiça (Miguel Reale Jr.)”, disse o secretário executivo de organização do sindicato, Francisco Duarte de Lima, o Alemão.

Durante todo o dia, ocorrerão debates em faculdades e nas sedes de entidades que estão incumbidas de convidar a comunidade para participar da discussão. Tribunas livres, em que o cidadão tem a oportunidade em expressar suas idéias, sugerir propostas e cobrar soluções, vão acontecer no decorrer do dia em pontos de grande circulação de pessoas nas cidades da região (veja nesta semana no Diário a programação completa do Mutirão).

Na sede do sindicato, acontecem dois eventos no período da tarde. Às 16h, o ministro da Justiça e outros convidados participam de um debate. Na ocasião, será cobrado de Miguel Reale Jr. ações do governo federal na área da segurança.

No fim da tarde, às 19h, os sete prefeitos do Grande ABC participam de outro debate. “Como os governos municipais não são diretamente responsáveis pela segurança, os prefeitos vão discutir o tema e apresentar propostas a serem encaminhadas ao governo do Estado”, disse Alemão.

A idéia de realizar o Mutirão foi do presidente do sindicato, Luiz Marinho. “Desde o ano passado, tínhamos a intenção de realizar o evento. Mas, depois da morte do Toninho (da Costa Santos, prefeito de Campinas) e do Celso (Daniel, de Santo André), começamos a nos articular para a mobilização de toda a sociedade”, afirmou Marinho. Segundo ele, é necessário convidar todos os setores a “pensar” e cobrar uma postura do Estado.

O Mutirão Contra a Violência está aberto à participação de qualquer outro segmento. Para mais informações: 4128-4200.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mutirão no ABC discute a violência

Andrea Catão Maziero
Do Diário do Grande ABC

08/06/2002 | 17:35


Um dia inteiro dedicado à discussão da escalada da violência urbana está reservado para a próxima sexta-feira pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, de São Bernardo. Uma série de eventos simultâneos vão ocorrer desde as 5h do dia 14 em toda a região. É o Mutirão Contra a Violência, que tem apoio do Diário e entidades da sociedade civil, cuja pretensão é movimentar num só dia mais de 80 mil pessoas.

O dia vai começar com assembléias nas principais montadoras do Grande ABC e empresas ligadas a outros setores. Os trabalhadores já começaram a ser chamados para as assembléias, que vão ocorrer uma hora antes de entrarem nas fábricas.

“Convidamos pessoas para falar sobre o tema aos trabalhadores e chamá-los para o debate que vai acontecer na sede do sindicato e contará com a presença do ministro da Justiça (Miguel Reale Jr.)”, disse o secretário executivo de organização do sindicato, Francisco Duarte de Lima, o Alemão.

Durante todo o dia, ocorrerão debates em faculdades e nas sedes de entidades que estão incumbidas de convidar a comunidade para participar da discussão. Tribunas livres, em que o cidadão tem a oportunidade em expressar suas idéias, sugerir propostas e cobrar soluções, vão acontecer no decorrer do dia em pontos de grande circulação de pessoas nas cidades da região (veja nesta semana no Diário a programação completa do Mutirão).

Na sede do sindicato, acontecem dois eventos no período da tarde. Às 16h, o ministro da Justiça e outros convidados participam de um debate. Na ocasião, será cobrado de Miguel Reale Jr. ações do governo federal na área da segurança.

No fim da tarde, às 19h, os sete prefeitos do Grande ABC participam de outro debate. “Como os governos municipais não são diretamente responsáveis pela segurança, os prefeitos vão discutir o tema e apresentar propostas a serem encaminhadas ao governo do Estado”, disse Alemão.

A idéia de realizar o Mutirão foi do presidente do sindicato, Luiz Marinho. “Desde o ano passado, tínhamos a intenção de realizar o evento. Mas, depois da morte do Toninho (da Costa Santos, prefeito de Campinas) e do Celso (Daniel, de Santo André), começamos a nos articular para a mobilização de toda a sociedade”, afirmou Marinho. Segundo ele, é necessário convidar todos os setores a “pensar” e cobrar uma postura do Estado.

O Mutirão Contra a Violência está aberto à participação de qualquer outro segmento. Para mais informações: 4128-4200.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;