Fechar
Publicidade

Sábado, 22 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Indústria de Beleza e higiene faturam mais no 1º semestre



13/07/2004 | 23:42


Os resultados do segmento químico de higiene e beleza, cosméticos e perfumes surpreendem no 1º semestre deste ano. E provocam a revisão para cima das estimativas iniciais. De acordo com o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), João Carlos Basílio da Silva, houve um crescimento acumulado no ano de 13% em volume e de 20% em valor, em relação ao desempenho de 2003. ''Isso significa que nossas estimativas foram quase duplicadas'', diz o executivo.

Parte da alta deve-se à recuperação ante o 1º semestre do ano passado, considerado fraco. Só no subsegmento de higiene pessoal, foi registrado um crescimento das vendas acima dos 11%, e de valor líquido, de 16,5%, em relação ao 1º semestre de 2003. As previsões no início do ano eram de 7% a 8% em volume, e de 12% a 13% em valor. Porém, devido ao 2º semestre forte em 2003, o desempenho nestes últimos seis meses do ano deverá ser em índice muito menor do que no 1º semestre, em torno de 5% a 7%. Em 2003, as vendas em volume dessa categoria recuaram 2,39% e em valor aumentaram 17,45%.

A alta de vendas em volume não se deve à formação de estoques pelo varejo. João Carlos explica que, a indústria tem pronta entrega de pedidos, uma exigência do varejo, que não possui recursos para sustentar o alto custo do capital de giro. O subsegmento que serve como termômetro para a indústria de higiene e beleza é o de perfumaria, pois são raros os produtos que não possuem fragrâncias. ''E o segmento de fragrâncias recebeu encomendas este mês acima do que foi projetado'', informa o empresário.

O subsegmento que mais surpreendeu foi o de cosméticos.Para ele, estimava-se alta de 13% a 16% em volume em comparação ao 1º semestre de 2003, e o crescimento fechou em 49,30%. Em valor, as vendas foram 35,8% superiores às dos primeiros seis meses do ano passado. A projeção inicial para o acumulado deste ano era de acréscimo entre 20% e 22% nas vendas em valor, estimativa revisada para 25%, enquanto em volume deverá haver incremento de 10% a 12%.

Outro destaque é o subsegmento das tinturas para cabelos, que deram um salto de 130% nas vendas em volume em relação ao 1º semestre de 2003.''Esperávamos um crescimento maior em valor e menor em volume. O desempenho mostra que o consumidor vem trocando produtos mais caros pelos populares, que aumentam sua fatia de market share'', considera o presidente da Abihpec.

A perfumaria também teve resultados acima das expectativas. O setor previa um crescimento de 10% a 12% em volume, e de 16% a 17% em valor líquido. Só que as vendas em volume fecharam em 24,08% acima das efetivadas de janeiro a junho de 2003, e em valor foram 23,32% superiores.

Silva estima que o volume de vendas deverá cair no 2º semestre, devido à forte base de comparação em igual período do ano passado. Por isso, a previsão anual fica em crescimento de 12% em volume e de 22% a 25% em receita líquida, frente a 2003.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;