Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Moro autoriza Lula a trocar testemunhas no processo sobre sítio



29/05/2018 | 17:44


O juiz federal Sérgio Moro autorizou nesta terça-feira, 29, que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso pela Operação Lava Jato, em Curitiba, substitua algumas testemunhas de defesa no processo sobre o sítio de Atibaia. Sai a ex-ministra Miriam Belchior (Planejamento/Governo Dilma), entra o cantor e ex-ministro Gilberto Gil (Cultura/Governo Lula).

O magistrado permitiu ainda que outras três testemunhas sejam substituídas. Os depoimentos, que estavam com datas marcadas, serão reagendados.

Na mesma decisão, o juiz da Lava Jato manteve depoimentos de testemunhas programados para esta quarta-feira, 30. "Tendo em vista o aparente arrefecimento da paralisação dos caminhoneiros e a retomada gradativa da normalidade, esclareço que as audiências de amanhã estão mantidas", afirmou.

Na semana passada, em função da grande paralisação dos caminhoneiros, o juiz Moro cancelou audiências que ocorreriam nesta segunda, 28.

Lula está preso na sede da Polícia Federal, na capital paranaense, desde 7 de abril. O ex-presidente cumpre pena de 12 anos e seis meses por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá.

O caso envolvendo o sítio de Atibaia é a terceira ação contra Lula na Lava Jato do Paraná.

Segundo a acusação, Odebrecht, OAS e Schahin, por meio do pecuarista José Carlos Bumlai, gastaram R$ 1,02 milhão em obras no sítio em troca de contratos com a Petrobras.

O imóvel foi comprado no fim de 2010, quando Lula deixava a Presidência, pelos empresários Fernando Bittar e Jonas Suassuna. O ex-presidente nega ter recebido vantagens indevidas das empreiteiras.

No outro processo, ainda no âmbito da Lava Jato, o petista é réu em ação penal que investiga se um terreno em São Paulo, onde seria sediado o Instituto Lula, no valor de R$ 12 milhões, e o apartamento vizinho ao do ex-presidente, em São Bernardo, no edifício Hill House - R$ 504 mil - seriam vantagens indevidas da empreiteira Odebrecht para o ex-presidente.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Moro autoriza Lula a trocar testemunhas no processo sobre sítio


29/05/2018 | 17:44


O juiz federal Sérgio Moro autorizou nesta terça-feira, 29, que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso pela Operação Lava Jato, em Curitiba, substitua algumas testemunhas de defesa no processo sobre o sítio de Atibaia. Sai a ex-ministra Miriam Belchior (Planejamento/Governo Dilma), entra o cantor e ex-ministro Gilberto Gil (Cultura/Governo Lula).

O magistrado permitiu ainda que outras três testemunhas sejam substituídas. Os depoimentos, que estavam com datas marcadas, serão reagendados.

Na mesma decisão, o juiz da Lava Jato manteve depoimentos de testemunhas programados para esta quarta-feira, 30. "Tendo em vista o aparente arrefecimento da paralisação dos caminhoneiros e a retomada gradativa da normalidade, esclareço que as audiências de amanhã estão mantidas", afirmou.

Na semana passada, em função da grande paralisação dos caminhoneiros, o juiz Moro cancelou audiências que ocorreriam nesta segunda, 28.

Lula está preso na sede da Polícia Federal, na capital paranaense, desde 7 de abril. O ex-presidente cumpre pena de 12 anos e seis meses por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá.

O caso envolvendo o sítio de Atibaia é a terceira ação contra Lula na Lava Jato do Paraná.

Segundo a acusação, Odebrecht, OAS e Schahin, por meio do pecuarista José Carlos Bumlai, gastaram R$ 1,02 milhão em obras no sítio em troca de contratos com a Petrobras.

O imóvel foi comprado no fim de 2010, quando Lula deixava a Presidência, pelos empresários Fernando Bittar e Jonas Suassuna. O ex-presidente nega ter recebido vantagens indevidas das empreiteiras.

No outro processo, ainda no âmbito da Lava Jato, o petista é réu em ação penal que investiga se um terreno em São Paulo, onde seria sediado o Instituto Lula, no valor de R$ 12 milhões, e o apartamento vizinho ao do ex-presidente, em São Bernardo, no edifício Hill House - R$ 504 mil - seriam vantagens indevidas da empreiteira Odebrecht para o ex-presidente.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;