Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 19 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Filho dá sorte a Ramalho às vésperas do Dia dos Pais


Analy Cristofani
Do Diário do Grande ABC

14/08/2005 | 11:46


O primeiro Dia dos Pais do volante Ramalho parece que vai ficar guardado para sempre na memória do jogador. Na sexta-feira, quando o Santo André enfrentou o São Raimundo no estádio Bruno Daniel pela Série B do Campeonato Brasileiro, Ryan entrou pela primeira vez em campo no colo do pai e, daqui para a frente, isso vai acontecer com freqüência.

O garoto de um mês e meio é quem está conseguindo fazer Ramalho sentir o peso da profissão e o fato de precisar ficar tanto tempo longe de casa. O pai coruja rasga elogios ao novo dono de seu coração. “Para mim está sendo maravilhoso, ele é lindo, é uma emoção muito grande”, disse Ramalho, sem se esquecer das noites de sono que anda perdendo. “Claro que às vezes dá dor-de-cabeça, porque eu tenho que treinar pela manhã e ele chorou a noite toda”.

Ramalho estava curioso para saber o que poderia ganhar de presente no seu primeiro Dia dos Pais. O jogador reconhece que Ryan já é sua principal alegria, e mesmo sabendo das dificuldades do futebol, quer que seu filho siga seus passos. “Tem o ditado que diz que filho de peixe, peixinho é. Entrei com ele em campo para que o Ryan já possa começar a se enturmar com os gramados. Daqui para a frente ele vai entrar em todas as partidas no meu colo”.

A esposa Fabiana também espera que o primeiro filho do casal siga o caminho do pai. Ramalho conta que os planos para o garoto já estão traçados. Com oito meses, Ryan começará a treinar. Ele vai entrar na natação para crescer mais rápido.

O que Ramalho mais sente, na verdade, é o fato de ter de ficar tanto tempo longe do filho. Para amenizar a saudade, o jogador garante que carrega uma foto de Ryan para todos os cantos que vai. “É ruim ficar muito tempo fora, a saudade é imensa, mas levo uma foto dele quando viajo”, disse o volante, que agora tem como objetivo treinar o garoto para suas primeiras palavras. “Sempre repito para ele papai, para ver se ele decora logo e acaba sendo a primeira palavra que ele vai aprender a falar”.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Filho dá sorte a Ramalho às vésperas do Dia dos Pais

Analy Cristofani
Do Diário do Grande ABC

14/08/2005 | 11:46


O primeiro Dia dos Pais do volante Ramalho parece que vai ficar guardado para sempre na memória do jogador. Na sexta-feira, quando o Santo André enfrentou o São Raimundo no estádio Bruno Daniel pela Série B do Campeonato Brasileiro, Ryan entrou pela primeira vez em campo no colo do pai e, daqui para a frente, isso vai acontecer com freqüência.

O garoto de um mês e meio é quem está conseguindo fazer Ramalho sentir o peso da profissão e o fato de precisar ficar tanto tempo longe de casa. O pai coruja rasga elogios ao novo dono de seu coração. “Para mim está sendo maravilhoso, ele é lindo, é uma emoção muito grande”, disse Ramalho, sem se esquecer das noites de sono que anda perdendo. “Claro que às vezes dá dor-de-cabeça, porque eu tenho que treinar pela manhã e ele chorou a noite toda”.

Ramalho estava curioso para saber o que poderia ganhar de presente no seu primeiro Dia dos Pais. O jogador reconhece que Ryan já é sua principal alegria, e mesmo sabendo das dificuldades do futebol, quer que seu filho siga seus passos. “Tem o ditado que diz que filho de peixe, peixinho é. Entrei com ele em campo para que o Ryan já possa começar a se enturmar com os gramados. Daqui para a frente ele vai entrar em todas as partidas no meu colo”.

A esposa Fabiana também espera que o primeiro filho do casal siga o caminho do pai. Ramalho conta que os planos para o garoto já estão traçados. Com oito meses, Ryan começará a treinar. Ele vai entrar na natação para crescer mais rápido.

O que Ramalho mais sente, na verdade, é o fato de ter de ficar tanto tempo longe do filho. Para amenizar a saudade, o jogador garante que carrega uma foto de Ryan para todos os cantos que vai. “É ruim ficar muito tempo fora, a saudade é imensa, mas levo uma foto dele quando viajo”, disse o volante, que agora tem como objetivo treinar o garoto para suas primeiras palavras. “Sempre repito para ele papai, para ver se ele decora logo e acaba sendo a primeira palavra que ele vai aprender a falar”.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;