Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 20 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Indústria de bebida registra alta de 5% em abril



22/06/2009 | 07:00


Mais dinheiro no bolso dos consumidores e um verão ensolarado garantiram à indústria de bebidas um bom desempenho em meio à derrocada industrial.

Enquanto a produção industrial total do País despencou cerca de 15% em abril na comparação com o mesmo mês de 2008, o ano passado, os fabricantes de bebidas registraram alta de 5%, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O economista da coordenação de indústria do instituto, André Macedo, disse que o bom desempenho vem sendo puxado especialmente por produtos como cerveja e refrigerante, que registram expansões mensais em torno de 10% em comparação com o ano passado.

Ele atribui a expansão à manutenção de crescimento da renda, fator determinante para os resultados de bens de consumo não duráveis, como as bebidas.

O gerente de Relações com Investidores da AmBev, Michael Findlay, acredita que o desempenho da indústria de cerveja e refrigerantes tenha destoado tanto da indústria em geral nos primeiros meses deste ano porque esse é um segmento com maior estabilidade. "Quando a indústria cresce 20%, nunca acompanhamos esse patamar, mas também não caímos tanto em momentos de crise", afirmou.

Segundo Findlay, o aumento do salário mínimo, o clima favorável e o fato de o carnaval ter sido realizado duas semanas mais tarde do que o ano passado, prolongando as férias, foram determinantes para o bom desempenho do setor, mas o ‘fator renda' representou a principal influência positiva.

Ele avalia que o cenário ainda é positivo e só será alterado em caso de efeitos mais graves da crise no desemprego. No primeiro trimestre, as vendas de cerveja da AmBev subiram 7,6% em relação ao mesmo período de 2008, enquanto as vendas de refrigerantes cresceram 12,6%.

Setor prevê cenário positivo ao longo deste ano

O superintendente do Sindcerv (Sindicato da Indústria da Cerveja), Enio Rodrigues, disse que o consumo de cerveja no País tem crescido a cada ano e a tendência é de prosseguir, com o aumento da inclusão social.

O consumo per capita tem crescido desde 2004 e, no ano passado, houve alta em torno de 6%. Segundo os últimos dados disponíveis, de 2007, o consumo per capita anual do produto chega a 56 litros.

Hoje, o Brasil é o quarto maior produtor, com 10,34 bilhões de litros/ano. Só perde para a China (35 bilhões), Estados Unidos (23,6 bilhões) e Alemanha (10,7 bilhões).

A Coca-Cola Brasil também diz não ter sentido os efeitos da crise. Após uma expansão de 7% nas vendas em 2008, a empresa contabilizou incremento de 4% na comercialização de seus produtos no primeiro trimestre.

"O consumo de bebidas está muito ligado à renda das famílias. Apesar da crise, a renda não sofreu uma queda tão expressiva, que mudasse o hábito de nossos clientes", justifica Marco Simões, vice-presidente de comunicações e sustentabilidade da empresa.

Confiante na manutenção do crescimento do mercado, a empresa manteve seu plano de investimentos. Ao todo, o chamado Sistema Coca-Cola, investirá R$ 1,75 bilhão em 2009, volume 16,6% superior ao ano passado.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Indústria de bebida registra alta de 5% em abril


22/06/2009 | 07:00


Mais dinheiro no bolso dos consumidores e um verão ensolarado garantiram à indústria de bebidas um bom desempenho em meio à derrocada industrial.

Enquanto a produção industrial total do País despencou cerca de 15% em abril na comparação com o mesmo mês de 2008, o ano passado, os fabricantes de bebidas registraram alta de 5%, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O economista da coordenação de indústria do instituto, André Macedo, disse que o bom desempenho vem sendo puxado especialmente por produtos como cerveja e refrigerante, que registram expansões mensais em torno de 10% em comparação com o ano passado.

Ele atribui a expansão à manutenção de crescimento da renda, fator determinante para os resultados de bens de consumo não duráveis, como as bebidas.

O gerente de Relações com Investidores da AmBev, Michael Findlay, acredita que o desempenho da indústria de cerveja e refrigerantes tenha destoado tanto da indústria em geral nos primeiros meses deste ano porque esse é um segmento com maior estabilidade. "Quando a indústria cresce 20%, nunca acompanhamos esse patamar, mas também não caímos tanto em momentos de crise", afirmou.

Segundo Findlay, o aumento do salário mínimo, o clima favorável e o fato de o carnaval ter sido realizado duas semanas mais tarde do que o ano passado, prolongando as férias, foram determinantes para o bom desempenho do setor, mas o ‘fator renda' representou a principal influência positiva.

Ele avalia que o cenário ainda é positivo e só será alterado em caso de efeitos mais graves da crise no desemprego. No primeiro trimestre, as vendas de cerveja da AmBev subiram 7,6% em relação ao mesmo período de 2008, enquanto as vendas de refrigerantes cresceram 12,6%.

Setor prevê cenário positivo ao longo deste ano

O superintendente do Sindcerv (Sindicato da Indústria da Cerveja), Enio Rodrigues, disse que o consumo de cerveja no País tem crescido a cada ano e a tendência é de prosseguir, com o aumento da inclusão social.

O consumo per capita tem crescido desde 2004 e, no ano passado, houve alta em torno de 6%. Segundo os últimos dados disponíveis, de 2007, o consumo per capita anual do produto chega a 56 litros.

Hoje, o Brasil é o quarto maior produtor, com 10,34 bilhões de litros/ano. Só perde para a China (35 bilhões), Estados Unidos (23,6 bilhões) e Alemanha (10,7 bilhões).

A Coca-Cola Brasil também diz não ter sentido os efeitos da crise. Após uma expansão de 7% nas vendas em 2008, a empresa contabilizou incremento de 4% na comercialização de seus produtos no primeiro trimestre.

"O consumo de bebidas está muito ligado à renda das famílias. Apesar da crise, a renda não sofreu uma queda tão expressiva, que mudasse o hábito de nossos clientes", justifica Marco Simões, vice-presidente de comunicações e sustentabilidade da empresa.

Confiante na manutenção do crescimento do mercado, a empresa manteve seu plano de investimentos. Ao todo, o chamado Sistema Coca-Cola, investirá R$ 1,75 bilhão em 2009, volume 16,6% superior ao ano passado.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;