Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 26 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

ONU quer arrecadar 1,4 mi de toneladas de comida para África


Do Diário OnLine
Com Agências

07/06/2002 | 14:15


O Programa Mundial de Alimentos (PMA) da Organização das Nações Unidas (ONU) quer arrecadar mais de 1,4 milhão de toneladas de comida com o objetivo de evitar que cerca de 13 milhões de pessoas de seis países africanos morram de fome, anunciou nesta sexta-feira o chefe da agência, James Morris.

"Esse é um problema muito sério", disse Morris. "Estimamos, que no pior caso, existam 12,8 milhões de pessoas de seis países do sul da África que correm um sério risco".

Com dois anos consecutivos de colheitas prejudicadas pela seca, enchentes e geadas, combinadas a crises política e econômica, os estoques de alimentos ficaram reduzidos e, conseqüentemente, os preços aumentaram.

O chefe do PMA estimou também que seriam necessários em torno de US$ 400 milhões, provenientes de doações governamentais para combater a crise. Ele anunciou que em breve, uma campanha será lançada.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

ONU quer arrecadar 1,4 mi de toneladas de comida para África

Do Diário OnLine
Com Agências

07/06/2002 | 14:15


O Programa Mundial de Alimentos (PMA) da Organização das Nações Unidas (ONU) quer arrecadar mais de 1,4 milhão de toneladas de comida com o objetivo de evitar que cerca de 13 milhões de pessoas de seis países africanos morram de fome, anunciou nesta sexta-feira o chefe da agência, James Morris.

"Esse é um problema muito sério", disse Morris. "Estimamos, que no pior caso, existam 12,8 milhões de pessoas de seis países do sul da África que correm um sério risco".

Com dois anos consecutivos de colheitas prejudicadas pela seca, enchentes e geadas, combinadas a crises política e econômica, os estoques de alimentos ficaram reduzidos e, conseqüentemente, os preços aumentaram.

O chefe do PMA estimou também que seriam necessários em torno de US$ 400 milhões, provenientes de doações governamentais para combater a crise. Ele anunciou que em breve, uma campanha será lançada.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;