Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Candidata francesa reforça sua campanha com Lionel Jospin


Da AFP

23/02/2007 | 12:51


A candidata socialista à presidência da França, Segolene Royal, surpreendeu ao integrar em sua equipe o ex-primeiro-ministro Lionel Jospin, que, junto com outras personalidades de seu partido até agora mantidas à distância, deve reforçar sua campanha.

A dois meses do primeiro turno das eleições presidenciais, Royal anunciou na quinta-feira à noite a nomeação de uma "equipe de pacto presidencial" formada por 13 pessoas, entre elas os dois adversários derrotados nas primárias de seu partido, Dominique Strauss-Kahn e Laurent Fabius.

A candidata socialista havia anunciado há dias a incorporação desses nomes de peso em sua campanha, depois que seu assessor financeiro, Eric Besson, apresentou sua demissão e abandonou posteriormente o partido por uma série de discrepâncias.

No entanto, a chegada de Jospin - até então inimigo acirrado de Royal, cuja campanha classificou de "demagoga" e "fútil" - à campanha causou uma grande surpresa. A derrota do ex-primeiro-ministro socialista no primeiro turno das eleições presidenciais de 2002 para o líder de extrema-direita xenófoba Jean Marie Le Pen representou um terremoto político sem precedentes na França.

Jospin tentou voltar ao primeiro plano político visando as próximas eleições, mas fracassou em obter o apoio dos "elefantes" de seu partido, como é conhecida a hierarquia socialista.

Sua integração à campanha de Royal pode, no entanto, ser usada pela candidata para rebater as acusações de que é inexperiente e falta coerência em suas propostas econômicas.

"Todo mundo está unido nessa fase decisiva da campanha", celebrou Royal, que chegou a esta decisão depois de 28 pesquisas desfavoráveis. As últimas duas pesquisas, depois de sua aparição televisiva de segunda-feira, na qual respondeu ao vivo às perguntas dos franceses, dão a Royal 49% dos votos frente aos 51% para o ministro do Interior, Nicolas Sarkozy, candidato oficial da UMP (União por um Movimento Popular). A porcentagem passa para 48% a 52%, respectivamente, no segundo turno.

As novas incorporações à campanha socialista, no entanto, desencadearam a ironia dos conservadores. "É a volta do grande desfile dos elefantes do PS", afirmou o líder da UMP, Laurent Wauquiez.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Candidata francesa reforça sua campanha com Lionel Jospin

Da AFP

23/02/2007 | 12:51


A candidata socialista à presidência da França, Segolene Royal, surpreendeu ao integrar em sua equipe o ex-primeiro-ministro Lionel Jospin, que, junto com outras personalidades de seu partido até agora mantidas à distância, deve reforçar sua campanha.

A dois meses do primeiro turno das eleições presidenciais, Royal anunciou na quinta-feira à noite a nomeação de uma "equipe de pacto presidencial" formada por 13 pessoas, entre elas os dois adversários derrotados nas primárias de seu partido, Dominique Strauss-Kahn e Laurent Fabius.

A candidata socialista havia anunciado há dias a incorporação desses nomes de peso em sua campanha, depois que seu assessor financeiro, Eric Besson, apresentou sua demissão e abandonou posteriormente o partido por uma série de discrepâncias.

No entanto, a chegada de Jospin - até então inimigo acirrado de Royal, cuja campanha classificou de "demagoga" e "fútil" - à campanha causou uma grande surpresa. A derrota do ex-primeiro-ministro socialista no primeiro turno das eleições presidenciais de 2002 para o líder de extrema-direita xenófoba Jean Marie Le Pen representou um terremoto político sem precedentes na França.

Jospin tentou voltar ao primeiro plano político visando as próximas eleições, mas fracassou em obter o apoio dos "elefantes" de seu partido, como é conhecida a hierarquia socialista.

Sua integração à campanha de Royal pode, no entanto, ser usada pela candidata para rebater as acusações de que é inexperiente e falta coerência em suas propostas econômicas.

"Todo mundo está unido nessa fase decisiva da campanha", celebrou Royal, que chegou a esta decisão depois de 28 pesquisas desfavoráveis. As últimas duas pesquisas, depois de sua aparição televisiva de segunda-feira, na qual respondeu ao vivo às perguntas dos franceses, dão a Royal 49% dos votos frente aos 51% para o ministro do Interior, Nicolas Sarkozy, candidato oficial da UMP (União por um Movimento Popular). A porcentagem passa para 48% a 52%, respectivamente, no segundo turno.

As novas incorporações à campanha socialista, no entanto, desencadearam a ironia dos conservadores. "É a volta do grande desfile dos elefantes do PS", afirmou o líder da UMP, Laurent Wauquiez.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;