Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 13 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Desemprego reflete ‘insensibilidade’ do governo, diz Paulinho


Do Diário OnLine

27/11/2003 | 13:27


O presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, divulgou uma nota nesta quinta-feira lamentando os índices de desemprego divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE ) e Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos (Dieese).

No documento, Paulinho diz que o alto índice de desemprego é resultado da insensibilidade do governo federal, que insiste em “manter uma política recessiva baseada no tripé: juros altos, contingeciamento estrondoso das verbas públicas e falta de uma política com foco no fomento da produção e emprego”.

Confira a íntegra da nota:

“As pesquisas divulgadas hoje pelo IBGE e pelo Dieese demonstram claramente que estamos entrando num período de caos social e desesperança. Isso é resultado da insensibilidade do governo federal e de sua equipe de tecnocratas, que insistem em manter uma política recessiva baseada no tripé: juros altos, contingeciamento estrondoso das verbas públicas e falta de uma política com foco no fomento da produção e emprego.

O resultado dessa assimetria entre a política econômica voltada para a especulação em detrimento das aspirações dos brasileiros - de produção e emprego - revela-se através dos dados do IBGE.

De acordo com o instituto, o número de desempregados cresceu 21,7% nos últimos 12 meses. Já em São Paulo, segundo o Dieese, o índice de desemprego bateu recorde. É lamentável que na capital paulista um trabalhador em cada cinco esteja sem emprego devido ao nefasto modelo econômico adotado. E isso, vale ressaltar, justamente no mês que a indústria e o comércio tradicionalmente contratam para as festas de final de ano.

A falta de postos de trabalho coloca o país na equação perversa em que, sem emprego, não há renda, resultando em queda de produção. Isso fica evidente nos dados do levantamento do IBGE: a renda do trabalhador brasileiro encolheu pela décima vez consecutiva em outubro. O governo parece não saber que, sem emprego e sem renda, não existe consumo. Temos a impressão que a luz do "espetáculo do crescimento" ilumina apenas os interesses dos especuladores.

Com esses dados, pode-se dizer com certeza que ultrapassamos o sinal amarelo e estamos no vermelho. A conclusão óbvia é que devemos acabar este ano com um "PIB zero", ficando com um país estagnado como herança de 2003, o que deve nos levar a enfrentar um quadro de recessão aguda em 2004.

Paulo Pereira da Silva
Presidente da Força Sindical



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Desemprego reflete ‘insensibilidade’ do governo, diz Paulinho

Do Diário OnLine

27/11/2003 | 13:27


O presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, divulgou uma nota nesta quinta-feira lamentando os índices de desemprego divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE ) e Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos (Dieese).

No documento, Paulinho diz que o alto índice de desemprego é resultado da insensibilidade do governo federal, que insiste em “manter uma política recessiva baseada no tripé: juros altos, contingeciamento estrondoso das verbas públicas e falta de uma política com foco no fomento da produção e emprego”.

Confira a íntegra da nota:

“As pesquisas divulgadas hoje pelo IBGE e pelo Dieese demonstram claramente que estamos entrando num período de caos social e desesperança. Isso é resultado da insensibilidade do governo federal e de sua equipe de tecnocratas, que insistem em manter uma política recessiva baseada no tripé: juros altos, contingeciamento estrondoso das verbas públicas e falta de uma política com foco no fomento da produção e emprego.

O resultado dessa assimetria entre a política econômica voltada para a especulação em detrimento das aspirações dos brasileiros - de produção e emprego - revela-se através dos dados do IBGE.

De acordo com o instituto, o número de desempregados cresceu 21,7% nos últimos 12 meses. Já em São Paulo, segundo o Dieese, o índice de desemprego bateu recorde. É lamentável que na capital paulista um trabalhador em cada cinco esteja sem emprego devido ao nefasto modelo econômico adotado. E isso, vale ressaltar, justamente no mês que a indústria e o comércio tradicionalmente contratam para as festas de final de ano.

A falta de postos de trabalho coloca o país na equação perversa em que, sem emprego, não há renda, resultando em queda de produção. Isso fica evidente nos dados do levantamento do IBGE: a renda do trabalhador brasileiro encolheu pela décima vez consecutiva em outubro. O governo parece não saber que, sem emprego e sem renda, não existe consumo. Temos a impressão que a luz do "espetáculo do crescimento" ilumina apenas os interesses dos especuladores.

Com esses dados, pode-se dizer com certeza que ultrapassamos o sinal amarelo e estamos no vermelho. A conclusão óbvia é que devemos acabar este ano com um "PIB zero", ficando com um país estagnado como herança de 2003, o que deve nos levar a enfrentar um quadro de recessão aguda em 2004.

Paulo Pereira da Silva
Presidente da Força Sindical

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;