Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 10 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Governo define impostos mais altos para bebidas mais caras



28/06/2008 | 07:07


O setor de bebidas pagará mais impostos a partir de 1º de janeiro de 2009. O governo publicou ontem no Diário Oficial da União a Medida Provisória 436, que altera a fórmula de cálculo da cobrança de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), PIS (Programa de Integração Social) e Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) incidentes sobre a venda de águas, refrigerantes e cervejas. A tributação será maior para os produtos mais caros.

O governo decidiu também financiar a instalação de medidores de vazão e de produção nas fábricas. Os gastos com a instalação dos equipamentos poderão ser abatidos do PIS e Cofins devidos à Receita Federal. A MP altera a Lei 11.727, aprovada neste mês pelo Congresso Nacional, que entraria em vigor em 1º de outubro.

O secretário-adjunto da Receita, Carlos Alberto Barreto, disse que o objetivo da medida não é o de aumentar a carga tributária, e sim resolver o problema da "regressividade tributária". Segundo ele, é aplicada uma alíquota única dos tributos sobre a quantidade de litros produzidos, independentemente do preço. "A cerveja mais cara paga o mesmo tributo da mais barata. Proporcionalmente, quanto maior o preço, menor a carga", explicou.

Com a nova legislação, a tributação incidirá sobre o preço do produto. "A alíquota vai variar dependendo do tipo de embalagem (lata, garrafa etc.) e do preço praticado no varejo", explicou. A Receita fará uma licitação para contratar um instituto de pesquisa que ficará encarregado de levantar o preço de cada produto no varejo. Com base na pesquisa, serão criadas faixas de tributação por valores de cada produto, de forma que a alíquota seja maior para os mais caros.

Barreto disse que não é possível estimar o tamanho do crescimento da arrecadação neste setor. "O aumento virá pelo ajuste no sistema. Os valores dependem da visão que vamos ter com esse levantamento de preços que será feito."

A Receita permitirá que as empresas deduzam do pagamento do PIS e da Cofins os custos com a instalação dos medidores de vazão, que calculam a quantidade de litros fabricados na própria linha de produção. O benefício atingirá principalmente os pequenos produtores de refrigerantes (até 30 milhões de litros por ano), que ainda têm até junho de 2009 para instalar os equipamentos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Governo define impostos mais altos para bebidas mais caras


28/06/2008 | 07:07


O setor de bebidas pagará mais impostos a partir de 1º de janeiro de 2009. O governo publicou ontem no Diário Oficial da União a Medida Provisória 436, que altera a fórmula de cálculo da cobrança de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), PIS (Programa de Integração Social) e Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) incidentes sobre a venda de águas, refrigerantes e cervejas. A tributação será maior para os produtos mais caros.

O governo decidiu também financiar a instalação de medidores de vazão e de produção nas fábricas. Os gastos com a instalação dos equipamentos poderão ser abatidos do PIS e Cofins devidos à Receita Federal. A MP altera a Lei 11.727, aprovada neste mês pelo Congresso Nacional, que entraria em vigor em 1º de outubro.

O secretário-adjunto da Receita, Carlos Alberto Barreto, disse que o objetivo da medida não é o de aumentar a carga tributária, e sim resolver o problema da "regressividade tributária". Segundo ele, é aplicada uma alíquota única dos tributos sobre a quantidade de litros produzidos, independentemente do preço. "A cerveja mais cara paga o mesmo tributo da mais barata. Proporcionalmente, quanto maior o preço, menor a carga", explicou.

Com a nova legislação, a tributação incidirá sobre o preço do produto. "A alíquota vai variar dependendo do tipo de embalagem (lata, garrafa etc.) e do preço praticado no varejo", explicou. A Receita fará uma licitação para contratar um instituto de pesquisa que ficará encarregado de levantar o preço de cada produto no varejo. Com base na pesquisa, serão criadas faixas de tributação por valores de cada produto, de forma que a alíquota seja maior para os mais caros.

Barreto disse que não é possível estimar o tamanho do crescimento da arrecadação neste setor. "O aumento virá pelo ajuste no sistema. Os valores dependem da visão que vamos ter com esse levantamento de preços que será feito."

A Receita permitirá que as empresas deduzam do pagamento do PIS e da Cofins os custos com a instalação dos medidores de vazão, que calculam a quantidade de litros fabricados na própria linha de produção. O benefício atingirá principalmente os pequenos produtores de refrigerantes (até 30 milhões de litros por ano), que ainda têm até junho de 2009 para instalar os equipamentos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;