Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Turquia impõe virgindade a alunas de escolas médicas


Das Agências

16/07/2001 | 12:23


O Ministério turco da Saúde adotou um novo código disciplinar que impõe a virgindade às alunas das escolas médicas, sob a ameaça de ser expulsas.

O novo regulamento proíbe às alunas das Escolas de Saúde, que prestam um ensino técnico às jovens de entre 13 e 17 anos, "manter relações sexuais e prostituir-se", segundo o jornal Harriyet.

Em caso de suspeita, as alunas poderão ser submetidas a um "teste de virgindade" e se o "impudor" for constatado, serão expulsas, assinala o jornal, que critica esta decisão, alegando que "abre o caminho para a arbitrariedade".

O jornal acusa o ministro da Saúde, Osman Durmus, membro do Partido de Ação Nacionalista, de querer tornar-se "guardião da virgindade".

Pelo novo regulamento, as alunas expulsas jpor "atitude indecente" não terão direito de recorrer contra a decisão, que será adotada por um conselho especial, precisa o jornal Radikal.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Turquia impõe virgindade a alunas de escolas médicas

Das Agências

16/07/2001 | 12:23


O Ministério turco da Saúde adotou um novo código disciplinar que impõe a virgindade às alunas das escolas médicas, sob a ameaça de ser expulsas.

O novo regulamento proíbe às alunas das Escolas de Saúde, que prestam um ensino técnico às jovens de entre 13 e 17 anos, "manter relações sexuais e prostituir-se", segundo o jornal Harriyet.

Em caso de suspeita, as alunas poderão ser submetidas a um "teste de virgindade" e se o "impudor" for constatado, serão expulsas, assinala o jornal, que critica esta decisão, alegando que "abre o caminho para a arbitrariedade".

O jornal acusa o ministro da Saúde, Osman Durmus, membro do Partido de Ação Nacionalista, de querer tornar-se "guardião da virgindade".

Pelo novo regulamento, as alunas expulsas jpor "atitude indecente" não terão direito de recorrer contra a decisão, que será adotada por um conselho especial, precisa o jornal Radikal.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;