Fechar
Publicidade

Domingo, 19 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Gangue de meninas é acusada de espancar colega na saída da escola


Luciano Cavenagui
Do Diário do Grande ABC

14/04/2005 | 13:11


Uma estudante de 13 anos foi espancada quarta-feira por grupo de 15 garotas na saída da escola, em Santo André. Suposto motivo: vingança por um simples esbarrão cometido pela vítima terça-feira em uma colega. A garota agredida sofreu diversas escoriações e está internada no Pronto-Socorro do Centro Hospitalar Municipal de Santo André, sem risco de morte.

A vítima e pelo menos três agressoras estudam na Escola Estadual Doutor Carlos de Campos, localizada na avenida Queirós Filho, na Vila América. A Secretaria Estadual de Educação afirmou que vai apurar o caso por meio de um relatório e as alunas suspeitas podem ser expulsas.

A garota agredida cursa a 8ªsérie do ensino fundamental. Segundo informações da polícia e da mãe da menina, a faxineira R.A.G.D., 37 anos, três garotas que também estudam na escola teriam planejado as agressões e chamado amigas moradoras do bairro Centreville para atacar a vítima. Até quarta-feira à noite, a polícia não havia localizado as suspeitas.

A mãe da vítima disse que foi informada por algumas amigas da filha que ela havia esbarrado em uma das três garotas suspeitas terça-feira, no intervalo das aulas.

A vítima teria ouvido diversos palavrões e ataques pessoais. “Disseram para minha filha que o esbarrão não iria ficar impune. Acho que ela não poderia imaginar que tomariam uma atitude tão selvagem”, conta a mãe.

O espancamento ocorreu ao meio-dia de quarta-feira, no término das aulas do período matutino. A filha da faxineira ia embora para casa quando, em uma rua próxima, foi surpreendida pelas agressoras na esquina da avenida Queirós Filho com rua Gravatá.

O grupo cercou a garota e começou a dar socos e pontapés. “Ela apanhou tanto que chegou até a urinar na calça. Foi humilhante. Isso não se faz nem com um cachorro”, relata a mãe.

Após alguns minutos, um carro da Ronda Escolar da Polícia Militar se aproximou e o grupo de meninas se dispersou e fugiu. A garota agredida foi socorrida pelos policiais.

O caso foi registrado no 3º DP de Santo André como agressão corporal dolosa (com intenção). “Precisamos encontrar as supostas agressoras e apurar a participação real de cada uma delas”, afirma o delegado Alberto José Mesquita Alves.

A assessoria de imprensa da Secretaria Estadual da Educação diz que um supervisor da Diretoria de Ensino de Santo André irá fazer relatório e encaminhá-lo à Cogsp (Coordenadoria de Ensino da Região Metropolitana da Grande São Paulo), dentro de, no máximo, uma semana.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Gangue de meninas é acusada de espancar colega na saída da escola

Luciano Cavenagui
Do Diário do Grande ABC

14/04/2005 | 13:11


Uma estudante de 13 anos foi espancada quarta-feira por grupo de 15 garotas na saída da escola, em Santo André. Suposto motivo: vingança por um simples esbarrão cometido pela vítima terça-feira em uma colega. A garota agredida sofreu diversas escoriações e está internada no Pronto-Socorro do Centro Hospitalar Municipal de Santo André, sem risco de morte.

A vítima e pelo menos três agressoras estudam na Escola Estadual Doutor Carlos de Campos, localizada na avenida Queirós Filho, na Vila América. A Secretaria Estadual de Educação afirmou que vai apurar o caso por meio de um relatório e as alunas suspeitas podem ser expulsas.

A garota agredida cursa a 8ªsérie do ensino fundamental. Segundo informações da polícia e da mãe da menina, a faxineira R.A.G.D., 37 anos, três garotas que também estudam na escola teriam planejado as agressões e chamado amigas moradoras do bairro Centreville para atacar a vítima. Até quarta-feira à noite, a polícia não havia localizado as suspeitas.

A mãe da vítima disse que foi informada por algumas amigas da filha que ela havia esbarrado em uma das três garotas suspeitas terça-feira, no intervalo das aulas.

A vítima teria ouvido diversos palavrões e ataques pessoais. “Disseram para minha filha que o esbarrão não iria ficar impune. Acho que ela não poderia imaginar que tomariam uma atitude tão selvagem”, conta a mãe.

O espancamento ocorreu ao meio-dia de quarta-feira, no término das aulas do período matutino. A filha da faxineira ia embora para casa quando, em uma rua próxima, foi surpreendida pelas agressoras na esquina da avenida Queirós Filho com rua Gravatá.

O grupo cercou a garota e começou a dar socos e pontapés. “Ela apanhou tanto que chegou até a urinar na calça. Foi humilhante. Isso não se faz nem com um cachorro”, relata a mãe.

Após alguns minutos, um carro da Ronda Escolar da Polícia Militar se aproximou e o grupo de meninas se dispersou e fugiu. A garota agredida foi socorrida pelos policiais.

O caso foi registrado no 3º DP de Santo André como agressão corporal dolosa (com intenção). “Precisamos encontrar as supostas agressoras e apurar a participação real de cada uma delas”, afirma o delegado Alberto José Mesquita Alves.

A assessoria de imprensa da Secretaria Estadual da Educação diz que um supervisor da Diretoria de Ensino de Santo André irá fazer relatório e encaminhá-lo à Cogsp (Coordenadoria de Ensino da Região Metropolitana da Grande São Paulo), dentro de, no máximo, uma semana.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;