Fechar
Publicidade

Sábado, 31 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Febraban diz que bancos estão comprometidos com combate à lavagem de dinheiro



21/09/2020 | 20:59


Os bancos brasileiros estão comprometidos com a melhoria e o aperfeiçoamento, de forma constante, com os controles e prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo (PLDFT), segundo a Federação Brasileiros das Bancos, a Febraban, em nota enviada ao Estadão/Broadcast nesta segunda-feira, 21.

O posicionamento diz respeito à revelação, feita após a obtenção de documentos por organizações da imprensa que formam o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, na sigla em inglês), de que grandes bancos fizeram mais de US$ 2 trilhões em transações suspeitas entre 1999 e 2017.

A reportagem cita HSBC, Standard Chartered, Barclays, Deutsche Bank, Commerzbank, JPMorgan Chase e Bank of New York Mellon.

"Os bancos e a Febraban sempre estarão do lado da transparência, dos princípios e valores éticos, participando ativamente do trabalho contra as práticas criminosas e contra os atos ilícitos que afrontam os cidadãos e as instituições, em relação aos procedimentos e aos controles internos relativos à prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo. Os bancos e a Febraban sempre estarão do lado da transparência", diz a nota assinada pelo presidente da entidade, Isaac Sidney.

Ele afirma que essas instituições são os maiores responsáveis pelas comunicações das operações suspeitas ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). "Em 2019, foram feitas 118,5 mil comunicações de operações suspeitas, além de 2,919 milhões de operações em espécie de valores igual ou superior a R$ 50 mil. Com o apoio dessas comunicações, em 2019, o Coaf produziu 6.272 Relatórios de Inteligência Financeira", disse.

A entidade afirma ainda que é uma das fundadoras e participante ativa da Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (ENCCLA), estando presente, assim, por meio do debate, fazendo propostas "para o constante aprimoramento regulatório e a adoção das melhores práticas na prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo"

"As áreas de PLD dos bancos não competem entre si, pelo contrário. Quanto mais robustos e convergentes forem os controles, mais protegido estará todo o setor financeiro", afirmou Sidney.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Febraban diz que bancos estão comprometidos com combate à lavagem de dinheiro


21/09/2020 | 20:59


Os bancos brasileiros estão comprometidos com a melhoria e o aperfeiçoamento, de forma constante, com os controles e prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo (PLDFT), segundo a Federação Brasileiros das Bancos, a Febraban, em nota enviada ao Estadão/Broadcast nesta segunda-feira, 21.

O posicionamento diz respeito à revelação, feita após a obtenção de documentos por organizações da imprensa que formam o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, na sigla em inglês), de que grandes bancos fizeram mais de US$ 2 trilhões em transações suspeitas entre 1999 e 2017.

A reportagem cita HSBC, Standard Chartered, Barclays, Deutsche Bank, Commerzbank, JPMorgan Chase e Bank of New York Mellon.

"Os bancos e a Febraban sempre estarão do lado da transparência, dos princípios e valores éticos, participando ativamente do trabalho contra as práticas criminosas e contra os atos ilícitos que afrontam os cidadãos e as instituições, em relação aos procedimentos e aos controles internos relativos à prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo. Os bancos e a Febraban sempre estarão do lado da transparência", diz a nota assinada pelo presidente da entidade, Isaac Sidney.

Ele afirma que essas instituições são os maiores responsáveis pelas comunicações das operações suspeitas ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). "Em 2019, foram feitas 118,5 mil comunicações de operações suspeitas, além de 2,919 milhões de operações em espécie de valores igual ou superior a R$ 50 mil. Com o apoio dessas comunicações, em 2019, o Coaf produziu 6.272 Relatórios de Inteligência Financeira", disse.

A entidade afirma ainda que é uma das fundadoras e participante ativa da Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (ENCCLA), estando presente, assim, por meio do debate, fazendo propostas "para o constante aprimoramento regulatório e a adoção das melhores práticas na prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo"

"As áreas de PLD dos bancos não competem entre si, pelo contrário. Quanto mais robustos e convergentes forem os controles, mais protegido estará todo o setor financeiro", afirmou Sidney.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;