Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 22 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Por que bicicletas públicas?

Um dos grandes problemas urbanos é o excesso de veículos...


Cristina Baddini

07/09/2012 | 00:00


Um dos grandes problemas urbanos, comum às cidades de médio e grande portes, é o excesso de veículos nas áreas centrais das cidades, provocando engarrafamentos e poluição ambiental, impactando negativamente a qualidade de vida das pessoas.

Existem inúmeras medidas que podem ser adotadas para reduzir a consequência desses problemas como, por exemplo, a restrição da entrada de automóveis em algumas áreas centrais, a criação de áreas de estacionamentos nos arredores dos núcleos urbanos, a implantação de sistemas integrados e eficientes de transporte público, além da priorização dos meios ativos de mobilidade, como ciclismo e caminhada. Várias cidades já estão implementando programas para promover o uso de bicicletas públicas no transporte público com qualidade, provocando menos poluição, além de favorecer a saúde física dos próprios usuários ciclistas. 

MIL BICICLETAS EM SÃO CAETANO

Ainda neste mês, a Prefeitura de São Caetano dará início ao serviço de bicicletas públicas na cidade. Os usuários poderão utilizar as magrelas por uma hora e devolver em um ponto credenciado de forma gratuita. O serviço faz parte do Programa Pedala São Caetano e visa promover o transporte por bicicletas com qualidade e segurança. Inicialmente serão disponibilizados seis locais de retirada e entrega das bikes, mas a ideia é espalhar os pontos a 100 estações com 1.000 bicicletas. O intuito do projeto é incentivar a prática de atividades físicas e o uso dos transportes não motorizados, reforçando os benefícios gerados para o meio ambiente e para a saúde da população.

A BICICLETA EM PORTUGAL

A professora catedrática Beatriz Pereira, do Instituto de Educação da Universidade do Minho, defende que cada aluno do 1º ao 9º anos de escolaridade receba uma bicicleta. Ela pondera que a medida proporciona um estilo de vida saudável, aumenta a atividade física diária, reduz os índices de poluição e fomenta o surgimento de desportistas em novas áreas, tornando os cidadãos mais resistentes, prevenindo doenças crônico-degenerativas e consequentemente reduzindo os gastos públicos com a saúde dos habitantes. 

Beatriz Pereira confirma através de vários estudos recentes no Centro de Investigação em Estudos da Criança do Minho, que a sugestão das duas rodas não vem por acaso. Nos países nórdicos, onde há muito frio, vê-se de manhã pais e filhos a pedalar de casa até as escolas, regressando no fim do dia.

A docente registra que a distância média do aluno português até a instituição de ensino é de três a cinco quilômetros e que não é preciso sequer a criação de trajetos específicos ou acessos especiais.

No entanto, há sim a necessidade de ‘educar para a segurança', principalmente os alunos e os pais, bem como os demais cidadãos, de forma a aprenderem a conviver e respeitar a circulação de bicicletas nas ruas e passeios, além de preparar os acessos particularmente junto às escolas. 

BICICLETA É TRANSPORTE DE MASSA

Para o ex-prefeito de Bogotá, na Colômbia, Enrique Peñalosa, responsável pela transformação da capital colombiana na primeira cidade da América Latina a usar a bicicleta como meio de transporte de massa, a mudança deve ser radical, com a transformação de todos os espaços para estacionamento de carros em vias exclusivas para ciclistas.

Segundo ele, nas grandes cidades, como São Paulo e Rio de Janeiro, mais da metade da população vive a menos de cinco quilômetros dos seus locais de trabalho e que a questão maior é prover a infraestrutura necessária para as pessoas passarem a usar mais as bicicletas.

O ex-prefeito de Bogotá cita como bons exemplos a Holanda e a Dinamarca. Porém, em sua opinião, paralelamente à restrição do uso de carros e vagas para estacionamento, deve-se melhorar substancialmente a estrutura para facilitar e promover a utilização bicicletas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Por que bicicletas públicas?

Um dos grandes problemas urbanos é o excesso de veículos...

Cristina Baddini

07/09/2012 | 00:00


Um dos grandes problemas urbanos, comum às cidades de médio e grande portes, é o excesso de veículos nas áreas centrais das cidades, provocando engarrafamentos e poluição ambiental, impactando negativamente a qualidade de vida das pessoas.

Existem inúmeras medidas que podem ser adotadas para reduzir a consequência desses problemas como, por exemplo, a restrição da entrada de automóveis em algumas áreas centrais, a criação de áreas de estacionamentos nos arredores dos núcleos urbanos, a implantação de sistemas integrados e eficientes de transporte público, além da priorização dos meios ativos de mobilidade, como ciclismo e caminhada. Várias cidades já estão implementando programas para promover o uso de bicicletas públicas no transporte público com qualidade, provocando menos poluição, além de favorecer a saúde física dos próprios usuários ciclistas. 

MIL BICICLETAS EM SÃO CAETANO

Ainda neste mês, a Prefeitura de São Caetano dará início ao serviço de bicicletas públicas na cidade. Os usuários poderão utilizar as magrelas por uma hora e devolver em um ponto credenciado de forma gratuita. O serviço faz parte do Programa Pedala São Caetano e visa promover o transporte por bicicletas com qualidade e segurança. Inicialmente serão disponibilizados seis locais de retirada e entrega das bikes, mas a ideia é espalhar os pontos a 100 estações com 1.000 bicicletas. O intuito do projeto é incentivar a prática de atividades físicas e o uso dos transportes não motorizados, reforçando os benefícios gerados para o meio ambiente e para a saúde da população.

A BICICLETA EM PORTUGAL

A professora catedrática Beatriz Pereira, do Instituto de Educação da Universidade do Minho, defende que cada aluno do 1º ao 9º anos de escolaridade receba uma bicicleta. Ela pondera que a medida proporciona um estilo de vida saudável, aumenta a atividade física diária, reduz os índices de poluição e fomenta o surgimento de desportistas em novas áreas, tornando os cidadãos mais resistentes, prevenindo doenças crônico-degenerativas e consequentemente reduzindo os gastos públicos com a saúde dos habitantes. 

Beatriz Pereira confirma através de vários estudos recentes no Centro de Investigação em Estudos da Criança do Minho, que a sugestão das duas rodas não vem por acaso. Nos países nórdicos, onde há muito frio, vê-se de manhã pais e filhos a pedalar de casa até as escolas, regressando no fim do dia.

A docente registra que a distância média do aluno português até a instituição de ensino é de três a cinco quilômetros e que não é preciso sequer a criação de trajetos específicos ou acessos especiais.

No entanto, há sim a necessidade de ‘educar para a segurança', principalmente os alunos e os pais, bem como os demais cidadãos, de forma a aprenderem a conviver e respeitar a circulação de bicicletas nas ruas e passeios, além de preparar os acessos particularmente junto às escolas. 

BICICLETA É TRANSPORTE DE MASSA

Para o ex-prefeito de Bogotá, na Colômbia, Enrique Peñalosa, responsável pela transformação da capital colombiana na primeira cidade da América Latina a usar a bicicleta como meio de transporte de massa, a mudança deve ser radical, com a transformação de todos os espaços para estacionamento de carros em vias exclusivas para ciclistas.

Segundo ele, nas grandes cidades, como São Paulo e Rio de Janeiro, mais da metade da população vive a menos de cinco quilômetros dos seus locais de trabalho e que a questão maior é prover a infraestrutura necessária para as pessoas passarem a usar mais as bicicletas.

O ex-prefeito de Bogotá cita como bons exemplos a Holanda e a Dinamarca. Porém, em sua opinião, paralelamente à restrição do uso de carros e vagas para estacionamento, deve-se melhorar substancialmente a estrutura para facilitar e promover a utilização bicicletas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;