Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 21 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Na linha pop, 'Avatar' quer reeducar visão do público

Diretor fala da produção milionária que estreia sexta-
feira; longa de ficção científica se passa no ano de 2154



16/12/2009 | 07:00


Em conversa com a imprensa mundial há alguns dias, James Cameron ouviu de uma jornalista: "Vejo em seu filme traços de muitos outros filmes. Vejo traços de "Pocahontas", de "westerns", de "Titanic", de "Exterminador do Futuro". O que você acha disso?"

Como acontece em conversas com centenas de jornalistas que fazem parte das campanhas mastodônticas de lançamentos de filmes mais mastodônticos ainda, Cameron não respondeu. Rebateu: "Você pode achar o que quiser. É sua opinião. Cada um vê como bem entende. Eu conto a história que quero contar."

Pode não ter sido a resposta esperada, mas a pergunta procedia. Há muito o que se ver em "Avatar", a história da nativa que vê alienígenas (ou seriam colonizadores?) invadirem sua terra e violarem todas as regras ecológicas de uma forma que faria os ecologistas de Copenhague terem pesadelos.

Há cenas de batalhas na floresta, que deixam a sensação de que Luke Skywalker vai sair de trás das árvores a qualquer momento. E, mais uma vez, é Sigourney Weaver quem encarna a pesquisadora que prefere tomar partido do ‘lado selvagem' da história. Também é possível enxergar a crítica ao imperialismo norte-americano, que loteia o mundo segundo seus interesses mercadológicos e - palavras do personagem coronel Miles Quaritch (Stephen Lang) - "combate terror com terror".

Em "Avatar", épico de ficção científica que se passa em 2154, Cameron conta um conto e agrega milhares de outros pontos. Tudo começa quando Jake Sully, um ex-marine que ficou paraplégico, é enviado a Pandora, uma lua que orbita o distante sistema estelar de Centauro. Sua tarefa é se infiltrar na comunidade nativa, os azuis Na'vi, seres de dez pés de altura, com rabos de cavalo e imensos olhos dourados, e ajudar os humanos a descobrir como explorar a fonte de unobtainium, um mineral raríssimo que pode resolver o problema de falta de energia na Terra.

Para ganhar a confiança do inimigo e descobrir como controlá-los, Jake ganha seu próprio avatar. Sua versão Na'vi é a mistura de seu DNA com a dos nativos. Mas, ao conhecer Neytiri (a Na'vi cuja missão é ensiná-lo a ser um dos azuis) Jake descobre que nem tudo é tão ‘preto no branco'. Ou melhor, que a fraternidade é azul.

Para contar esse drama de fantasia, os efeitos especiais em 3D são cruciais. Cameron é mestre em fazer os filmes mais caros da história. Assim o fez em "Exterminador do Futuro" e "Titanic". E assim o faz em "Avatar". A brincadeira custou nada menos que US$ 380 milhões. Suficiente para levar para as telas a sensação quase real de voar junto com Neytiri (Zoë Saldana) e Jake Sully (Sam Worthington) na terra de Pandora. Há algo de "O Abismo" (do próprio Cameron).

As florestas que brilham no escuro são perfeitas recriações ‘a seco' do fundo do mar e sua fluorescência. Ao ver as medusas (espíritos ancestrais) flutuarem no ar e pousarem nos braços do ‘escolhido' Jake, sabe-se já que um óculos 3D é imprescindível para melhor aproveitar a viagem que Cameron começou a conceber há quase 15 anos.

"Concordo que em 3D o filme é melhor. Se puder, vou fazer todos os meus próximos filmes com esta tecnologia. Mas não acho que a versão 2D perca muita coisa. Um filme bom é um filme bom e acho que o essencial da história está todo lá", respondeu o diretor, quando questionado sobre a técnica empregada.

Se 3D não é a ‘chave da questão', os efeitos visuais são, de qualquer forma, cruciais neste épico estelar. Transformar Zoë, Worthington, Sigourney, entre outros, em dois Na'vis é tarefa que até pouco tempo parecia impensável. "Esperei anos para ter esta tecnologia. Por isso, a história demorou tanto para ser contada. O segredo é combinar cenas reais, animações e, ao mesmo tempo, unir as duas para criar uma terceira realidade."

Para isso, Cameron utilizou tanto a tecnologia de criação de efeitos especiais quanto a milagrosa câmera virtual. "Essa câmera me permitiu filmar, e ver o que filmava, diretamente no mundo virtual já criado pelos técnicos de efeitos especiais. Então, quando eu filmava Zoë ou Sam, o que eu via na tela era Neytiri e o avatar de Jake", continua.

"Não queria criar animações em computador usando as expressões dos atores. Eu queria um híbrido, exatamente como no experimento do filme. O que fizemos foi passar esta camada de efeito sobre os próprios atores. Tudo ficou muito orgânico. A única liberdade que tivemos foi a de criar movimentos que os atores seriam incapazes de fazer, como mexer as caudas e as orelhas."

Por essas e por outras, que, como diz Worthington, "Avatar" não é um filme em que ele atuou, mas um filme que ele ‘experimentou'. No entanto, como bem observou Sigourney, muitas vezes diretores se esquecem de que efeitos especiais não devem existir somente para encher os olhos."Servem para contar melhor uma história incrível."

Após mais de duas horas de realidade virtual, conclui-se que este é um filme sobre ver. "É sobre como só vemos o que queremos e como tudo muda quando nos colocamos no lugar do outro. Vale tanto para outras culturas quanto para nosso próprio bairro. Precisamos aprender a ver além", concorda Cameron.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Na linha pop, 'Avatar' quer reeducar visão do público

Diretor fala da produção milionária que estreia sexta-
feira; longa de ficção científica se passa no ano de 2154


16/12/2009 | 07:00


Em conversa com a imprensa mundial há alguns dias, James Cameron ouviu de uma jornalista: "Vejo em seu filme traços de muitos outros filmes. Vejo traços de "Pocahontas", de "westerns", de "Titanic", de "Exterminador do Futuro". O que você acha disso?"

Como acontece em conversas com centenas de jornalistas que fazem parte das campanhas mastodônticas de lançamentos de filmes mais mastodônticos ainda, Cameron não respondeu. Rebateu: "Você pode achar o que quiser. É sua opinião. Cada um vê como bem entende. Eu conto a história que quero contar."

Pode não ter sido a resposta esperada, mas a pergunta procedia. Há muito o que se ver em "Avatar", a história da nativa que vê alienígenas (ou seriam colonizadores?) invadirem sua terra e violarem todas as regras ecológicas de uma forma que faria os ecologistas de Copenhague terem pesadelos.

Há cenas de batalhas na floresta, que deixam a sensação de que Luke Skywalker vai sair de trás das árvores a qualquer momento. E, mais uma vez, é Sigourney Weaver quem encarna a pesquisadora que prefere tomar partido do ‘lado selvagem' da história. Também é possível enxergar a crítica ao imperialismo norte-americano, que loteia o mundo segundo seus interesses mercadológicos e - palavras do personagem coronel Miles Quaritch (Stephen Lang) - "combate terror com terror".

Em "Avatar", épico de ficção científica que se passa em 2154, Cameron conta um conto e agrega milhares de outros pontos. Tudo começa quando Jake Sully, um ex-marine que ficou paraplégico, é enviado a Pandora, uma lua que orbita o distante sistema estelar de Centauro. Sua tarefa é se infiltrar na comunidade nativa, os azuis Na'vi, seres de dez pés de altura, com rabos de cavalo e imensos olhos dourados, e ajudar os humanos a descobrir como explorar a fonte de unobtainium, um mineral raríssimo que pode resolver o problema de falta de energia na Terra.

Para ganhar a confiança do inimigo e descobrir como controlá-los, Jake ganha seu próprio avatar. Sua versão Na'vi é a mistura de seu DNA com a dos nativos. Mas, ao conhecer Neytiri (a Na'vi cuja missão é ensiná-lo a ser um dos azuis) Jake descobre que nem tudo é tão ‘preto no branco'. Ou melhor, que a fraternidade é azul.

Para contar esse drama de fantasia, os efeitos especiais em 3D são cruciais. Cameron é mestre em fazer os filmes mais caros da história. Assim o fez em "Exterminador do Futuro" e "Titanic". E assim o faz em "Avatar". A brincadeira custou nada menos que US$ 380 milhões. Suficiente para levar para as telas a sensação quase real de voar junto com Neytiri (Zoë Saldana) e Jake Sully (Sam Worthington) na terra de Pandora. Há algo de "O Abismo" (do próprio Cameron).

As florestas que brilham no escuro são perfeitas recriações ‘a seco' do fundo do mar e sua fluorescência. Ao ver as medusas (espíritos ancestrais) flutuarem no ar e pousarem nos braços do ‘escolhido' Jake, sabe-se já que um óculos 3D é imprescindível para melhor aproveitar a viagem que Cameron começou a conceber há quase 15 anos.

"Concordo que em 3D o filme é melhor. Se puder, vou fazer todos os meus próximos filmes com esta tecnologia. Mas não acho que a versão 2D perca muita coisa. Um filme bom é um filme bom e acho que o essencial da história está todo lá", respondeu o diretor, quando questionado sobre a técnica empregada.

Se 3D não é a ‘chave da questão', os efeitos visuais são, de qualquer forma, cruciais neste épico estelar. Transformar Zoë, Worthington, Sigourney, entre outros, em dois Na'vis é tarefa que até pouco tempo parecia impensável. "Esperei anos para ter esta tecnologia. Por isso, a história demorou tanto para ser contada. O segredo é combinar cenas reais, animações e, ao mesmo tempo, unir as duas para criar uma terceira realidade."

Para isso, Cameron utilizou tanto a tecnologia de criação de efeitos especiais quanto a milagrosa câmera virtual. "Essa câmera me permitiu filmar, e ver o que filmava, diretamente no mundo virtual já criado pelos técnicos de efeitos especiais. Então, quando eu filmava Zoë ou Sam, o que eu via na tela era Neytiri e o avatar de Jake", continua.

"Não queria criar animações em computador usando as expressões dos atores. Eu queria um híbrido, exatamente como no experimento do filme. O que fizemos foi passar esta camada de efeito sobre os próprios atores. Tudo ficou muito orgânico. A única liberdade que tivemos foi a de criar movimentos que os atores seriam incapazes de fazer, como mexer as caudas e as orelhas."

Por essas e por outras, que, como diz Worthington, "Avatar" não é um filme em que ele atuou, mas um filme que ele ‘experimentou'. No entanto, como bem observou Sigourney, muitas vezes diretores se esquecem de que efeitos especiais não devem existir somente para encher os olhos."Servem para contar melhor uma história incrível."

Após mais de duas horas de realidade virtual, conclui-se que este é um filme sobre ver. "É sobre como só vemos o que queremos e como tudo muda quando nos colocamos no lugar do outro. Vale tanto para outras culturas quanto para nosso próprio bairro. Precisamos aprender a ver além", concorda Cameron.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;