Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 6 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Cesta básica encarece 5,24% neste ano

Claudinei Plaza 31/8/17 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Kit de primeiras necessidades sobe acima da inflação; incremento no bolso é de R$ 28,69


Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

30/12/2017 | 07:24


O consumidor da região sentiu maior peso no bolso neste ano ao ir ao supermercado. A cesta básica encerrou o ano custando R$ 576,51, de acordo com a pesquisa da Craisa (Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André). Significa que os gastos com itens de primeira necessidade encareceram 5,24%, ou R$ 28,69 a mais.

Em um ano em que a inflação oficial do País sofreu forte queda, influenciada pela redução nos valores dos alimentos, os dados parecem controversos. Conforme expectativa do mercado financeiro no boletim Focus, do Banco Central, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) deverá encerrar 2017 em 2,78%. Até novembro, o indicador acumulou 2,5% ao ano – menor patamar para o acumulado do ano desde 1998.

Questionado sobre a impressão de muitos consumidores de, ao fazerem as compras no supermercado, não notar economia, o professor de Finanças da Fipecafi George Sales explica que isso ocorre porque o IPCA é composto por cesta teórica de consumo baseada mais em produtos in natura do que em itens industrializados, adquiridos por muita gente, o que eleva os gastos.

O engenheiro agrônomo da Craisa, Fábio Vezzá De Benedetto, lembra que, no ano passado, o incremento da cesta básica foi bem superior, de 12% ante 2015, com dispêndio R$ 60,99 maior.

Desta vez, o vilão das compras de primeira necessidade foi o arroz, que subiu 20,3% em 2017, passando de R$ 11,02 para R$ 13,27 o saco de cinco quilos. “No ano passado, as reservas mundiais de arroz diminuíram 1%, justamente quando o comércio internacional foi reativado, especialmente por parte dos países orientais. Com o aumento da demanda, o preço inflacionou. Aliado a isso, como cereal é cotado em dólar, acabamos pagando mais caro também”, explica De Benedetto.

O café também subiu, 65,2%, para R$ 9,78, e a margarina, 54%, para R$ 4,49. Açúcar, óleo e ovos também encareceram, 9,18% (para R$ 2,59), 9,33% (R$ 3,42), 9,83% (R$ 6,10), respectivamente.

Por outro lado, o especialista destaca que os desembolsos no supermercado só não foram maiores graças à redução dos valores do feijão (12,6%, para R$ 4,63), batata (46,2%, para R$ 2,54) e cebola (31,33%, para R$ 2,25). “Em 2016, os preços desses produtos estavam altos, o que estimulou o plantio neste ano. Só que a oferta aumentou muito, e os valores caíram. Isso é um ciclo vicioso que ocorre por falta de planejamento agrícola.” 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cesta básica encarece 5,24% neste ano

Kit de primeiras necessidades sobe acima da inflação; incremento no bolso é de R$ 28,69

Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

30/12/2017 | 07:24


O consumidor da região sentiu maior peso no bolso neste ano ao ir ao supermercado. A cesta básica encerrou o ano custando R$ 576,51, de acordo com a pesquisa da Craisa (Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André). Significa que os gastos com itens de primeira necessidade encareceram 5,24%, ou R$ 28,69 a mais.

Em um ano em que a inflação oficial do País sofreu forte queda, influenciada pela redução nos valores dos alimentos, os dados parecem controversos. Conforme expectativa do mercado financeiro no boletim Focus, do Banco Central, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) deverá encerrar 2017 em 2,78%. Até novembro, o indicador acumulou 2,5% ao ano – menor patamar para o acumulado do ano desde 1998.

Questionado sobre a impressão de muitos consumidores de, ao fazerem as compras no supermercado, não notar economia, o professor de Finanças da Fipecafi George Sales explica que isso ocorre porque o IPCA é composto por cesta teórica de consumo baseada mais em produtos in natura do que em itens industrializados, adquiridos por muita gente, o que eleva os gastos.

O engenheiro agrônomo da Craisa, Fábio Vezzá De Benedetto, lembra que, no ano passado, o incremento da cesta básica foi bem superior, de 12% ante 2015, com dispêndio R$ 60,99 maior.

Desta vez, o vilão das compras de primeira necessidade foi o arroz, que subiu 20,3% em 2017, passando de R$ 11,02 para R$ 13,27 o saco de cinco quilos. “No ano passado, as reservas mundiais de arroz diminuíram 1%, justamente quando o comércio internacional foi reativado, especialmente por parte dos países orientais. Com o aumento da demanda, o preço inflacionou. Aliado a isso, como cereal é cotado em dólar, acabamos pagando mais caro também”, explica De Benedetto.

O café também subiu, 65,2%, para R$ 9,78, e a margarina, 54%, para R$ 4,49. Açúcar, óleo e ovos também encareceram, 9,18% (para R$ 2,59), 9,33% (R$ 3,42), 9,83% (R$ 6,10), respectivamente.

Por outro lado, o especialista destaca que os desembolsos no supermercado só não foram maiores graças à redução dos valores do feijão (12,6%, para R$ 4,63), batata (46,2%, para R$ 2,54) e cebola (31,33%, para R$ 2,25). “Em 2016, os preços desses produtos estavam altos, o que estimulou o plantio neste ano. Só que a oferta aumentou muito, e os valores caíram. Isso é um ciclo vicioso que ocorre por falta de planejamento agrícola.” 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;