Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 13 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Coca-Cola compra fábrica Suco Mais e acirra segmento


Clarissa Cavalcanti
Do Diário do Grande ABC

28/08/2005 | 08:41


O mercado de sucos, principalmente o de bebida pronta, tem crescido no Brasil. A movimentação setorial sinaliza o interesse de grandes empresas no segmento. A Coca-Cola mexeu com os negócios no começo do mês, quando assumiu o controle acionário da fabricante Sucos Mais, desembolsando R$ 110 milhões pela compra de 82% do capital votante.

\r\n

Segundo o coordenador de economia da Abia (Associação \r\nBrasileira das Indústrias de Alimentação), Dênis Ribeiro, o consumo per capita \r\nno Brasil cresce, em média, 13% ao ano. "É um setor que está crescendo porque as \r\npessoas querem praticidade, e quando vão ao supermercado pedem o produto pronto. \r\nAlém disso, cresce a preocupação com a questão da saúde, e isso aumenta a \r\nprocura por produtos naturais."

\r\n

O diretor de comunicação da Coca-Cola Brasil, Marco \r\nSimões, conta que a aquisição da Sucos Mais teve como objetivo ampliar o \r\nportfólio de produtos oferecidos pela multinacional, que já fabrica energéticos, \r\nchás, águas e sucos prontos voltados para o mercado infantil, além dos \r\nrefrigerantes. Com a operação, a Coca-Cola passou a disputar o mercado de sucos \r\nprontos, que até então tinha presença discreta nos negócios.

\r\n

A aquisição deixa a multinacional em uma posição \r\nprivilegiada para disputar o mercado setorial. A Sucos Mais foi criada em 2002 e \r\ndois anos depois já vendia 35 milhões de litros de suco. A empresa tem fábrica e \r\noperação central em Linhares, no Espírito Santo, e administração em Belo \r\nHorizonte, em Minas Gerais.

\r\n

Simões destaca que o mercado de sucos no Brasil está em \r\nplena expansão porque o consumo de bebidas envasadas no país ainda é baixo, o \r\nque possibilita uma grande oportunidade de crescimento e novos investimentos. "O \r\nconsumo per capita no Brasil é de cerca de 1,5 litros. Na Argentina esse valor é \r\ntrês vezes maior, e nos EUA o número é 30 vezes superior. Por isso, o setor \r\ntende a crescer nos próximos anos." ",1]);//-->

A multinacional aderiu ao negócio de sucos prontos de olho no movimento do setor, que no primeiro semestre deste ano alcançou R$ 472 milhões - mais da metade das vendas de 2004, que somaram R$ 707,1 milhões. A produção em litros chegou a 134,2 milhões, projetando uma expressiva expansão - em 2004 foram produzidos, no ano todo, 211,4 milhões de litros, de acordo com dados da ACNielsen (empresa faz pesquisa de mercado).

Segundo o coordenador de economia da Abia (Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação), Dênis Ribeiro, o consumo per capita no Brasil cresce, em média, 13% ao ano. "É um setor que está crescendo porque as pessoas querem praticidade, e quando vão ao supermercado pedem o produto pronto. Além disso, cresce a preocupação com a questão da saúde, e isso aumenta a procura por produtos naturais."

O diretor de comunicação da Coca-Cola Brasil, Marco Simões, conta que a aquisição da Sucos Mais teve como objetivo ampliar o portfólio de produtos oferecidos pela multinacional, que já fabrica energéticos, chás, águas e sucos prontos voltados para o mercado infantil, além dos refrigerantes. Com a operação, a Coca-Cola passou a disputar o mercado de sucos prontos, que até então tinha presença discreta nos negócios.

A aquisição deixa a multinacional em uma posição privilegiada para disputar o mercado setorial. A Sucos Mais foi criada em 2002 e dois anos depois já vendia 35 milhões de litros de suco. A empresa tem fábrica e operação central em Linhares, no Espírito Santo, e administração em Belo Horizonte, em Minas Gerais.

Simões destaca que o mercado de sucos no Brasil está em plena expansão porque o consumo de bebidas envasadas no país ainda é baixo, o que possibilita uma grande oportunidade de crescimento e novos investimentos. "O consumo per capita no Brasil é de cerca de 1,5 litros. Na Argentina esse valor é três vezes maior, e nos EUA o número é 30 vezes superior. Por isso, o setor tende a crescer nos próximos anos."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Coca-Cola compra fábrica Suco Mais e acirra segmento

Clarissa Cavalcanti
Do Diário do Grande ABC

28/08/2005 | 08:41


O mercado de sucos, principalmente o de bebida pronta, tem crescido no Brasil. A movimentação setorial sinaliza o interesse de grandes empresas no segmento. A Coca-Cola mexeu com os negócios no começo do mês, quando assumiu o controle acionário da fabricante Sucos Mais, desembolsando R$ 110 milhões pela compra de 82% do capital votante.

\r\n

Segundo o coordenador de economia da Abia (Associação \r\nBrasileira das Indústrias de Alimentação), Dênis Ribeiro, o consumo per capita \r\nno Brasil cresce, em média, 13% ao ano. "É um setor que está crescendo porque as \r\npessoas querem praticidade, e quando vão ao supermercado pedem o produto pronto. \r\nAlém disso, cresce a preocupação com a questão da saúde, e isso aumenta a \r\nprocura por produtos naturais."

\r\n

O diretor de comunicação da Coca-Cola Brasil, Marco \r\nSimões, conta que a aquisição da Sucos Mais teve como objetivo ampliar o \r\nportfólio de produtos oferecidos pela multinacional, que já fabrica energéticos, \r\nchás, águas e sucos prontos voltados para o mercado infantil, além dos \r\nrefrigerantes. Com a operação, a Coca-Cola passou a disputar o mercado de sucos \r\nprontos, que até então tinha presença discreta nos negócios.

\r\n

A aquisição deixa a multinacional em uma posição \r\nprivilegiada para disputar o mercado setorial. A Sucos Mais foi criada em 2002 e \r\ndois anos depois já vendia 35 milhões de litros de suco. A empresa tem fábrica e \r\noperação central em Linhares, no Espírito Santo, e administração em Belo \r\nHorizonte, em Minas Gerais.

\r\n

Simões destaca que o mercado de sucos no Brasil está em \r\nplena expansão porque o consumo de bebidas envasadas no país ainda é baixo, o \r\nque possibilita uma grande oportunidade de crescimento e novos investimentos. "O \r\nconsumo per capita no Brasil é de cerca de 1,5 litros. Na Argentina esse valor é \r\ntrês vezes maior, e nos EUA o número é 30 vezes superior. Por isso, o setor \r\ntende a crescer nos próximos anos." ",1]);//-->

A multinacional aderiu ao negócio de sucos prontos de olho no movimento do setor, que no primeiro semestre deste ano alcançou R$ 472 milhões - mais da metade das vendas de 2004, que somaram R$ 707,1 milhões. A produção em litros chegou a 134,2 milhões, projetando uma expressiva expansão - em 2004 foram produzidos, no ano todo, 211,4 milhões de litros, de acordo com dados da ACNielsen (empresa faz pesquisa de mercado).

Segundo o coordenador de economia da Abia (Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação), Dênis Ribeiro, o consumo per capita no Brasil cresce, em média, 13% ao ano. "É um setor que está crescendo porque as pessoas querem praticidade, e quando vão ao supermercado pedem o produto pronto. Além disso, cresce a preocupação com a questão da saúde, e isso aumenta a procura por produtos naturais."

O diretor de comunicação da Coca-Cola Brasil, Marco Simões, conta que a aquisição da Sucos Mais teve como objetivo ampliar o portfólio de produtos oferecidos pela multinacional, que já fabrica energéticos, chás, águas e sucos prontos voltados para o mercado infantil, além dos refrigerantes. Com a operação, a Coca-Cola passou a disputar o mercado de sucos prontos, que até então tinha presença discreta nos negócios.

A aquisição deixa a multinacional em uma posição privilegiada para disputar o mercado setorial. A Sucos Mais foi criada em 2002 e dois anos depois já vendia 35 milhões de litros de suco. A empresa tem fábrica e operação central em Linhares, no Espírito Santo, e administração em Belo Horizonte, em Minas Gerais.

Simões destaca que o mercado de sucos no Brasil está em plena expansão porque o consumo de bebidas envasadas no país ainda é baixo, o que possibilita uma grande oportunidade de crescimento e novos investimentos. "O consumo per capita no Brasil é de cerca de 1,5 litros. Na Argentina esse valor é três vezes maior, e nos EUA o número é 30 vezes superior. Por isso, o setor tende a crescer nos próximos anos."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;