Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 24 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Grande Rio registra mais de 150 mortes por arma de fogo desde o início do ano



24/10/2020 | 13:46


Pelo menos 150 pessoas morreram na região metropolitana do Rio desde o início do ano baleadas por arma de fogo. Os dados são da plataforma Fogo Cruzado, que registra ainda que em 38 ocasiões pelo menos três civis acabaram mortos em uma mesma ação.

Desde a madrugada de sexta-feira, 23, duas pessoas morreram baleadas. O ambulante Douglas Deividson Bellot, de 36 anos, foi atingido por disparos de fuzil quando voltava para casa na favela do Bateau Mouche, na Praça Seca, zona oeste do Rio. A área é dominada por milicianos.

No início da mesma madrugada, Ladyanne Paulina, de 34 anos, foi morta após ser atingida na cabeça por uma bala perdida. Ela e a namorada fechavam o trailer em que trabalhavam, no Catumbi, zona norte, quando ficaram na linha de tiro druante perseguição policial pela rua Frei Caneca.

Os casos são investigados pela Delegacia de Homicídios.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Grande Rio registra mais de 150 mortes por arma de fogo desde o início do ano


24/10/2020 | 13:46


Pelo menos 150 pessoas morreram na região metropolitana do Rio desde o início do ano baleadas por arma de fogo. Os dados são da plataforma Fogo Cruzado, que registra ainda que em 38 ocasiões pelo menos três civis acabaram mortos em uma mesma ação.

Desde a madrugada de sexta-feira, 23, duas pessoas morreram baleadas. O ambulante Douglas Deividson Bellot, de 36 anos, foi atingido por disparos de fuzil quando voltava para casa na favela do Bateau Mouche, na Praça Seca, zona oeste do Rio. A área é dominada por milicianos.

No início da mesma madrugada, Ladyanne Paulina, de 34 anos, foi morta após ser atingida na cabeça por uma bala perdida. Ela e a namorada fechavam o trailer em que trabalhavam, no Catumbi, zona norte, quando ficaram na linha de tiro druante perseguição policial pela rua Frei Caneca.

Os casos são investigados pela Delegacia de Homicídios.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;