Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 18 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Índia tem a maior delegação da Mercopar


Michele Loureiro
Enviada a Caxias do Sul

23/10/2009 | 07:00


Com cerca de 1,1 bilhão de habitantes e PIB (Produto Interno Bruto) de US$ 785 bilhões, a Índia - 12ª economia mundial - vem ao Brasil prospectar negócios e fazer intercâmbio de tecnologia na Mercopar (feira de subcontratação e inovação industrial), que termina hoje em Caxias do Sul (RS). Dos 527 expositores do evento, 130 são empresas indianas.

Para Aman Chadha, presidente da EEPC (Engineering Export Promotion Council), entidade responsável pela participação indiana no evento, a distância entre os países é apenas física, uma vez que as relações comerciais estão cada vez mais estreitas. "Cada expositor se preparou para apresentar um item diferente no evento. Não temos produtos repetidos na feira", diz. A linha indiana exposta na Mercopar vai de itens de ferragens para construção, passa por aparelhos de uso doméstico e apresenta produtos diversos de engenharia. "Esperamos vender nossa tecnologia aqui no Brasil, mas também queremos levar boas parcerias para a Índia", afirma Chadha.

Segundo o executivo, a Índia decidiu aceitar o convite de ser o país parceiro da 18ª edição da Mercopar porque percebeu a importância do Brasil no Mercosul. "Sabemos que 70% das importações feitas neste mercado vêm de países que não fazem parte do bloco econômico. Nós queremos uma fatia disso." Atualmente, a Índia responde por menos de 1% das importações do Mercosul. "Temos muito trabalho a fazer, pois nossos produtos são de categoria e qualidade internacional", diz Chadha.

O presidente da EEPC salienta que a Índia e o Brasil foram praticamente os únicos países que não sentiram a crise internacional de forma devastadora. Embora por lá o volume de negócios tenha sofrido quedas, ele disse que não houve falência de bancos como aconteceu em outros países.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Índia tem a maior delegação da Mercopar

Michele Loureiro
Enviada a Caxias do Sul

23/10/2009 | 07:00


Com cerca de 1,1 bilhão de habitantes e PIB (Produto Interno Bruto) de US$ 785 bilhões, a Índia - 12ª economia mundial - vem ao Brasil prospectar negócios e fazer intercâmbio de tecnologia na Mercopar (feira de subcontratação e inovação industrial), que termina hoje em Caxias do Sul (RS). Dos 527 expositores do evento, 130 são empresas indianas.

Para Aman Chadha, presidente da EEPC (Engineering Export Promotion Council), entidade responsável pela participação indiana no evento, a distância entre os países é apenas física, uma vez que as relações comerciais estão cada vez mais estreitas. "Cada expositor se preparou para apresentar um item diferente no evento. Não temos produtos repetidos na feira", diz. A linha indiana exposta na Mercopar vai de itens de ferragens para construção, passa por aparelhos de uso doméstico e apresenta produtos diversos de engenharia. "Esperamos vender nossa tecnologia aqui no Brasil, mas também queremos levar boas parcerias para a Índia", afirma Chadha.

Segundo o executivo, a Índia decidiu aceitar o convite de ser o país parceiro da 18ª edição da Mercopar porque percebeu a importância do Brasil no Mercosul. "Sabemos que 70% das importações feitas neste mercado vêm de países que não fazem parte do bloco econômico. Nós queremos uma fatia disso." Atualmente, a Índia responde por menos de 1% das importações do Mercosul. "Temos muito trabalho a fazer, pois nossos produtos são de categoria e qualidade internacional", diz Chadha.

O presidente da EEPC salienta que a Índia e o Brasil foram praticamente os únicos países que não sentiram a crise internacional de forma devastadora. Embora por lá o volume de negócios tenha sofrido quedas, ele disse que não houve falência de bancos como aconteceu em outros países.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;