Fechar
Publicidade

Domingo, 24 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Alckmin afirma que não vai negociar com PCC


Do Diário OnLine

24/02/2001 | 16:57


O governador em exercício de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse que não leu o manifesto divulgado na sexta-feira pelos líderes do PCC (Primeiro Comando da Capital). Ele afirmou que não há possibilidades de negociar com a facção.

Ele disse ainda que não leu o texto, mas que quem conversa com os presos é a Secretaria da Administração Penitenciária e em relação ao crime organizado afirmou que não há negociação e sim o cumprimento da lei.

O PCC alega, no manifesto, que as rebeliões nas 29 penitenciárias do Estado, no último domingo, tinham a intenção de forçar as autoridades ao diálogo e cumprimento da lei. No texto, Alckmin e do secretário de Segurança Pública, Marco Vinício Petrelluzzi foram criticados. Nagashi Furukawa, ao contrário, foi elogiado.

Petrelluzzi disse que não leu o manifesto, mas acredita que as reivindicações ao motivo das rebeliões é para chamar atenção da ordem dos direitos humanos, que acabou ficando do lado do PCC.

Penitenciária de Taubaté – O governador em exercício disse que a penitenciária não será desativada e que construíra outra em Presidente Bernardes, no oeste do Estado.

O contrato das obras será assinado na próxima semana. Disse ainda que a transferência de integrantes do PCC é assunto para a Secretaria de Administração Penitenciária e que teme novas rebeliões no carnaval, mas afirmou que se acontecer está preparado para enfrentá-las.

No entanto, Furukawa afirmou que não há negociação em relação a transferência dos presos. Disse ainda que o esquema de segurança será reforçado neste carnaval.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Alckmin afirma que não vai negociar com PCC

Do Diário OnLine

24/02/2001 | 16:57


O governador em exercício de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse que não leu o manifesto divulgado na sexta-feira pelos líderes do PCC (Primeiro Comando da Capital). Ele afirmou que não há possibilidades de negociar com a facção.

Ele disse ainda que não leu o texto, mas que quem conversa com os presos é a Secretaria da Administração Penitenciária e em relação ao crime organizado afirmou que não há negociação e sim o cumprimento da lei.

O PCC alega, no manifesto, que as rebeliões nas 29 penitenciárias do Estado, no último domingo, tinham a intenção de forçar as autoridades ao diálogo e cumprimento da lei. No texto, Alckmin e do secretário de Segurança Pública, Marco Vinício Petrelluzzi foram criticados. Nagashi Furukawa, ao contrário, foi elogiado.

Petrelluzzi disse que não leu o manifesto, mas acredita que as reivindicações ao motivo das rebeliões é para chamar atenção da ordem dos direitos humanos, que acabou ficando do lado do PCC.

Penitenciária de Taubaté – O governador em exercício disse que a penitenciária não será desativada e que construíra outra em Presidente Bernardes, no oeste do Estado.

O contrato das obras será assinado na próxima semana. Disse ainda que a transferência de integrantes do PCC é assunto para a Secretaria de Administração Penitenciária e que teme novas rebeliões no carnaval, mas afirmou que se acontecer está preparado para enfrentá-las.

No entanto, Furukawa afirmou que não há negociação em relação a transferência dos presos. Disse ainda que o esquema de segurança será reforçado neste carnaval.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;