Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 30 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Seis métodos testam a Covid-19

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Anvisa validou todas metodologias disponíveis; na região, exames rápidos e RT-PCR são os mais usados para confirmação da doença


Bia Moço
Do Diário do Grande ABC

04/04/2020 | 04:14


A cada dia a Covid-19 se mostra mais letal no Brasil, somando 9.216 casos e 365 mortes – só na região são 170 pacientes e 12 óbitos. No entanto, não são só as estatísticas que evoluíram de maneira rápida, mas a possibilidade de testes também. Atualmente, o País conta com seis metodologias validadas e aprovadas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), entretanto, dois tipos de exames são mais comuns para confirmação da doença, o RT-PCR, feito através de secreções nasais ou da garganta – o método detecta a presença do vírus no organismo –, e o teste rápido, feito pelo sangue ou através de secreção nasal – a análise demonstra os anticorpos quando o paciente tem a doença recente e se contraiu em algum momento.

A infectologista e docente do curso de medicina da USCS (Universidade Municipal de São Caetano) Lena Peres explicou que o chamado RT-PCR identifica o vírus quando a doença está agindo no organismo do paciente. “Será usado para casos graves e em vigilância sentinela, ou seja, para saber da circulação do vírus”. Já os testes rápidos, segundo a especialista, buscam a resposta do sistema imunológico na passagem do vírus. “Serão usados principalmente para profissionais de saúde, garantindo a segurança e proteção deles”, reforçou Lena.

A médica afirma que cada teste tem o seu uso ideal e, portanto, não se pode dizer qual dos dois é o mais eficaz. “Os testes rápidos podem apresentar falsos negativos, ou seja, cerca de 25% dos casos que derem negativos, podem, depois, apresentar a doença, pois o corpo leva um tempo para detectar a imunidade. Mas em 75% dos casos ele (o teste) acerta. Sempre será melhor ter um teste do que não ter nenhum”, sintetizou.

Farmacêutico bioquímico e gerente de produção do Grupo São Marcos – responsável pelos laboratórios LabHormon e Laborfase –, Diogo Coelho explicou que até o início do mês de março só estavam disponíveis exames de metodologia RT-PCR, como os utilizados pelo grupo. “Recentemente começaram a ser disponibilizados testes imunológicos ou de sorologia”, explicou.

O especialista ressalta que os exames rápidos são feitos de dois modos. “No sorológico o resultado é baseado na reação entre pequenas partes específicas do vírus, presentes no teste, e anticorpos produzidos pelo corpo humano contra a doença, que aparecem na amostra de sangue”, explicou Coelho. “Já o antigênico é utilizado para detectar na amostra de secreção, através da reação com anticorpos presentes no teste”, comparou.

O especialista comentou os outros tipos de exames validados pela Anvisa, chamados Elisa, Imunofluorescência e Quimioluminescência. “Os testes têm os mesmos princípios dos rápidos, a diferença é que no Elisa a detecção é pela cor; o Imunofluorescência, pela emissão de luz ultravioleta; e o Quimioluminescência, pela emissão de luz visível” frisou Coelho. 


Consórcio deve entregar exames até o fim do mês

O Consórcio Intermunicipal do Grande ABC está adquirindo 1 milhão de kits de exames para confirmação da Covid-19, do método conhecido como ‘teste rápido’. A previsão da entidade é a de que os itens sejam distribuídos entre as sete cidades da região até o fim deste mês.

Em videoconferência realizada ontem com os sete secretários de finanças dos municípios, os chefes das pastas garantiram que, segunda-feira, o valor para compra dos kits será repassado para a entidade através do Fundo Municipal de Saúde das prefeituras. Após efetuado o pedido, o material deve ser entregue em até 15 dias.

Segundo o Consórcio, o modelo de exame escolhido tem como objetivo analisar o vírus por meio da detecção de anticorpos. O investimento da entidade será de aproximadamente R$ 5 milhões e será suficiente para analisar a situação de 36% da população do Grande ABC, composta por cerca de 2,8 milhões de habitantes.

Os testes são da marca One Step Covid-19 Test, aprovado pela Anvisa e validado pelos secretários de saúde dos sete municípios consorciados por meio do GT (Grupo de Trabalho) de Saúde.

A entidade explicou que o teste escolhido é qualitativo e auxilia na triagem e diagnóstico de pacientes suspeitos de infecção, o que considera ser indispensável ao controle epidemiológico. Em nota, o Consórcio afirmou que, “desta forma, em poucas etapas é possível identificar ainda pacientes assintomáticos”.

Conforme já divulgado pelo Diário, o material será dividido proporcionalmente conforme o número de habitantes de cada município. Assim São Bernardo terá direito a 300.708 kits. Depois seguem Santo André, com 255 mil; Mauá, com 169.510; Diadema, com 151.937; São Caetano, com 57.754; Ribeirão Pires, com 44.229; e, por último, Rio Grande da Serra, com 18.255. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;