Fechar
Publicidade

Domingo, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Alckmin obstrui gestão do PFL na Assembléia


Roney Domingos
Do Diário do Grande ABC

28/06/2005 | 08:22


Deputados aliados ao governador Geraldo Alckmin (PSDB) obstruem a ação da direção da Assembléia Legislativa para impedir que o presidente Rodrigo Garcia (PFL) – eleito em março com apoio da oposição – cumpra promessas de campanha, entre elas, a criação de CPIs (Comissões Parlamentares de Inquérito) e aprovação de projetos individuais dos parlamentares. O primeiro secretário da mesa, Fausto Figueira (PT), explicou que são abortadas todas as tentativas de garantir mais autonomia. Além das mais de 50 CPIs que aguardam na fila, a Assembléia acumula 2 mil projetos de lei de autoria dos deputados prontos para serem votados e pelo menos 200 vetos do governador a propostas aprovadas pelo Legislativo.

Garcia é aliado histórico do governador, mas em março apresentou candidatura própria e venceu a eleição para suceder Sidney Beraldo (PSDB). O governo manteve maioria parlamentar, mas perdeu a mesa diretora. Agora, todos os projetos que a mesa encaminha são barrados pela base governista, que tem aproximadamente 57 dos 94 deputados. Garcia tem ao seu lado as bancadas do PT, PCdoB e parte do PFL e do PSB.

Governistas acusam Garcia de tentar atropelar o colégio de líderes – instância onde normalmente são fechados os acordos da maioria. As reuniões do grupo estão esvaziadas desde março. Aliados do presidente afirmam que a bancada governista ainda vive clima de revanche porque não engoliu a derrota na eleição para a presidência. “Tradicionalmente poucos deputados decidiam a vida da Assembléia. O presidente reuniu o colégio de líderes algumas vezes e, na medida em que não houve consenso, se dirigiu diretamente aos deputados. Agora quem obstrui é o governo”, diz Figueira. “Alguns chegam ao cúmulo de obstruir os próprios projetos”, afirma.

Vice-líder do governo, o deputado Milton Flávio (PSDB) afirma que a busca de entendimento por uma pauta comum foi abandonada há mais de um mês. “Infelizmente a presidência suspendeu o colégio de líderes que era uma câmara onde os acordos podem ser construídos. Por causa disso, a discussão acontece no plenário. E no plenário é difícil fechar acordo”. Flávio afirma que Garcia passou por cima do colégio de líderes porque, para ganhar a presidência, assumiu compromissos que entendia possíveis de ser cumpridos sem o apoio dos demais líderes. “O presidente está em posição de isolamento por não querer respeitar um instrumento que a Casa considera adequado. E tem um cronograma de aprovação de medidas que serviram de base para sua plataforma. Na verdade isso nunca dependeu da vontade do presidente. Só consegue por meio do diálogo”.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Alckmin obstrui gestão do PFL na Assembléia

Roney Domingos
Do Diário do Grande ABC

28/06/2005 | 08:22


Deputados aliados ao governador Geraldo Alckmin (PSDB) obstruem a ação da direção da Assembléia Legislativa para impedir que o presidente Rodrigo Garcia (PFL) – eleito em março com apoio da oposição – cumpra promessas de campanha, entre elas, a criação de CPIs (Comissões Parlamentares de Inquérito) e aprovação de projetos individuais dos parlamentares. O primeiro secretário da mesa, Fausto Figueira (PT), explicou que são abortadas todas as tentativas de garantir mais autonomia. Além das mais de 50 CPIs que aguardam na fila, a Assembléia acumula 2 mil projetos de lei de autoria dos deputados prontos para serem votados e pelo menos 200 vetos do governador a propostas aprovadas pelo Legislativo.

Garcia é aliado histórico do governador, mas em março apresentou candidatura própria e venceu a eleição para suceder Sidney Beraldo (PSDB). O governo manteve maioria parlamentar, mas perdeu a mesa diretora. Agora, todos os projetos que a mesa encaminha são barrados pela base governista, que tem aproximadamente 57 dos 94 deputados. Garcia tem ao seu lado as bancadas do PT, PCdoB e parte do PFL e do PSB.

Governistas acusam Garcia de tentar atropelar o colégio de líderes – instância onde normalmente são fechados os acordos da maioria. As reuniões do grupo estão esvaziadas desde março. Aliados do presidente afirmam que a bancada governista ainda vive clima de revanche porque não engoliu a derrota na eleição para a presidência. “Tradicionalmente poucos deputados decidiam a vida da Assembléia. O presidente reuniu o colégio de líderes algumas vezes e, na medida em que não houve consenso, se dirigiu diretamente aos deputados. Agora quem obstrui é o governo”, diz Figueira. “Alguns chegam ao cúmulo de obstruir os próprios projetos”, afirma.

Vice-líder do governo, o deputado Milton Flávio (PSDB) afirma que a busca de entendimento por uma pauta comum foi abandonada há mais de um mês. “Infelizmente a presidência suspendeu o colégio de líderes que era uma câmara onde os acordos podem ser construídos. Por causa disso, a discussão acontece no plenário. E no plenário é difícil fechar acordo”. Flávio afirma que Garcia passou por cima do colégio de líderes porque, para ganhar a presidência, assumiu compromissos que entendia possíveis de ser cumpridos sem o apoio dos demais líderes. “O presidente está em posição de isolamento por não querer respeitar um instrumento que a Casa considera adequado. E tem um cronograma de aprovação de medidas que serviram de base para sua plataforma. Na verdade isso nunca dependeu da vontade do presidente. Só consegue por meio do diálogo”.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;