Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Gorbachov diz que papa teve 'papel enorme no fim da Guerra Fria'


Da AFP

03/04/2005 | 12:09


Mikhail Gorbachov, o último presidente da União Soviética, afirmou que o papa João Paulo II "desempenhou um enorme papel para o fim da Guerra Fria" e foi o "humanista número um deste planeta".

"Para mim, João Paulo II desempenhou enorme um papel para o fim da Guerra Fria. Nenhum conflito escapava à sua atenção", disse Gorbachov, citado neste domingo pela agência Interfax. "Fosse qual fosse o momento de nossos encontros, falávamos abertamente sobre temas essenciais. Ele queria estar informado da vida na União Soviética e, em seguida, na Rússia, apoiava as reformas democráticas em nosso país, e saudou nosso papel no desenvolvimento da democracia na Europa do Leste", disse o ex-dirigente.

"Apesar disso, (João Paulo II) se queixou que os países da Europa Central, após terem acabado com seus regimes totalitários, tenham ficado presos ao materialismo do mercado", acrescentou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Gorbachov diz que papa teve 'papel enorme no fim da Guerra Fria'

Da AFP

03/04/2005 | 12:09


Mikhail Gorbachov, o último presidente da União Soviética, afirmou que o papa João Paulo II "desempenhou um enorme papel para o fim da Guerra Fria" e foi o "humanista número um deste planeta".

"Para mim, João Paulo II desempenhou enorme um papel para o fim da Guerra Fria. Nenhum conflito escapava à sua atenção", disse Gorbachov, citado neste domingo pela agência Interfax. "Fosse qual fosse o momento de nossos encontros, falávamos abertamente sobre temas essenciais. Ele queria estar informado da vida na União Soviética e, em seguida, na Rússia, apoiava as reformas democráticas em nosso país, e saudou nosso papel no desenvolvimento da democracia na Europa do Leste", disse o ex-dirigente.

"Apesar disso, (João Paulo II) se queixou que os países da Europa Central, após terem acabado com seus regimes totalitários, tenham ficado presos ao materialismo do mercado", acrescentou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;