Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 30 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

GCM trabalha com coletes balísticos vencidos


Marcelo Argachoy
Do Diário do Grande ABC

07/03/2017 | 07:00


 Os profissionais da GCM (Guarda Civil Municipal) de Mauá sofrem com as más condições de equipamentos de segurança. Denúncias anônimas feitas à reportagem do Diário indicam que os guardas são obrigados a prestar serviço utilizando coletes à prova de balas com o prazo de validade vencido, colocando em risco a vida dos mesmos.

Além disso, outra crítica é em relação ao fardamento que os guardas utilizam. Existem relatos de funcionários que são obrigados a trabalhar vestindo roupas particulares. Eles alegam que não recebem novas vestimentas há mais de dois anos.

A equipe de reportagem do Diário esteve na sede da GCM na semana passada e retornou ontem para colher informações e conversar com os guardas. A história foi confirmada, mas, com medo de retaliações, eles não quiseram se identificar. Alguns relataram a tensão com a falta de equipamento de segurança apropriado para trabalhar.

Em nota, a Prefeitura de Mauá admitiu a existência dos problemas. Segundo a administração, o número oficial de coletes balísticos vencidos no ano passado é de 157 unidades.

O atual governo de Atila Jacomussi (PSB) responsabilizou a gestão anterior, comandada por Donisete Braga (PT), de ter deixado a Prefeitura sem apresentar, no prazo necessário para a troca, novo processo licitatório para a compra de coletes e fardas para a GCM, mesmo com a informação de que os lotes disponíveis iriam passar do prazo de vencimento em 2016.

As duas concorrências estavam engavetadas há mais de um ano, justificou a nova gestão mauaense. A Prefeitura ainda informou já ter iniciado o processo de substituição dos equipamentos por meio de duas novas licitações – uma para a troca de fardas e a outra para a compra de novos coletes.

O problema com itens de segurança de GCMs no Grande ABC é recorrente. Há dois anos, quem passava pela mesma situação eram os guardas de Santo André. À época houve protestos e ameaças de não trabalhar caso o governo não resolvesse a situação.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;