Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Para Marinho, houve campanha de ódio ao PT no Estado


Daniel Tossato

08/10/2018 | 07:00


 Fora do segundo turno, o ex-prefeito de São Bernardo e quarto colocado na disputa para o governo do Estado, Luiz Marinho (PT), culpou o que ele chamou de “campanha de ódio contra o PT” para explicar o resultado das urnas. Amargando mais uma derrota para o partido, Marinho atingiu 12,6% dos votos válidos, o equivalente a 2,5 milhões de sufrágios.

Embora não anunciando apoio explícito ao governador Márcio França (PSB), o ex-chefe do Executivo de São Bernardo indicou que ficará em trincheira oposta à de João Doria (PSDB). “Então, ter o Márcio França não deixa de ser um alívio. Agora vamos aguardar, vamos ver se ele vai querer nosso apoio. E vamos também conversar com a direção para não fazer um apoio individual. Vamos nos posicionar no segundo turno, agora, o homem sem palavra jamais”, disse.

O desempenho de Marinho foi um dos mais tímidos entre os candidatos do PT ao governo do Estado na história do partido. Em 2002, José Genoino (PT) obteve 32,4% dos votos válidos, mas perdeu para o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB). Em 2006 foi a vez de Aloizio Mercadante ser derrotado também por José Serra (PSDB), no primeiro turno, com 31,68%.

Em 2010 Mercadante obteve 35,2% das intenções de voto e perdeu novamente para Alckmin. O ex-governador tucano venceu novamente em 2014, quando bateu o ex-ministro da Saúde do governo Dilma Rousseff Alexandre Padilha (PT), que obteve 18,2% dos votos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Para Marinho, houve campanha de ódio ao PT no Estado

Daniel Tossato

08/10/2018 | 07:00


 Fora do segundo turno, o ex-prefeito de São Bernardo e quarto colocado na disputa para o governo do Estado, Luiz Marinho (PT), culpou o que ele chamou de “campanha de ódio contra o PT” para explicar o resultado das urnas. Amargando mais uma derrota para o partido, Marinho atingiu 12,6% dos votos válidos, o equivalente a 2,5 milhões de sufrágios.

Embora não anunciando apoio explícito ao governador Márcio França (PSB), o ex-chefe do Executivo de São Bernardo indicou que ficará em trincheira oposta à de João Doria (PSDB). “Então, ter o Márcio França não deixa de ser um alívio. Agora vamos aguardar, vamos ver se ele vai querer nosso apoio. E vamos também conversar com a direção para não fazer um apoio individual. Vamos nos posicionar no segundo turno, agora, o homem sem palavra jamais”, disse.

O desempenho de Marinho foi um dos mais tímidos entre os candidatos do PT ao governo do Estado na história do partido. Em 2002, José Genoino (PT) obteve 32,4% dos votos válidos, mas perdeu para o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB). Em 2006 foi a vez de Aloizio Mercadante ser derrotado também por José Serra (PSDB), no primeiro turno, com 31,68%.

Em 2010 Mercadante obteve 35,2% das intenções de voto e perdeu novamente para Alckmin. O ex-governador tucano venceu novamente em 2014, quando bateu o ex-ministro da Saúde do governo Dilma Rousseff Alexandre Padilha (PT), que obteve 18,2% dos votos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;