Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 19 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolsa fecha em baixa de 1,32%, no menor nível desde 3 de julho



21/09/2020 | 18:01


A aversão global a risco se impôs nesta primeira sessão da semana, o que se refletiu em perdas espraiadas da Ásia à Europa e aos EUA, especialmente acentuadas em mercados como os de Alemanha (-4,37%) e Reino Unido (-3,38%), diretamente afetados pelo escândalo de lavagem de dinheiro envolvendo grandes bancos, entre os quais Deutsche Bank, HSBC, Standard Chartered e JPMorgan. Além do segmento financeiro, as ações do setor de viagens, especialmente companhias aéreas europeias, espelharam outro fator de risco que prevaleceu na sessão: a possibilidade de uma segunda rodada de lockdown após a retomada da covid-19 durante o verão europeu, que chega ao fim nesta terça-feira.

A cautela quanto aos efeitos de ambos os fatores sobre a retomada em curso na economia global contribuiu para que os contratos futuros de petróleo fechassem o dia com perdas de cerca de 4%. O cenário conturbado resultou também em aumento da demanda por proteção em dólar, que costuma manter correlação negativa com os preços de commodities nele denominadas, como o combustível fóssil e o minério de ferro. Assim, o dia foi especialmente negativo para as ações de Petrobras (PN -3,46% e ON -3,01%) e Vale (-2,69%), com perdas relativamente moderadas em outro segmento de peso no Ibovespa, o de bancos, no qual o ajuste negativo chegou a 1,76% (Bradesco ON).

O Ibovespa fechou nesta segunda-feira em baixa de 1,32%, aos 96.990,72 pontos, tendo chegado na mínima aos 95.820,34 pontos, o menor nível intradia desde 3 de julho (95.803,32 pontos), saindo de máxima na sessão de hoje aos 98.282,75 pontos, na abertura. No fechamento, o índice de referência da B3 também foi ao menor nível desde 3 de julho, quando encerrou aquela sessão aos 96.764,85 pontos. Em dia de vencimento de opções sobre ações, o giro financeiro foi reforçado, a R$ 36,5 bilhões. O índice acumula agora perda de 2,39% no mês e de 16,13% no ano.

"O Ibovespa vinha defendendo bem a linha dos 98 mil pontos, perdida na sessão, em razão desta aversão a risco desde o exterior. Mas as perdas se mostraram moderadas para o dia, com o desempenho positivo de ações do setor de varejo eletrônico, voltados à economia doméstica, como B2W (+4,01%), Magazine Luiza (+1,77%) e Lojas Americanas (+0,31%)", observa Stefany Oliveira, analista da Toro Investimentos.

"A partir do exterior, houve uma correção iniciada há duas semanas no setor de tecnologia e que alcançou no período seguinte a economia real, a partir de reprecificações do petróleo ante novas estimativas, mais fracas, da Opep sobre a demanda global", aponta Ilan Arbetman, analista da Ativa Investimentos. "Com as preocupações que emergiram hoje sobre bancos - setor-chave para a expansão das economias e empresas - e a possibilidade de novo lockdown, em razão da ressurgência do coronavírus especialmente na Europa, tivemos hoje dois fatores que, fato raro, obscureceram o desenlace positivo sobre o Tik Tok e o WeChat nos EUA, um desdobramento na guerra comercial que normalmente não passaria em branco."

Arbetman chama atenção em particular para o setor aéreo, duramente atingido desde o início da pandemia - e que tende a se complicar caso haja uma retomada das iniciativas de distanciamento social e insulamento de países, neste pós-verão no Hemisfério Norte.

No Brasil, as empresas aéreas têm um terceiro trimestre marcado por renegociações trabalhistas e de aeronaves, assim como de dívidas com credores, e uma reversão no processo de normalização das economias, às vésperas do trimestre decisivo do ano, o quarto, pode agravar a liquidez e o caixa das empresas, aponta o analista da Ativa. "Os dados mais recentes da Anac sobre oferta e demanda sugerem que as projeções das empresas para o fim de ano, ponto alto do setor por causa da sazonalidade, podem estar muito otimistas", acrescenta.

Nesta segunda-feira, as ações de Gol (-8,46%) e de Azul (-7,80%) seguraram a ponta negativa do Ibovespa, logo à frente de Embraer (-4,79%) e Ecorodovias (-4,54%). No lado oposto, B2W (+4,01%), SulAmérica (+2,86%), Weg (+2,27%) e Magazine Luiza (+1,77%) foram os destaques.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsa fecha em baixa de 1,32%, no menor nível desde 3 de julho


21/09/2020 | 18:01


A aversão global a risco se impôs nesta primeira sessão da semana, o que se refletiu em perdas espraiadas da Ásia à Europa e aos EUA, especialmente acentuadas em mercados como os de Alemanha (-4,37%) e Reino Unido (-3,38%), diretamente afetados pelo escândalo de lavagem de dinheiro envolvendo grandes bancos, entre os quais Deutsche Bank, HSBC, Standard Chartered e JPMorgan. Além do segmento financeiro, as ações do setor de viagens, especialmente companhias aéreas europeias, espelharam outro fator de risco que prevaleceu na sessão: a possibilidade de uma segunda rodada de lockdown após a retomada da covid-19 durante o verão europeu, que chega ao fim nesta terça-feira.

A cautela quanto aos efeitos de ambos os fatores sobre a retomada em curso na economia global contribuiu para que os contratos futuros de petróleo fechassem o dia com perdas de cerca de 4%. O cenário conturbado resultou também em aumento da demanda por proteção em dólar, que costuma manter correlação negativa com os preços de commodities nele denominadas, como o combustível fóssil e o minério de ferro. Assim, o dia foi especialmente negativo para as ações de Petrobras (PN -3,46% e ON -3,01%) e Vale (-2,69%), com perdas relativamente moderadas em outro segmento de peso no Ibovespa, o de bancos, no qual o ajuste negativo chegou a 1,76% (Bradesco ON).

O Ibovespa fechou nesta segunda-feira em baixa de 1,32%, aos 96.990,72 pontos, tendo chegado na mínima aos 95.820,34 pontos, o menor nível intradia desde 3 de julho (95.803,32 pontos), saindo de máxima na sessão de hoje aos 98.282,75 pontos, na abertura. No fechamento, o índice de referência da B3 também foi ao menor nível desde 3 de julho, quando encerrou aquela sessão aos 96.764,85 pontos. Em dia de vencimento de opções sobre ações, o giro financeiro foi reforçado, a R$ 36,5 bilhões. O índice acumula agora perda de 2,39% no mês e de 16,13% no ano.

"O Ibovespa vinha defendendo bem a linha dos 98 mil pontos, perdida na sessão, em razão desta aversão a risco desde o exterior. Mas as perdas se mostraram moderadas para o dia, com o desempenho positivo de ações do setor de varejo eletrônico, voltados à economia doméstica, como B2W (+4,01%), Magazine Luiza (+1,77%) e Lojas Americanas (+0,31%)", observa Stefany Oliveira, analista da Toro Investimentos.

"A partir do exterior, houve uma correção iniciada há duas semanas no setor de tecnologia e que alcançou no período seguinte a economia real, a partir de reprecificações do petróleo ante novas estimativas, mais fracas, da Opep sobre a demanda global", aponta Ilan Arbetman, analista da Ativa Investimentos. "Com as preocupações que emergiram hoje sobre bancos - setor-chave para a expansão das economias e empresas - e a possibilidade de novo lockdown, em razão da ressurgência do coronavírus especialmente na Europa, tivemos hoje dois fatores que, fato raro, obscureceram o desenlace positivo sobre o Tik Tok e o WeChat nos EUA, um desdobramento na guerra comercial que normalmente não passaria em branco."

Arbetman chama atenção em particular para o setor aéreo, duramente atingido desde o início da pandemia - e que tende a se complicar caso haja uma retomada das iniciativas de distanciamento social e insulamento de países, neste pós-verão no Hemisfério Norte.

No Brasil, as empresas aéreas têm um terceiro trimestre marcado por renegociações trabalhistas e de aeronaves, assim como de dívidas com credores, e uma reversão no processo de normalização das economias, às vésperas do trimestre decisivo do ano, o quarto, pode agravar a liquidez e o caixa das empresas, aponta o analista da Ativa. "Os dados mais recentes da Anac sobre oferta e demanda sugerem que as projeções das empresas para o fim de ano, ponto alto do setor por causa da sazonalidade, podem estar muito otimistas", acrescenta.

Nesta segunda-feira, as ações de Gol (-8,46%) e de Azul (-7,80%) seguraram a ponta negativa do Ibovespa, logo à frente de Embraer (-4,79%) e Ecorodovias (-4,54%). No lado oposto, B2W (+4,01%), SulAmérica (+2,86%), Weg (+2,27%) e Magazine Luiza (+1,77%) foram os destaques.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;