Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 20 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Mesmo com baixa dos juros, cheque especial supera 150% ao ano



22/06/2009 | 07:00


Mensalmente, milhares de contas correntes mudam de cor. Dias após o pagamento do salário, o extrato bancário deixa de mostrar números positivos e passa para o vermelho até que o próximo salário seja depositado. É nesse intervalo que o cheque especial vira a salvação.

No fim de abril, brasileiros usavam R$ 18,05 bilhões do limite oferecido pelas instituições financeiras, no maior valor da história. Pior que estar devendo é pagar por esse crédito.

Mesmo com a taxa básica de juros em queda, pouca coisa mudou nos juros do cheque especial. Nos maiores bancos, ele segue acima de 150% ao ano.

Entre todas as linhas de crédito acompanhadas pelo Banco Central, o cheque tem o maior spread (diferença entre quanto o banco paga para quem aplica e quanto cobra de quem empresta). Em abril, o spread estava em 156,3 pontos percentuais. Na média de todos os financiamentos para famílias e empresas, a margem é de 28,2 pontos.

Na prática, quer dizer que um cliente que aplica R$ 100 no banco tem R$ 110,03 no fim de 12 meses. Na mão da instituição, esses R$ 100 são usados para cobrir o cheque especial de outro consumidor que, ao fim do mesmo período, tem de pagar R$ 266,30.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mesmo com baixa dos juros, cheque especial supera 150% ao ano


22/06/2009 | 07:00


Mensalmente, milhares de contas correntes mudam de cor. Dias após o pagamento do salário, o extrato bancário deixa de mostrar números positivos e passa para o vermelho até que o próximo salário seja depositado. É nesse intervalo que o cheque especial vira a salvação.

No fim de abril, brasileiros usavam R$ 18,05 bilhões do limite oferecido pelas instituições financeiras, no maior valor da história. Pior que estar devendo é pagar por esse crédito.

Mesmo com a taxa básica de juros em queda, pouca coisa mudou nos juros do cheque especial. Nos maiores bancos, ele segue acima de 150% ao ano.

Entre todas as linhas de crédito acompanhadas pelo Banco Central, o cheque tem o maior spread (diferença entre quanto o banco paga para quem aplica e quanto cobra de quem empresta). Em abril, o spread estava em 156,3 pontos percentuais. Na média de todos os financiamentos para famílias e empresas, a margem é de 28,2 pontos.

Na prática, quer dizer que um cliente que aplica R$ 100 no banco tem R$ 110,03 no fim de 12 meses. Na mão da instituição, esses R$ 100 são usados para cobrir o cheque especial de outro consumidor que, ao fim do mesmo período, tem de pagar R$ 266,30.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;