Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 28 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

'Máfia do Óbito': três são indiciados pela Polícia Civil


Sérgio Vieira
Do Diário do Grande ABC

09/08/2005 | 08:22


O delegado titular de São Caetano, Adilson da Silva Aquino, indiciou nesta segunda-feira o médico-cardiologista Eduardo Agostini por falsidade ideológica (artigo 299 do Código Penal), por ter assinado falsa declaração de óbito. Também foram indiciados como co-autores no crime o dono da funerária São Paulo, Maurílio Teixeira Martins, e o gerente da empresa, Pedro Azevedo Gazani.

O relatório final do delegado deve ficar pronto em 15 dias, quando será enviado à Justiça. Adilson ainda vai ouvir a funcionária de Agostini, Ana Maria Cherutti Battaggia. Também irá aguardar o resultado da sindicância realizada pela Corregedoria da Prefeitura. Em menos de um ano, este é o segundo indiciamento criminal de Agostini por falsificação de atestado de óbito.

Na última sexta-feira, a 4ª promotora de Justiça de Santo André, Iussara Brandão de Almeida, ofereceu denúncia por falsidade ideológica contra o médico. Agostini também é acusado de assinar declaração de óbito, em fevereiro de 2004, da aposentada Dulce Simplício de Arruda, sem ver o corpo, que estava no Hospital Municipal de Santo André. A polícia de Santo André havia indiciado o cardiologista em setembro do ano passado. Ainda foram denunciados pela promotoria o vendedor da funerária Abcel, de São Caetano, Marcelo Aparecido de Lyra – que intermediou a negociação com a família de Dulce – o outro funcionário da empresa, João Celso Filipini, que acompanhou Lyra no Pronto-Socorro Municipal de São Caetano para retirar a declaração de óbito em branco, além de Marcelo Foltran, sócio da Abcel, que autorizou o vendedor a realizar o negócio com a família. O outro sócio da Abcel, Domingos Sávio Roggério e as secretárias do cardiologista, Cristina Salas Salvo Quirino e Ana Maria Cherutti Battaggia também foram indiciados por falso testemunho no inquérito que investigou o caso.

No último dia 27, o Diário comprovou a ação da 'Máfia do Óbito' em São Caetano. A reportagem comprou falsa declaração, assinada por Agostini e intermediada pelo gerente da funerária, Pedro Azevedo Gazani. A negociação – realizada no interior da funerária – foi autorizada pelo dono da empresa, Maurílio Martins, com quem Pedro manteve contato telefônico por duas vezes naquela noite. Para isso, a reportagem pagou R$ 200, que o médico chamou de "consulta".

Na sexta-feira, Agostini prestou depoimento à Polícia, logo após depôr à Corregedoria da Prefeitura. Inicialmente marcada para sexta, o delegado remarcou a oitiva para esta segunda-feira à tarde, mesmo assim Agostini compareceu antecipadamente à delegacia, acompanhado do advogado Mauro Wilson Alves da Cunha. O médico confirmou que assinou a declaração de óbito em sua residência e que para isso cobrou R$ 200. Ele também disse que orientou Pedro a retirar a declaração de óbito em branco no PS de São Caetano.

Nesta segunda-feira, o médico voltou à delegacia para coleta de assinatura, que será enviada ao IC (Instituto de Criminalística), onde será feito exame grafotécnico com a declaração falsa de óbito. A gravação feita pelo Diário também foi enviada ao IC para análise. O laudo deve ficar pronto em 20 dias. Agostini novamente não quis dar entrevista. Perguntado sobre o que achava da decisão do Ministério Público de Santo André, que o denunciou pelo mesmo crime, foi lacônico: "Eu não vi."

A explicação dada por Agostini ao delegado Adilson Aquino é que assinou a declaração de óbito para facilitar o traslado do corpo que, segundo história contada pelo Diário, estaria em Ribeirão Pires. Ele ainda disse que quando o corpo chegasse iria realizar exame visual. Porém, em nenhum momento, Agostini disse ao Diário que gostaria de ver o corpo quando estivesse em São Caetano.

Os advogados de Eduardo Agostini e Maurílio Teixeira foram procurados para comentar a decisão do delegado de São Caetano. Mauro Wilson Alves da Cunha, defensor do cardiologista, não foi localizado em seu escritório e José Vilmar da Silva, da parte de Maurílio, disse que o sigilo profissional o impedia de tecer comentários sobre o caso. Maurílio novamente criticou a cobertura do caso e reafirmou que não cometeu crime algum, já que, segundo ele, não assinou nenhum documento ou prestou algum serviço à reportagem.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;