Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 7 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Uso recreativo da maconha é rejeitado por psiquiatras

Especialistas, entretanto, defendem estudos sobre utilização medicinal


Fábio Munhoz
Enviado a Brasília

17/10/2014 | 07:00


A legalização da maconha ainda é rejeitada por grande parte dos psiquiatras brasileiros. O tema foi debatido ontem no Congresso Brasileiro de Psiquiatria, evento realizado pela ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria) em Brasília. Enquete feita entre os médicos presentes apontou que cerca de 70% eram contrários à liberação da droga.

Porém, os especialistas defendem a realização de estudos sobre o uso medicinal de substâncias extraídas da maconha. Caso do CBD (Canabidiol), administrado a pacientes com epilepsia grave. O Cremesp (Conselho Regional de Medicina de São Paulo) publicou no início deste mês resolução que regulamenta a prescrição em casos pré-determinados. Na justificativa, garante que “o CBD não induz efeitos alucinógenos ou indutores de psicose, ou mesmo efeitos inibitórios relevantes na cognição humana; e que possui, nos estudos disponíveis, perfil de segurança adequado e com boa tolerabilidade.”

Um dos maiores nomes na luta contra a legalização, o médico Ronaldo Laranjeira, titular da disciplina de Psiquiatria da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), fez comparação com o ópio. “Do ópio derivam-se substâncias medicinais. É a mesma coisa com a maconha e o canabidiol. Mas é preciso extrair e sintetizar só o princípio ativo necessário.”

Laranjeira acrescenta que “as crianças com convulsões merecem ser bem tratadas”, mas considera que o uso deste exemplo como argumento pró-legalização é “uma coisa ordinária” e que o deixa “enojado” por misturar as situações.

O psiquiatra Valentim Gentil Filho, da USP (Universidade de São Paulo), salienta que o debate deve ser muito mais amplo que as discussões embasadas na ideologia. “São necessários inúmeros testes antes que a comercialização seja autorizada. A maconha tem mais de 400 substâncias, além de muitas impurezas.”

O professor Elisaldo Carlini, do Departamento de Medicina Preventiva da Unifesp, fez o contraponto. Ele apresentou dados de estudos internacionais que apontam benefícios gerados pela droga. “No século 19, a maconha era utilizada como analgésico. O efeito é excelente em dores neuropáticas e miopáticas. Exemplo é a esclerose múltipla.”

Ele acrescenta que, segundo o American Journal of Epidemiology, “não houve diferenças significativas no declínio cognitivo entre usuários pesados, leves e não usuários de maconha”. Apesar de defender o uso regulamentado, Carlini também é contra a utilização recreativa da droga.

O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) afirmou ser favorável à aplicação de substâncias derivadas com fins terapêuticos. Sobre o uso recreativo, disse não ter opinião formada. “É preciso ter mais discussões sobre este tema.”

O repórter viajou a convite da ABP 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Uso recreativo da maconha é rejeitado por psiquiatras

Especialistas, entretanto, defendem estudos sobre utilização medicinal

Fábio Munhoz
Enviado a Brasília

17/10/2014 | 07:00


A legalização da maconha ainda é rejeitada por grande parte dos psiquiatras brasileiros. O tema foi debatido ontem no Congresso Brasileiro de Psiquiatria, evento realizado pela ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria) em Brasília. Enquete feita entre os médicos presentes apontou que cerca de 70% eram contrários à liberação da droga.

Porém, os especialistas defendem a realização de estudos sobre o uso medicinal de substâncias extraídas da maconha. Caso do CBD (Canabidiol), administrado a pacientes com epilepsia grave. O Cremesp (Conselho Regional de Medicina de São Paulo) publicou no início deste mês resolução que regulamenta a prescrição em casos pré-determinados. Na justificativa, garante que “o CBD não induz efeitos alucinógenos ou indutores de psicose, ou mesmo efeitos inibitórios relevantes na cognição humana; e que possui, nos estudos disponíveis, perfil de segurança adequado e com boa tolerabilidade.”

Um dos maiores nomes na luta contra a legalização, o médico Ronaldo Laranjeira, titular da disciplina de Psiquiatria da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), fez comparação com o ópio. “Do ópio derivam-se substâncias medicinais. É a mesma coisa com a maconha e o canabidiol. Mas é preciso extrair e sintetizar só o princípio ativo necessário.”

Laranjeira acrescenta que “as crianças com convulsões merecem ser bem tratadas”, mas considera que o uso deste exemplo como argumento pró-legalização é “uma coisa ordinária” e que o deixa “enojado” por misturar as situações.

O psiquiatra Valentim Gentil Filho, da USP (Universidade de São Paulo), salienta que o debate deve ser muito mais amplo que as discussões embasadas na ideologia. “São necessários inúmeros testes antes que a comercialização seja autorizada. A maconha tem mais de 400 substâncias, além de muitas impurezas.”

O professor Elisaldo Carlini, do Departamento de Medicina Preventiva da Unifesp, fez o contraponto. Ele apresentou dados de estudos internacionais que apontam benefícios gerados pela droga. “No século 19, a maconha era utilizada como analgésico. O efeito é excelente em dores neuropáticas e miopáticas. Exemplo é a esclerose múltipla.”

Ele acrescenta que, segundo o American Journal of Epidemiology, “não houve diferenças significativas no declínio cognitivo entre usuários pesados, leves e não usuários de maconha”. Apesar de defender o uso regulamentado, Carlini também é contra a utilização recreativa da droga.

O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) afirmou ser favorável à aplicação de substâncias derivadas com fins terapêuticos. Sobre o uso recreativo, disse não ter opinião formada. “É preciso ter mais discussões sobre este tema.”

O repórter viajou a convite da ABP 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;